Notícias

No ano da morte de Franco Serblin

Franco Serblin, um mestre e um amigo

De todos os grandes criadores audiófilos que conheci, ao longo da minha carreira de trinta anos, Franco Serblin terá sido aquele com quem estabeleci uma maior empatia, que se tornou com o tempo numa relação de amizade fraterna, alicerçada no respeito mútuo e, sobretudo, na minha admiração pela sua genialidade e personalidade cativante.

Franco Serblin, na apresentação da linha Cremona, Munique 2002

Franco Serblin, na apresentação da linha Cremona, Munique 2002

Os contactos pessoais eram raros, porque Franco não gostava de voar, embora a sua imaginação tivesse asas de anjo. Mas das poucas vezes que estivemos juntos era como se nunca nos tivéssemos separado por muito tempo. A conversa fluia ilustrada pelo sorriso tímido e beatífico de Franco. Via-o como um cardeal da religião audiófila, da qual eu era apenas um fiel servidor, e estou certo que Deus terá em conta a bondade da sua alma.

Ricardo Franassovici com Franco Serblin na apresentação à imprensa das Stradivari

Ricardo Franassovici com Franco Serblin na apresentação à imprensa das Stradivari

Recordo dois momentos altos do meu relacionamento profissional e pessoal com Franco: a visita à nova fábrica da Sonus Faber em Arcugnano, por ocasião da apresentação à imprensa das Stradivari (ver Artigos Relacionados); e a sua, creio que primeira e única, visita a Portugal, por ocasião do Audioshow. Lembro-me que fomos jantar um robalo ao sal, no Guincho, com as respectivas esposas, que ele considerou “uma obra de arte gastronómica”, e do seu olhar maravilhado quando, tendo parado o carro em cima da ponte, ele viu pela primeira vez o Palácio dos Conde de Castro de Guimarães, iluminado como num conto de fadas, com o mar a beijar-lhe os pés.


Quando, finalmente, chegámos aos Jerónimos e à Torre de Belém, as lágrimas corriam-lhe pela face. Virou-se para mim, abraçou-me e beijou-me na face sem dizer uma palavra. É esta a imagem de Franco que, ainda hoje, guardo no coração.


Deviam tê-lo sepultado num caixão com a forma de uma Stradivari, a sua obra máxima.  


Caro Franco è stato per me un onore conoscerti. Riposa in pace.

Franco Serblin, um mestre e um amigo

Franco Serblin, na apresentação da linha Cremona, Munique 2002

Ricardo Franassovici com Franco Serblin na apresentação à imprensa das Stradivari