UltimateAudioElite_950x225
Delaudio950x225
Publicidade


Reviews Testes

Devialet Dione – a melhor ou nada

Devialet Dione_lifestyle.jpg

Read full article in English

Ouvi a barra de som Dione na minha sala na função de stand-alone, tendo como única fonte externa, além do streaming, o meu televisor Xiaomi 4K de 55 polegadas, ligado por cabo HDMI (ARC), sem o apoio de qualquer subwoofer ou satélites traseiros; ligações que a Dione, aliás, nem sequer disponibiliza.

Nota: Pode ligar um leitor Blu-ray por via ótica. O sinal PCM stereo é depois processado para 5.1.2 virtual pelo algoritmo da Dione.

Graves a sério

Esta é a melhor barra de som que já ouvi, incluindo com música e vozes (canto e locução). Isto, claro, depois da calibração automática (imprescindível) e da escolha dos modos acústicos mais adequados ao programa a reproduzir.

Da esq. para a dir: Modo Movie com HDMI; Night Mode (reduz o grave); Modo Spatial com Bluetooth

Da esq. para a dir: Modo Movie com HDMI; Night Mode (reduz o grave); Modo Spatial com Bluetooth

A Devialet Dione é a única barra de som com graves a sério para reprodução de filmes de ação sem recurso a subwoofer. O efeito surround é apenas virtual, logo a colocação de ‘sons’ atrás de mim era pouco convincente, mas suficientemente ‘atmosférica’ para dar a sensação de espaço à volta do ecrã e até a ilusão de altura!

Nota: Numa sala de menores dimensões, o reflexo das paredes laterais próximas pode potenciar ainda mais a ilusão de ‘surround’.

Dione: um design elegante e discreto que não ocupa espaço.

Dione: um design elegante e discreto que não ocupa espaço.

Tem um preço de luxo (€2 400), como tudo o que vem de Paris. Mas substitui com vantagem doméstica (pergunte à sua esposa) um sistema de som do mesmo preço, pois tem um design elegante e discreto que não ocupa espaço: não há subwoofers, nem satélites, nem cabos para tropeçar no meio do caminho.

Nota: Colocada na horizontal (ver fotos) debaixo do televisor e sobre um móvel da mesma cor a Dione é praticamente invisível embora seja bem audível.

A Dione vista por dentro.  Todo o esquema se desenvolve a partir do centro ORB.

A Dione vista por dentro. Todo o esquema se desenvolve a partir do centro ORB.

Urbi et Orb(i)

Dione não é uma simples barra de som, é antes uma ‘base acústica espacial’, com 950W de potência de fogo e um exército de 17 altifalantes (ver diagrama): 9 unidades full range de 41 mm, incluindo a bola central ORB; e 4 de cada lado nas extremidades: um frontal, um lateral e dois apontados para cima (isto com a barra na horizontal).

Os restantes oito altifalantes são de 133 mm, em forma de pista de estádio, montados em dois pares opostos (frente/traseira) de cada lado da ORB, e reproduzem os graves com entusiasmo e energia.

Dione: altifalante central full range ORB

Dione: altifalante central full range ORB

Parecem os quarteirões geométricos de uma cidade (Urbi), enquadrando o monumento esférico da praça central, que simboliza o mundo (Orb(i), pairando sobre um vórtice, que dispara som em todos os sentidos.

Nota: Dione também pode ser colocada na vertical utilizando o kit de montagem. Neste caso, é preciso rodar a ‘bola’ central para que o ícone ‘D’ fique visível. Um giroscópio interno trata do ‘posicionamento’ dos restantes altifalantes.

Oblivion: os propulsores da nave de Tom Cruise fazem lembrar a ORB.

Oblivion: os propulsores da nave de Tom Cruise fazem lembrar a ORB.

Ficção científica

Há aqui uma clara sugestão de ficção científica. O altifalante full range esférico (na boa tradição Devialet), composto por uma unidade ativa e duas passivas) faz lembrar os propulsores da nave de Tom Cruise em Oblivion (ver foto acima). Pensando bem, os ‘drones’ também lembram as Phantom (vejam os vídeos disponíveis no YouTube)…

A reprodução do som de Oblivion é mesmo à medida da Dione: dos ataques dos drones às explosões; dos movimentos súbitos no plano horizontal e vertical aos diálogos inteligíveis.

Talvez não seja por acaso que, quando a App deteta Dione na sua rede hifi, surge a seguinte mensagem,: ‘new life found’.

Uma questão de modo

Dione não vem com controlo remoto. Talvez funcione com o da Phantom, não sei. Quando está ligado à TV (ARC) pode subir ou baixar o som com o controlo da televisão e ativar ‘Mute’. Mas pouco mais.

Por isso é fundamental descarregar a App. É com ela que vai poder ligar a Dione ao mundo através da Net via WiFi ou Ethernet, transformando a Dione num streamer. Pode aceder à Spotify Connect, ou fazer streaming de música via AirPlay2 (só para Equipamentos Apple).

Se utiliza Android aceda aos seus ficheiros via UPnP. A alternativa é o Bluetooth que, apesar de utilizar apenas codecs SBC e AAC funcionou de forma bem aceitável com a Tidal.

A App também lhe permite selecionar o Modo adequado ao programa a reproduzir: Movies, Music, Voice e Spatial. Nada o impede de ver o telejornal com ‘Movies’ ou ouvir música com Spatial, por exemplo. Mas se seguir os Modos propostos obtém melhores resultados.

Concertos ao vivo e música com muita ambiência são candidatos ao modo Spatial.

Concertos ao vivo e música com muita ambiência são candidatos ao modo Spatial.

Por exemplo: o registo ao vivo de Jazz at The Pawnshop (Tidal) tem ainda mais ambiência com Spatial. O mesmo se pode dizer do concerto ao vivo dos AC/DC ‘Live at Buenos Aires’. Mas se puxar muito pelo som pode tornar-se algo estridente.

Música com muito conteúdo ambiental, como The Astounding Eyes of Rita, de Anouar Brahem, também soa muito bem com Spatial.

De uma maneira geral, opte por Music (stereo), pois o som fica mais coeso, focado e natural. O mesmo se pode dizer de vídeos de música ao vivo, como os excelentes concertos Tiny Desk. Escolhi 3 concertos para si. Todos eles têm percussão e baixos que põem à prova a reprodução de graves da Dione com música.

Anderson Paak Tiny Desk Concert. Clique sobre o nome do cantor para ouvir com as Dione.

Anderson Paak Tiny Desk Concert. Clique sobre o nome do cantor para ouvir com as Dione.

Anderson Paak, extraordinário baterista e cantor

O concerto Tiny Desk da belga-congolesa Lous. Para ouvir com a Dione e chorar por mais...

O concerto Tiny Desk da belga-congolesa Lous. Para ouvir com a Dione e chorar por mais...

Lous and the Yakuzas, música étnica de expressão francesa, absolutamente fantástica de ritmo e sedução

A irreverente  e excêntrica Erykah Badu em concerto na Tiny Desk, com um grupo de músicos fabulosos. Explore os graves das Dione.

A irreverente e excêntrica Erykah Badu em concerto na Tiny Desk, com um grupo de músicos fabulosos. Explore os graves das Dione.

Erykah Badu. E pensar que perdi o concerto dela em Las Vegas por um dia!...

Se achar que é ‘grave a mais’, a única forma de o reduzir é optar por Night Mode. Ou seja, um corte abaixo dos 80Hz que resulta melhor para controlar o excesso de peito das locutoras (na voz…), mas rouba energia à música.

Foi pena a Devialet não ter instalado na App da Dione o igualizador da App dos auscultadores Gemini

Foi pena a Devialet não ter instalado na App da Dione o igualizador da App dos auscultadores Gemini

Foi pena a Devialet não ter instalado na App da Dione o igualizador da App dos auscultadores Gemini. Um pequeno passo para a Devialet que seria um salto gigante para a Dione.

Vão ao YouTube e explorem vários trailers com som Dolby Atmos. A Dione vai deixá-lo de boca e ouvidos bem abertos.

Vão ao YouTube e explorem vários trailers com som Dolby Atmos. A Dione vai deixá-lo de boca e ouvidos bem abertos.

Dolby Atmos

Com cinema de ação e de ficção, os graves soam espetaculares e imponentes. A ligação HDMI deixa o televisor a cargo da descodificação Dolby Atmos (Spatial não está disponível com HDMI?) e o poder do som é impressionante.

Experimente o samplerAtmos Sound Test disponível no YouTube e aproveite para ver o trailer de Gemini Man’, com Will Smith no papel de um sniper, para testar os graves, os diálogos e o varrimento horizontal (o TGV a passar a alta velocidade no ecrã).

Gemini Man. Um tiro certeiro num  passageiro do TGV a alta velocidade. Divirta-se com a Dione.

Gemini Man. Um tiro certeiro num passageiro do TGV a alta velocidade. Divirta-se com a Dione.

O que me surpreendeu mais foi o som Dolby Atmos do YouTube ser muito melhor que o da Netflix (The Gray Man). Talvez porque o meu televisor Xiaomi não tem entrada eARC apenas ARC.

Se é dos que compram o melhor ou nada, a Dione deve estar no topo da sua short list. Soa natural com vozes, coesa com música e expansiva com cinema. E o poder e extensão do grave é de autêntica ficção científica.

Vou sentir falta da Dione. Muita falta.

Devialet Dione lifestyle

Da esq. para a dir: Modo Movie com HDMI; Night Mode (reduz o grave); Modo Spatial com Bluetooth

Dione: um design elegante e discreto que não ocupa espaço.

A Dione vista por dentro. Todo o esquema se desenvolve a partir do centro ORB.

Dione: altifalante central full range ORB

Oblivion: os propulsores da nave de Tom Cruise fazem lembrar a ORB.

Concertos ao vivo e música com muita ambiência são candidatos ao modo Spatial.

Anderson Paak Tiny Desk Concert. Clique sobre o nome do cantor para ouvir com as Dione.

O concerto Tiny Desk da belga-congolesa Lous. Para ouvir com a Dione e chorar por mais...

A irreverente e excêntrica Erykah Badu em concerto na Tiny Desk, com um grupo de músicos fabulosos. Explore os graves das Dione.

Foi pena a Devialet não ter instalado na App da Dione o igualizador da App dos auscultadores Gemini

Vão ao YouTube e explorem vários trailers com som Dolby Atmos. A Dione vai deixá-lo de boca e ouvidos bem abertos.

Gemini Man. Um tiro certeiro num passageiro do TGV a alta velocidade. Divirta-se com a Dione.


UltimateAudioElite_950x225
Delaudio950x225
Publicidade