UltimateAudioElite_950x225
Delaudio950x225
Publicidade


Reviews Testes

Rotel A14MkII – desejo acessível

Rotel A14MkII_lifestyle web copy.jpg

Read full article in English

 

JVH desceu do pedestal do high end e sentou-se no sofá para ouvir um amplificador integrado de 1 500€. Os parentes não caíram na lama, o som também não.

Ser crítico de áudio, permite-me ouvir equipamentos de som que não tenho capacidade financeira para comprar.

É mais fácil analisar um amplificador que não me custou os olhos da cara, pois não sofro tanto se não cumprir as elevadas expectativas criadas pelo seu preço.

… eis o tipo de amplificador que eu aconselho aos amigos…

O Rotel A14MkII custa apenas 1.499€, logo o que se espera dele é que cumpra os requisitos mínimos que se exigem de um amplificador integrado de 80W/8 ohms de Classe A/B na sua categoria de preço.

Este é o tipo de amplificador que eu aconselho aos amigos que, depois de lerem as minhas análises hiperbólicas a amplificadores que custam tanto como um T1 com vista para o mar, me perguntam:

“E já agora não sugeres nada que se possa comprar com o subsídio que já nem para as férias dá, com esta inflação louca?...”

Eis uma alternativa acessível: Rotel A14MkII.

A família Tachikawa

A Rotel é uma empresa fundada em 1961, em Tóquio, que passados 61 anos continua na posse da família Tachikawa originalmente de origem taiwanesa. 

Esta longevidade é o seu melhor cartão de visita. Nenhuma empresa resiste tantos anos se os seus produtos não tiverem qualidade – muito menos competitividade.

Num mundo global, a competitividade implica redução de custos, logo a deslocação para a China, onde são fabricados com o tradicional rigor japonês, era inevitável. Todos os componentes, incluindo os PCB e os transformadores, são produzidos na fábrica de Zhuhai, com exceção dos chips do DAC.

 

Construção simples com componentes próprios selecionados (o transformador é enrolado na fábrica da Rotel) Andar digital não tem PSU independente.

Construção simples com componentes próprios selecionados (o transformador é enrolado na fábrica da Rotel) Andar digital não tem PSU independente.

Rotel é vizinha da B&W

Se pensarmos que há uma relação empresarial entre a Rotel, a Classé e as colunas B&W – e, já agora - a Michi - este é um amplificador com algum pedigree - portanto, recomenda-se.

Daren Orth é o engenheiro responsável pela eletrónica Rotel. E como todos os bons projetistas de amplificadores, começa por uma fonte de alimentação robusta, com capacidade para gerar corrente suficiente para alimentar colunas com 4 ohms de impedância (150W/4 ohms). Um pouco mais de capacidade filtragem não se perdia nada, embora os condensadores de folha fina sejam de boa qualidade.

E juntou ainda alguns melhoramentos no circuito inspirados no desenvolvimento dos topos de gama “Tribute” e Michi.

Clássico com soluções modernas

Mas atualmente um bom amplificador não chega. É preciso responder às necessidades do consumidor moderno: AAC streaming Bluetooth, PC/USB, Roon Ready e um DAC da Texas Instruments 32-bi/384kHz com MQA/MQA Studio, que substitui os AKM originais, cuja fábrica ardeu recentemente.

Falta-lhe o streamer, mas com a ligação PC/USB pode utilizar o seu portátil para cumprir as funções de streaming.

Design simples de linhas direitas com 14 botões de pressão no painel frontal.

Design simples de linhas direitas com 14 botões de pressão no painel frontal.

De linhas elegantes

O A14MkII chegou-me às mãos na versão negra. Pode optar pela cor prata. Trata-se de um “slimline” de linhas direitas (430x93x345), com 9 Kg de peso.

No painel frontal, o único botão rotativo é o de controlo de volume. A seleção de funções e fontes é feita por meio de botões de pressão individuais.

O mostrador é banal, de baixa resolução, e funciona como apoio visual do botão de Menu, em conjugação com as teclas de +/-.

Além das múltiplas funções do volume, mostra apenas a fontes, volume e controlos de tonalidade selecionados (bass/treble +/-10dB).

Marchar, só em frente

Se pretender fazer o setting de um determinado parâmetro vai ter sempre de correr o menu todo, porque não é possível recuar, só avançar. E são 30 campos, alguns desnecessários ou redundantes! Pode utilizar o remoto mas o problema mantém-se. Mas há aqui uma função interessante: é possível regular o volume máximo de cada fonte.

Não vou enumerá-los todos – o Manual está disponível no site da Rotel. Mas há um que é fundamental: PC-USB 2.0. Já vamos ver porquê.

Bluetooth rocks

Logo que o A14MkII chegou, liguei-o ao sistema, fiz o emparelhamento Bluetooth com o meu Galaxy S22 Ultra e comecei a ouvir streaming da Tidal e Qobuz, enquanto escrevia.

…para o consumidor médio, o Bluetooth é quanto basta para o usufruto diário de música…

Como sempre acontece, o som melhorou ao fim de uns dias: ao princípio soa macio, mas algo difuso, sem contraste dinâmico e estrutura harmónica, a que o Bluetooth também não é alheio.

Mas para o consumidor médio, o Bluetooth é quanto basta para o usufruto diário de música. A maior parte dos potenciais compradores de um Rotel A14MkII não tem uma vasta coleção de ficheiros áudio de alta resolução, nem quer saber de DSD e MQA para nada.

Apenas está interessado em ouvir as novidades da Spotify ou explorar as suas antigas coleções de LP (Phono MM) e CD (evite leitores-CD ou DACS externos com nível de saída acima dos 4V, que podem provocar sobrecarga).

Para ouvir música em alta resolução é fundamental alterar o default de USB 1.0 para USB 2.0

Para ouvir música em alta resolução é fundamental alterar o default de USB 1.0 para USB 2.0

Assim, quando o liguei ao PC via PCB-USB para ouvir ficheiros áudio via JRiver e MQA e DSD via Roon surgiram logo as incompatibilidades nas amostragens e o DAC do Rotel não era reconhecido pelas aplicações.

Se vai utilizar um PC como streamer (PC-USB), para ouvir a Tidal ou Qobuz, além de instalar a Asio Driver disponível no site da Rotel, vai ter de alterar o default USB 1.0 para USB 2.0. Se tem um MAC, não precisa de driver.

A14MkII cumpre na integra as especificações: PCM 384kHz e MQA/MQA Studio 352,8kHz. E via Roon reproduz DSD128 como PCM 352,8kHz. (ver MQA em baixo)

A14MkII cumpre na integra as especificações: PCM 384kHz e MQA/MQA Studio 352,8kHz. E via Roon reproduz DSD128 como PCM 352,8kHz. (ver MQA em baixo)

Resolvidas estas questões informáticas, o A14MkII cumpre na integra as especificações: PCM 384kHz e MQA/MQA Studio 352,8kHz. E via Roon reproduz DSD128 como PCM 352,8kHz.

Desdobramento de ficheiros MQA até 352,8kHz.

Desdobramento de ficheiros MQA até 352,8kHz.

No painel frontal, o A14MkII oferece ainda uma outra entrada USB A, ativada com o botão USB. Pensei que podia assim ouvir também música armazenada numa pen ou disco rígido.

Contudo, esta ‘misteriosa’ entrada USB-A só é compatível com periféricos Apple: iPhone, iPad ou iPod (!!). A sério? Eis uma opção comercial, mais do que técnica, que é, no mínimo, discriminatória.

Mas, como já referi acima, nada o impede de ligar o seu Galaxy via Bluetooth.

A entrada para auscultadores aceita apenas jacks de 3,5mm. E não corta a saída do sinal para as colunas. Utilize os botões A-B para desligar as colunas.

1 x Phono; 4 x RCA; Pre-out; PC-USB e duplos bornes para bicablagem ou dois pares de colunas (A+B).

1 x Phono; 4 x RCA; Pre-out; PC-USB e duplos bornes para bicablagem ou dois pares de colunas (A+B).

Curiosamente, há ainda outra entrada USB A, no painel traseiro, mas essa tem apenas funções de carga (5V/0,5A) – do seu telemóvel, por exemplo.

…o A14MkII tem um som tipicamente Rotel: escorreito, limpo, muito linear…

Primeiros sons

O Rotel A14MkII tem um som tipicamente Rotel: escorreito, limpo, muito linear, não tão encorpado como eu gostaria, com um grave bem definido (sem adiposidades) e não adiciona nenhuma coloração particular ao som em geral, nem às vozes em particular, cuja reprodução não lhes rouba inteligibilidade ou altera a tonalidade.

O A14MkII não é um ‘brutamontes’, apesar dos alegados 150W/4, que me parecem otimistas, tendo em conta a fonte de alimentação.

Há no A14MkII uma delicadeza e uma finesse própria da Classe A, e por isso não me surpreendeu o facto de ficar bem quente, após umas horas de utilização, a revelar forte polarização.

Aposto que os primeiros 10W são em Classe A, talvez por isso eu goste tanto de o ouvir a tocar baixinho, no silêncio da noite, permitindo-me deambular na transparência do palco sonoro em busca de informação musical relevante.

Mas, claro, também é capaz de atingir volumes hostis à vizinhança, se lhe abrir as goelas, embora não me pareça tão à vontade como os concorrentes de Classe D a níveis elevados de pressão sonora.

O volume de abertura é 45 por default. E compreende-se porquê. Até metade do seu percurso, o potenciómetro parece não fazer efeito e o som sobe (demasiado) suavemente. Aconselho o acasalamento com colunas com boa sensibilidade.

Com monitoras, opte por subir 2dB no grave. De resto, oiça-o sem tempero (bypass). Com colunas-de-chão do tipo reflex, colocadas perto das paredes, poderá ao contrário corrigir algum excesso de grave. Os controlos de tonalidade também podem ter vantagens, por omissão.

Atenção: qualquer alteração é extensiva a todas as outras entradas.

O Rotel A14MkII é muito silencioso: não sofre de hum e não vai ouvir qualquer sopro mesmo com o volume no máximo (sem sinal, claro), o que revela cuidado na escolha da topologia e na construção.

Compare-o com a concorrência da NAD, Marantz e Audiolab, antes da compra. Se acabar por se decidir pela Rotel, não vai arrepender-se, pois a relação qualidade/especificações/preço é muito competitiva.

O som mais próximo que ouvi deste A14MkII é o do meu Naim Uniti Atom, que custa o dobro do preço.

Para mais informações:

Sarte Audio Elite

Rotel A14MkII lifestyle web copy

Construção simples com componentes próprios selecionados (o transformador é enrolado na fábrica da Rotel) Andar digital não tem PSU independente.

Design simples de linhas direitas com 14 botões de pressão no painel frontal.

Para ouvir música em alta resolução é fundamental alterar o default de USB 1.0 para USB 2.0

A14MkII cumpre na integra as especificações: PCM 384kHz e MQA/MQA Studio 352,8kHz. E via Roon reproduz DSD128 como PCM 352,8kHz. (ver MQA em baixo)

Desdobramento de ficheiros MQA até 352,8kHz.

1 x Phono; 4 x RCA; Pre-out; PC-USB e duplos bornes para bicablagem ou dois pares de colunas (A+B).


UltimateAudioElite_950x225
Delaudio950x225
Publicidade