2004

Bw Nautilus New 800d Series: A Ínclita Geração - Parte 4



ÍNCLITA GERAÇÃO

A nova 800 Series mantém todas as características genéticas da «Ínclita Geração», que se iniciou como a famosa Nautilus «Mãe-Caracol», exibida com assinalável êxito no Audioshow04 de Lisboa, nomeadamente:
Matrix


1. Caixas curvas reforçadas no interior pelo sistema de travejamento Matrix;


Cabeça em Marlan


2. Cabeça negra de Marlan (um material cerâmico sintético inerte e rígido) de forma esférica/pontiaguda, com tubo de carga para absorção da radiação traseira da unidade de médios FST em «kevlar» amarelo;
Tweeter desmontado


3.«Tweeter» montado exteriormente numa câmara em forma de lágrima para melhor dispersão e eliminação do efeito de difracção, também com tubo de carga;
Escape de fluxo de ar


4. «Túnel com bexigas doidas» da saída de graves do sistema «reflex» baseado na superfície irregular das bolas de golfe para facilitar o fluxo do ar sem ruído.

À primeira vista nada parece distinguir as novas «800» das anteriores. Uma observação mais atenta revela, contudo, que os modelos «D» têm agora um «tweeter» de diamante mais avançado sobre a cabeça (o antigo «tweeter» de liga de alumínio mantém-se apenas nos modelos «S»). O novo «tweeter» é um milagre da engenharia electromecânica e dispensa o recurso aos «supertweeters» na reprodução da banda alargada dos novos formatos SACD e DVD-Audio, com vantagens ao nível da coerência de fase que, segundo os estudos da BW, é tão ou mais importante que a própria extensão em frequência. A rigidez e consequente linearidade (e velocidade) de resposta do diamante, que é muito superior à do titânio e até do berílio, vem revolucionar a reprodução dos agudos: mais informativos e mais doces, algo que antes só era possível com «ribbons» ou painéis electrostáticos, mas nunca com a extensão até aos 70kHz proporcionada pelo diamante.
Altifalante de graves em Rohacell


As unidades de graves utilizam também um novo material sintético designado por Rohacell, uma espuma muito leve utilizada na indústria aeronáutica, reforçada com fibras de carbono. A BW optou por uma espessura pouco comum (8 mm) dos cones, só possível porque o Rohacell pouco aumenta à massa total, e depois de intensos estudos terem provado que quanto mais espessos menos susceptíveis são à transmissão desfasada de sons sob pressão dentro da caixas acústicas através dos cones.
Dr.Gary Geaves discursando aos peixes (os japoneses -e não só - dormiram profundamente)
Colloms atento à palestra de Geaves; Alvin Gold (em primeiro plano) nem por isso...


É curioso que Gary Geaves considera que a rigidez não é tão importante como pretendem os defensores dos altifalantes de metal. Daí que tenham optado pelo Kevlar e pelo Rohacell. Os altifalantes de alumínio podem ser mais rápidos na resposta ao impulso porque não «quebram», mas em contrapartida sofrem de «ringing» que é quase impossível de amortecer com filtros passivos e tornam-se direccionais à medida que a frequência sobe, o que é muito mau para a reprodução de médio-graves e graves.
Novo filtro divisor simplificado


A utilização de novas unidades de graves e agudos extremamente lineares permitiu a consequente simplificação dos filtros divisores. Pela primeira vez na história da BW o filtro de passa-altas é de primeira ordem (apenas um condensador em série) que associado à pendente natural das unidades resulta num filtro do tipo Linkwitz-Riley de 2ª ordem. Para manter o anterior alinhamento geométrico de fase seria necessário inverter a polaridade do «tweeter» em relação ao médio, algo que a BW considera de evitar a todo o custo (perde-se impacte dinâmico). Assim, o «tweeter» foi avançado o correspondente a um quarto de onda para poder manter a mesma polaridade do médio.
BW HTM1D, o poder do centrão


As estrelas da companhia (ver Galeria) são os modelos 800D (topo de gama) e 801D (que já equipam os famosos estúdios Abbey Road) mas foi a poderosa e imponente coluna central HTM1, com «cabeça» de Marlan para os médios, «tweeter» de diamante e três altifalantes de graves (!), e não o champanhe servido durante a recepção, que entusiasmou os 150 convidados.
As 801D no palco do Museu Britânico


Depois da palestra a BW pretendeu agraciar os convidados com um vídeo de Peter Gabriel, com uma interessante montagem em paralelo de imagens ao vivo do concerto e do processo de fabrico das Nautilus 800D, mas, hélas, algo correu mal. O canal central estava desactivado e a voz de Peter Gabriel soou apenas fora-de-fase através dos restantes canais como se estivesse a cantar em «off». Mas o que se ouviu do par frontal deu para perceber por que motivo «diamonds are a girl's best friends»: os agudos a que elas são tão sensíveis soaram doces e informativos.


Continua (ver Artigos Relacionados)