2006

Loewe À Primeira Vista



Desde que tenha uma imagem razoável, e não me canse os olhos massacrados por anos de escritas e leituras, livros, jornais e computadores, e o fumo dos outros, já fico satisfeito. Quando quero ver filmes ou concertos em DVD, prefiro projectores e vou para o estúdio onde posso “abrir” o som à vontade.


O velho Grundig que prestou serviço cá em casa até morrer de esgotamento cumpriu sempre sem deslumbrar. Entretanto, a tecnologia evoluiu, se é que se pode considerar que o plasma e o LCD são uma evolução em relação ao CRT, e, tal como cantava Roger Waters, em “Nobody Home': Got thirteen channels of shit on the T.V. to choose from. Por acaso, com a TV Cabo são muito mais de 13 “but the shit remains de same…”, porque a maior parte dos canais têm uma imagem de... merda. Salva-se a FOX, que tem séries como Dr. House, cuja imagem por vezes parece em alta definição. Parece mas não é, hélas.


Neste contexto qualquer televisor que passe cá por casa sofre para provar o que vale, até porque a maior parte do tempo eu estou a ver a SIC-Notícias, ligado a essa coisa inenarrável que é a powerbox da TV-Cabo, que distorce, pixeliza e congela a imagem. Ora, como quem dá a cara é o televisor, é também ele que paga as favas, sem culpa nenhuma, como é fácil de verificar com qualquer DVD, pois a melhoria na qualidade da imagem é imediatamente óbvia.


O pior inimigo dos plasmas e LCD é, pois, a TV-Cabo. A situação agrava-se quando o espectador tem o hábito de estar sentado perto do televisor e a imagem lhe parece um daqueles “puzzles” complexos de peças muito pequeninas, que se arrumam e desarrumam, como se estivessem em suspensão num líquido transparente. No caso dos LCD, o “arrastamento” contribui ainda com a sua quota parte para a má qualidade da imagem quando é preciso reproduzir movimento.



Uma das soluções mais simples é afastarmo-nos do ecrã até a imagem ganhar coerência e definição: a cinco metros de distância até a TV-Cabo tem uma imagem quase aceitável. Mas atenção, há uma relação entre a diagonal do ecrã e a distância de visionamento que deve ser respeitada. Ora as pessoas hoje em dia compram plasmas e LCD com o maior ecrã possível, pelo preço mais baixo, convencidos que HDTV é um logótipo, e colocam-no aos pés da cama ou a dois metros da mesa de jantar, e depois queixam-se que o televisor está avariado porque a imagem da novela braisleira não se compara com a que viram na loja (normalmente obtida a partir de um DVD com imagens fixas de elevada resolução ou filmes promocionais com paisagens deslumbrantes ou gajas boas).



Hoje em dia, fala-se muito de HDTV (algo que nós não vamos ter num canal generalista em Portugal antes do TGV…). Contudo, as pessoas esquecem-se que há um ponto de “saturação” dos nossos olhos a partir do qual exigir mais “detalhe” é como “chover no molhado” pois não é visível. Eu dou alguns exemplos:



Num ecrã de +/- 50 polegadas (o sonho da classe média portuguesa e algum pessoal das barracas que vende “sonhos” artificiais), a resolução máxima da imagem de um DVD percebida por uma pessoa com visão perfeita é, a seis metros de distância, igual à da imagem da HDTV a 1080i a 1, 70 metros de distância (atenção: a escala da Lucasfilm é logarítimica). A vantagem da HDTV reside assim sobretudo (mas não só: a saturação das cores e a estabilidade da imagem, por exemplo) no facto de se poderem ver imagens “grandes” a distâncias “curtas” sem perda de qualidade visível a olho nú.
À distância de visionamento vulgar de dois a três metros, os ecrãs de 16:9 não devem ultrapassar as 40 polegadas de diagonal, isto com DVD! Para a maior parte das utilizações domésticas, um ecrã de 32 polegadas é, pois, quanto basta.



Na Idade Média os leprosos andavam com uma enorme vara para manter as pessoas à distância e evitar o contágio. A TV-Cabo sofre - e peço desculpa pelo exemplo de mau gosto- de “lepra digital”, que contagia, sobretudo, os pobres LCD e plasmas. Tal como em relação à referida doença, hoje sabe-se que afinal não é assim tão contagiosa, e há “medicamentos” eficazes para a controlar. No caso dos “grandes” plasmas e LCD, um “scaler”como o Cinemateq ajuda, embora haja limites para o tratamento de lixo. Ou então opte por um televisor de diagonal adaptada às suas condições domésticas que processe digitalmente a imagem para obter o melhor resultado possível em toda as circunstâncias. É o caso do Loewe Individual 32in LCD com a plataforma digital+, que passou cá por casa numa visita demasiado breve. Chuiff!...



LOEWE INDIVIDUAL 32 in LCD

O primeiro impacte visual dá-se mesmo quando o televisor ainda está apagado. Convenhamos que é lindo, senão mesmo o mais bonito do mercado. E pode ainda ser “individualizado” com barras laterais de alumínio anodizado ou madeira em várias cores. O suporte em X é elegante e a solução de colocar os altifalantes por baixo do ecrã tem uma irrefutável lógica de design: os altifalantes colocados lateralmente alteram o periclitante equilíbrio estético dos ecrãs 16:9, tornando o conjunto demasiado longo.



Aliás, na linha da Bang&Olufsen, de que eu não gosto por ser “kitsch novoriquista”, a Loewe dá muita importância ao design dos seus produtos…e isso vê-se e sente-se nos pormenores. Eu, por exemplo, achei deliciosa a cortina digital que abre e fecha quando se liga e desliga o televisor e nos permite continuar a ver a imagem até à última nesga de ecrã, o conceito gráfico do televisor como grande palco do mundo.
Já achei o comando e os menus algo confusos (eu sou um leigo na matéria, admito), apesar das infinitas possibilidades de afinação e correcção da imagem. E fazem falta, porque as afinações de fábrica “carregam” quase sempre no contraste, no brilho e na cor para cativar os espíritos mais impressionáveis. O ideal é possuir um disco de afinação como o Video Essentials, ou pedir ao vendedor que afine a imagem ao seu gosto. Para mim, o ponto de partida é a cor da pele. Só depois vêm os brancos, os negros e as cores primárias.



Claro que nem a Loewe com a tecnologia Image+ consegue transformar a TV-Cabo na HDTV americana, pelo que, se quer tirar todo o partido do seu investimento, explore a excelente qualidade da imagem com DVD, de preferência com ligação HDMI (no mínimo por componentes) e um leitor-DVD Denon que permita “puxar” o sinal até aos 720p. O salto é tão grande que só uma expressão a pode exprimir: “eye-popping”.


Loewe at first sight, indeed.



A resolução máxima de 1366 x 768 pode ser explorada com uma ligação VGA ao seu computador para ver videoclips de alta definição (disponíveis na Internet) com o Windows Media Player 10. Ou espere pelo Blu-ray…



Nota: A versão Selection tem a opção extra de um gravador de disco rígido integrado. Para mais informações, leia o pdf da marca, clicando no ícone no início da página ou contacte o distribuidor Videoacústica.