Reviews Testes

Gira-discos Mofi na Ajasom – analise auditiva previa de JVH

Auditorio principal - perspectiva próxima do sistema.jpg

A notícia da morte do LP foi, de facto, muito exagerada. Na Ajasom, a Mofi provou que ‘Dead Can Dance’…

Curioso como, nas últimas visitas regulares do Hificlube a distribuidores, o LP – embora não só o LP - foi o principal protagonista do som que se ouviu, como foi agora o caso na Ajasom:

No pequeno auditório da cave, onde também se fazem sessões de cinema em 4K, Nuno Cristina, o meu anfitrião, tinha montado um sistema ‘acessível’ pelos padrões audiófilos.

O Mofi Studiodeck+, no pequeno auditório da Ajasom, ao despique com electrónica digital SOtM e acompanhado por colunas e amplificador PMC

O Mofi Studiodeck+, no pequeno auditório da Ajasom, ao despique com electrónica digital SOtM e acompanhado por colunas e amplificador PMC

A notícia da morte do LP foi, de facto, muito exagerada. Na Ajasom, a Mofi provou que ‘Dead Can Dance’…

A principal vedeta era o Mofi Studiodeck+ que, já com braço e célula incluída – e pronto a servir com afinação de fábrica – tem um preço de 1 349,00 €, portanto nada de absurdo, se pensarmos que há células de 5 mil euros e mais.

A Mofi é a ‘segunda vida’ da famosa editora Mobile Fidelity que, nos tempos áureos da década de oitenta, produzia LPs de elevada qualidade a partir de ‘masters’ originais, e agora também se dedicou aos gira-discos para os pôr a rodar sem nos pôr a nós a cabeça-à-roda com o preço.

Com desgosto me recordo de ter posto à venda um gira-discos, um acto irreflectido da minha então precipitada transferência para o digital, e incluí ingenuamente no ‘pacote’ dois LPs ‘half speed mastering’ da MF, que hoje devem valer mil dólares: Crime of the Century, dos Supertramp; e Dark Side Of The Moon, dos Pink Floyd. Tenho as versões em CD também da MF, portanto da mesma matriz, e não há comparação possível.

PMC COR, gira-discos Mofi Studiodeck e conversor+servidor/streamer SOtM (clicar nas fotos para aumentar)

PMC COR, gira-discos Mofi Studiodeck e conversor+servidor/streamer SOtM (clicar nas fotos para aumentar)

Do sistema fazia ainda parte um par de colunas PMC Twenty5 23 (3 999,00€), alimentadas por um integrado PMC COR de 90W ch (novidade a 5 900,00€), estando a fonte digital a cargo da SOtM D/A SDP1000EX (conversor a 4200,00€) e SMS1000SQ (servidor a 4800,00€). Cablagem Kimber Ascent e acessórios Furutech.

Via streaming, ouviu-se a divina Anna Netrebko em Solveig’s Song; o pianista Ahmad Jamal, ao vivo, em Sometimes I feel like a Motherless; Quality Of Mercy, por Michelle Schocked, curiosamente sem misericórdia nenhuma, porque foi a única artista que me deu um cartão vermelho no You Tube, por ter ‘ousado’ utilizar um excerto desta faixa num vídeo que publiquei; Dylan em What Was it You Wanted, por ironia do destino do álbum Oh Mercy; e Peter Gabriel em Don’t Give Up (ao vivo) para nos dar alento e coragem.

O Mofi abriu a sua actuação com Zeca Afonso, Cantigas do Maio, e depois Nierika dos Dead Can Dance para provar que só morre quem desiste de lutar.

PMC COR e colunas Twenty5 23 - tudo em família.

PMC COR e colunas Twenty5 23 - tudo em família.

A qualidade do som digital e analógico era muito semelhante. No disco do Zeca notei algum ‘enchimento’ da gama média baixa, bem ao gosto da época, quando se ouvia música em electrodomésticos sonoros; os Dead Can Dance soaram tão limpos como em CD. Com ambos o ruído de superfície dos LPs era praticamente inexistente, assim como o rumble. O Mofi soou estável e sólido, um bom sinal a este nível de preço.

As PMC Twenty5 23 denunciaram a sua origem genética de linha-de-transmissão com o grave bem articulado e com profundidade q.b. tendo em conta o tamanho reduzido de um modelo 2-vias.

Aliás, veio-me logo à memória o som das Finestra, em Munique, o topo de gama da PMC (ver vídeo em cima).

Perspectiva ampla do grande auditório da Ajasom, na Damaia

Perspectiva ampla do grande auditório da Ajasom, na Damaia

No auditório principal, onde já ouvi grandes sons (ver em Artigos Relacionados no final do artigo), a coisa fiava mais fino, em todos os sentidos: no preço e também na performance, com mais informação e resolução e um salto quântico na dimensão da imagem, tanto no plano lateral como em profundidade, sobretudo com o LP dos Dead Can Dance (edição da Mobile Fidelity).

O sistema no auditório principal era composto por:

Fonte analógica – Giradiscos Mofi – Ultradeck + M (Combo de gira-discos Ultradeck e célula MM Mastertracker) 2199.00€

Unidade de phono – Remton Audio  - LCR 4.250.00€

Foto sistema com coluna

Fonte digital: Hegel – Conversor D/A HD30 – 4800.00€

Servidor: Roon -  Nucleus + – 2950.00€

Amplificadores a válvulas Leben

Amplificadores a válvulas Leben

Amplificador integrado Leben: CS600- 6490.00€

Colunas de Chão: Audiovector: Sr 3 Avantgarde Arrete – 9000.00€

Cablagem de sinal Kimber Kable – serie Select

Cablagem e acessórios de corrente – Furutech e Shunyata

Aqui a grande novidade era o Roon Nucleus+ que contudo apenas foi utilizado na função de Streamer, da Tidal, neste caso. A sua principal actividade enquanto Servidor vai ficar para segundas núpcias, pois é um produto que merece uma análise mais detalhada e com tempo.

Revox Studer, o passado analógico ainda assombra o digital...

Revox Studer, o passado analógico ainda assombra o digital...

Presentes na sala mas apenas em exibição estática, além da colecção McIntosh, um fabuloso gravador de estúdio Revox Studer e os Wadax Atlantis, com construção de cofre-forte, ambos a exigir uma nova visita para breve.

Electrónica Wadax Atlantis, pronta-para-a-guerra, mas ainda com adesivos de protecção.

Electrónica Wadax Atlantis, pronta-para-a-guerra, mas ainda com adesivos de protecção.

A Ajasom tem sempre a mesa posta para receber convivas, mas sugere-se a marcação prévia para os leitores que pretendam usufruir da mesma experiência que eu e atendimento personalizado – sem custos. E até pode levar os seus discos…

Para mais informações: AJASOM

Auditorio principal perspectiva próxima do sistema

O Mofi Studiodeck+, no pequeno auditório da Ajasom, ao despique com electrónica digital SOtM e acompanhado por colunas e amplificador PMC

PMC COR, gira-discos Mofi Studiodeck e conversor+servidor/streamer SOtM (clicar nas fotos para aumentar)

PMC COR e colunas Twenty5 23 - tudo em família.

Perspectiva ampla do grande auditório da Ajasom, na Damaia

Amplificadores a válvulas Leben

Revox Studer, o passado analógico ainda assombra o digital...

Electrónica Wadax Atlantis, pronta-para-a-guerra, mas ainda com adesivos de protecção.