Reviews Testes

Bang Olufsen Beoplay H6

Beoplay H6 Special Edition Gold

Se considerarmos que os H6 são auscultadores “nómadas”, ou seja, para serem utilizados “em movimento”, ligados a um iPhone ou iPod, são claramente caros face à concorrência. Isto se, por concorrência, se entender aquelas bandelettes de plástico chinoca com altifalantes pendurados, ou os supositórios auriculares, que estão a ficar fora-de-moda porque as pessoas gostam de exibir a marca do que vestem e do que ouvem.

Aliás, a performance dos H6 nesta função “vagabunda” nem sequer justificaria o elevado preço (399 euros) que se pede por eles, até porque os “telefones” não lhes fazem justiça. Estão de acordo, isso sim, é com o status social de quem os usa e exibe, porque a B&O é uma marca “chique”, por muito que se argumente que ter como bagagem de mão um saco desportivo ou uma mala Louis Vuitton é indiferente para efeitos práticos, desde que leve a roupa. Se quer algo mais 'desportivo', compre os novos H2 por 199 euros.


Claro que levado ao extremo este argumento é insidioso: aplica-se aos relógios, que nos dão as mesmas horas, independentemente do preço e da marca; dos carros, que nos transportam do ponto A para o ponto B ao mesmo tempo, se cumpridos os limites legais de velocidade; da roupa, que nos protege do frio e da chuva, quer tenha sido comprada na Feira de Carcavelos ou na Avenida da Liberdade. E todos sabemos que não é assim...

B&O Beoplay H6 Special Edition (blue)

B&O Beoplay H6 Special Edition (blue)

Isto nunca impediu quem tem capacidade financeira de utilizar o efeito-etiqueta em proveito próprio; e quem a não tem deseja tê-la para assim poder exercer o livre-arbítrio de comprar o que lhe dá o prazer para exibir depois perante os outros.


A diferença entre uma bebedeira de tinto do barril ou de uma reserva especial, não reside apenas na (má)-qualidade da ressaca, está no acto cultural (e social) de beber com classe...


O preço é um dos principais factores a ter em conta pelo comprador, mas ao crítico compete libertar-se de todos os preconceitos socioeconómicos antes da abordagem técnica do objecto, ponderando o seu valor absoluto, para finalmente concluir qual o seu valor relativo. Porque na vida tudo é relativo. Por exemplo: os H6 só podem ser considerados caros, porque são apresentados como 'portáteis', se fossem incluídos na categoria de highend já seriam baratos.


B&O Beoplay H6

B&O Beoplay H6 (foto artística por JVH)

B&O Beoplay H6 (foto artística por JVH)

Enquanto auscultadores portáteis, estão no limite do peso ideal para a prática de passeio ou desporto, com auriculares redondos (ovalização discreta), ditos circumaurais, porque envolvem na integra orelhas pequenas (supra-aurais para os mais orelhudos), com os canais flagrantemente identificados por enormes e úteis letras L e R inscritas na rede verde-alface de protecção dos cones activos de 40mm, alojados no interior das confortáveis almofadas forradas a pele macia. Quem é que já não andou à procura das letrinhas minúsculas que, normalmente, identificam os canais?...


A cabeceira ou arco de suporte é forrada com cabedal rugoso no exterior, sendo que a face interior, que fica em contacto com o cabelo (ou a careca, no meu caso) é almofadada com tecido poroso para facilitar a respiração e absorver a exsudação.

Banda forrada no interior com tecido poroso e absorvente

Banda forrada no interior com tecido poroso e absorvente

Sem ser excessivo, o “aperto” sente-se em utilização prolongada, e é óbvio que a tensão foi escolhida em função da utilização “on the go” para manter os auscultadores firmente instalados na cabeça de um pessoa em passo de corrida.


As hastes extensivas, assim como os suportes dos auriculares são construídas em alumínio leve e resistente. Os espelhos decorativos laterais exibem o famoso logotipo B&O, inscrito em tom cinza sobre uma anodização em círculos concêntricos que produz um curioso efeito de reflexo em laço rotativo a partir de uma fonte pontual.

B&O Beoplay H6 na versão cor-de-mel

B&O Beoplay H6 na versão cor-de-mel

O modelo aqui em análise é a versão em negro-cinza titânio. A cor alternativa mel-cinza é mais feminina, logo menos discreta e visualmente mais atraente. Estamos perante um belo exemplo de design industrial da autoria de Jakob Wagner, que só por si justificaria o preço de 399 euros, em especial a ainda mais atrevida e jovem Special Edition com espelhos anodizados em azul, vermelho e dourado.

Cabo com controlo de volume e microfone para atender o telefone

Cabo com controlo de volume e microfone para atender o telefone

Os H6 vêm equipados com um cabo com controlo remoto e microfone, com ficha standard de 3,5 mm próprio para utilização com iPhone, adaptador para ficha de avião e uma bolsa. O cabo pode ser ligado em qualquer dos canais (o que estiver mais perto da fonte, por exemplo), podendo ligar-se em cadeia para partilha de música a partir da outra entrada/saída disponível. Uma ideia prática e romântica: amor é ouvir juntos sem perder a liberdade...


A impedância de 30 ohm é relativamente baixa e a resposta em frequência declarada 20 Hz - 22 000 Hz (algo limitada pelos padrões highend actuais mas suficiente para a maior parte das aplicações áudio).

B&O Beoplay H6 Special Edition - e se, de repente, uma loura dinamarquesa lhe atender o telefone...

B&O Beoplay H6 Special Edition - e se, de repente, uma loura dinamarquesa lhe atender o telefone...

Como já referi, as fontes portáteis não fazem justiça aos H6, porque, de facto, eles estão numa categoria à parte. A não ser que a “griffe” seja importante para si, é possível obter uma performance 'de rua' aceitável com modelos de outras marcas mais “corriqueiras”. Aliás, ninguém paga 400 biscas por um “atendedor de chamadas” sofisticado, a não ser que do outro lado esteja uma loira dinamarquesa...


Do mesmo modo, não seria a primeira escolha para um jovem que gosta de videojogos e de música “a pedir” graves, leia-se, “um gand’a baixo”. Os H6 parecem ter sido concebidos a pensar em homens de bom gosto da classe média alta, para quem a qualidade de construção, o design e o status conferido pela marca B&O é factor de distinção e prestígio; ou mulheres jovens e belas, até como adereço de moda, sobretudo a Special Edition.


Aliás, o equilíbrio tonal reflecte também essa opção: extrema claridade, nitidez e presença dos registos médios, lá onde reinam as vozes, com extremos de frequência judiciosamente limitados. O agudo é informativo sem nunca se tornar incisivo e o grave profundo dos super modelos audiófilos, que pode tornar-se cansativo em sessões auditivas informais, é aqui substituído por um médio-baixo carnudo e articulado com impacte e extensão q.b.


O resultado final é uma grande-gama-média neutra e limpa, que permite ouvir todos os tipos de música, sem ênfases que priviligiem géneros particulares, mas ideais para ouvir vozes cantadas ou faladas (ao telefone). O ângulo de incidência dos cones dos altifalantes foi cientificamente estudado para “abrir” o palco sonoro, facilitando a entrada de “ar” pelos bastidores e eliminando aquela sensação claustrofóbica da audição com auscultadores.


Com ficheiros de música em alta resolução e a preciosa colaboração do amp/DAC Chord Hugo, logrei obter finalmente um desempenho acústico que até para um audiófilo pode perfeitamente justificar o custo da aquisição deste produto Bang&Olufsen. O que era uma performance aceitável passou a exemplar, dentro dos limites já referidos para que foram concebidos.


Nota: E pode melhorar ainda mais se substituir o cabo por outro de boa qualidade e sem funcionalidades excedentárias.


Se eu tivesse que escolher um termo para definir os H6, além, claro, do “valor percebido” da marca e da qualidade de construção do produto, seria inteligibilidade. E passo a explicar esta minha decisão com um exemplo concreto.


Eu não utilizo os auscultadores apenas para ouvir música. No silêncio da noite, gosto de ver filmes e séries americanas sem legendas no computador. Com os auscultadores de “trazer cá por casa”, os Focal Spirit One, por vezes tenho de estar com alguma atenção para perceber todas as palavras, apesar do meu bom domínio da língua inglesa. Pois, com o B&O Beoplay H6 e um módico de esforço e atenção, não se perde uma palavra, uma sílaba sequer...


Conclusão

B&O Beoplay H6 Special Edition (linha completa)

B&O Beoplay H6 Special Edition (linha completa)

Eu diria que a conclusão está implícita na exposição. O valor relativo dos B&O Beoplay H6 está menos no produto em si e mais nos ouvidos de quem ouve e nos olhos de quem vê; na carteira de quem compra e no espírito de quem usa; sobretudo, quando, como e onde os usa. E com quem os partilha...


Beoplay H6 Special Edition Gold

B&O Beoplay H6 Special Edition (blue)

B&O Beoplay H6 (foto artística por JVH)

Banda forrada no interior com tecido poroso e absorvente

B&O Beoplay H6 na versão cor-de-mel

Cabo com controlo de volume e microfone para atender o telefone

B&O Beoplay H6 Special Edition - e se, de repente, uma loura dinamarquesa lhe atender o telefone...

B&O Beoplay H6 Special Edition (linha completa)