Editorial

AUDIO morre aos 33 anos

texto-contexto 2.jpg

Foi com mágoa que soube da morte, aos 33 anos, da revista Audio, de que fui co-fundador e mentor com Jorge Gonçalves. Consta que vai ressuscitar online. Por isso proponho o Hificlube.net como única alternativa. E porque não ambas, num país, como em tudo o resto, dependente do estrangeiro?

Eu fui um dos apóstolos que abandonou precocemente este ramo editorial de culto audiófilo, depois de ter contribuído para a sua criação e implantação. Mas nunca deixei de espalhar a palavra urbi et orbe.

Primeiro, no jornal Público, depois no Diário de Notícias (abrir vários artigos em pdf no final da página), durante 16 anos, onde publiquei centenas de páginas a cores sobre áudio highend e reportagens sobre a CES, de Las Vegas e o HighEnd Show de Frankfurt/Munique e o Festival du Son, em Paris e, claro, o nosso Audioshow.

Cheguei mesmo a realizar um programa na XFM, o Audiofilia Aguda, um programa de rádio para audiófilos crónicos, no qual tocava discos de etiquetas audiófilas.

A revista Hificlube.net, que faz agora vinte anos, foi uma tentativa bem sucedida de manter vivo o espírito original da revista Audio, disponibilizada gratuitamente online, em língua portuguesa.

Nota: basta clicar com o botão direito do rato para obter uma tradução automática para inglês via Google (a tradução é fraca mas legível).

Fomos dos primeiros a utilizar o YouTube como complemento de textos e fotografias e a fazer diretos a partir de shows nacionais e internacionais.

Tudo começou na revista Imasom, onde fui pioneiro na crítica de áudio HighEnd. A Imasom foi o berço da revista Audio e o trampolim de onde eu e JG saltámos para outros voos nacionais e internacionais, ele na presidência da EISA, eu como colaborador regular de revistas de referência como a HiFiCritic e a HiFiNews.

A história da minha entrada e, sobretudo, da minha saída da aventura editorial que foi a AUDIO é no mínimo rocambolesca. Mas ainda não chegou o tempo de a contar, pois iria abrir feridas que nunca sararam por completo.

Na edição do 25º Aniversário, a convite de Jorge Gonçalves, publiquei um artigo biográfico, sobre a minha passagem pela revista Audio, onde conto alguns episódios curiosos da difícil gestação e aduzo alguns motivos genéricos para a minha saída: incompatibilidades várias.

Podem (re)ler o artigo aqui: ‘Revolução em Abril’.

Fui convidado para o aniversário mas, hélas, não para o epitáfio. Mas JG teve a amabilidade de não me 'apagar' da história da Audio, na última edição da revista, onde o meu contributo foi lembrado.

Chegou a hora de retribuir, desejando a JG sorte na nova aventura editorial. A moeda continua a rolar...

Boa sorte JG

José Vitor Henriques

texto contexto 2

Vários artigos publicados no DN em pdf


AbsoluteSounds950x438
Publicidade