audioshow 2017 - full report

audioshow 2017 - parte 4

Hotel Pestana Palace (clique sobre a foto para aumentar e correr galeria geral do artigo)


No ambiente ‘turístico’ do belíssimo Hotel Pestana Palace, onde se realizava o audioshow, nem todas as centenas de pessoas seriam ‘audiófilos puros e duros, ‘fanáticos’ do som que falam entre si numa linguagem quase cifrada, que os ‘leigos’ não dominam nem entendem.

Para eles o evento é apenas uma boa oportunidade para passar um fim-de-semana diferente com a família e os amigos, do mesmo modo que poderiam ter ido – e se calhar até foram depois – à Semana Gastronómica ou ao Museu dos Coches.

Hotel Pestana Palace: entrada para o Centro de Congresso (cavalariças)

Hotel Pestana Palace: entrada para o Centro de Congresso (cavalariças)


O hotel está instalado no Palácio do Marquês de Valle-Flôr, de seu nome, José Luís Constantino Dias, que fez fortuna em S.Tomé e Príncipe com o cacau, e até as cavalariças são dignas de albergar alguns dos melhores (e mais caros) sistemas de som actualmente à venda em Portugal.

O palácio original foi construído no princípio do século XIX, segundo projecto do arquitecto veneziano Nicola Bigaglia, e é um misto de Romantismo e Revivalismo, com forte influência francesa patente na opulência dos tectos decorados com pinturas de Domingos Costa, dos vitrais, das madeiras exóticas do soalho e do mobiliário.

Hotel Pestana Palace - Lisboa - uma das salas de jantar privadas

Hotel Pestana Palace - Lisboa - uma das salas de jantar privadas


A beleza arquitectónica do monumento nacional e o ambiente romântico e confortável do hotel e dos jardins explica – em parte – a grande afluência de público ao audioshow, sobretudo no Sábado, que nunca teve tantos visitantes ‘leigos’, ou ‘audiófilos acidentais’ como nos últimos anos.

Pela nossa parte, a divulgação que temos vindo a fazer ‘cá dentro’ (audioshow 2013, audioshow 2014, audioshow 2016) e ‘lá fora’ (Hifi+ Lisbon audioshow 2016) terá tido alguma modesta influência.

Aliás, não temos feito outra coisa durante quase 30 anos, na imprensa especializada e generalista e na rádio, ao contrário de algumas ‘aves de arribação’ que tão depressa aparecem como desaparecem…

Mas isto não explica tudo. Há um genuíno interesse pelo áudio, sobretudo o ‘highend’, que atrai a maior parte dos visitantes, que não se importam de esperar na fila da Imacustica para ouvir equipamentos que ironicamente estão à sua disposição o ano inteiro na loja de Lisboa para audição em condições óptimas, acústicas e de conforto.

Porque será? Eu creio que é a sensação de comunhão com o grupo e de ‘livre arbítrio’ individual: ouvir sem compromisso, sair sem precisar de pedir desculpa e poder comentar depois com os amigos.

Na loja, por muito simpático e descomprometido que seja o atendimento – e é, posso garanti-lo – a pressão da venda está sempre latente, quando 90% dos visitantes não só não tem capacidade financeira para assumir a compra como não tenciona de facto comprar e por isso falta-lhe a ‘coragem’ para entrar. Nada tema: no áudio os woofers abanam mas não mordem, e vai ter a surpresa de um tratamento VIP, mesmo que não pretenda comprar nada.

Não é por acaso que alguns distribuidores, que dispõem de bons auditórios em Lisboa, como a Ajasom, Imacustica e Ultimate, por exemplo, prolongam a ‘festa’ do audioshow com iniciativas de ‘open-day’ durante os fins-de-semana seguintes.

Seja como for, é este o único caminho para evitar a extinção da tribo audiófila quase toda acima dos 50 anos. Cativar os jovens e as mulheres, que têm uma importante palavra a dizer quando se trata de aceitar a entrada lá em casa de umas colunas de corneta como as Avantgarde, que exigem, além de muito dinheiro, muita diplomacia…

Dentro deste espírito, esta crónica é quase um roteiro turístico da exposição, escrita numa linguagem acessível, quase coloquial, que antecipa as análises mais técnicas com recurso a vídeos e registos de som digital obtidos ‘ao vivo’.

Nota: apenas nas salas dos distribuidores presentes que são também sócios do Hificlube e que fizeram demonstrações activas: Ajasom, Delaudio, Imacustica, Smartaudio/Esotérico, Topaudio e Ultimate Audio, não necessariamente por esta ordem. Todos os outros, com a nobre excepção da Support View, que ignoram e não apoiam o nosso trabalho durante todo o ano, não podem depois exigir tratamento preferencial durante o audioshow - muito menos deferencial.

Audioshow 2017 – quadros de uma exposição

O sistema Audiovector R11 Arreté+Nagra HD, na Ajasom

O sistema Audiovector R11 Arreté+Nagra HD, na Ajasom


Ajasom (Sala Ajuda III)

É o distribuidor nacional da McIntosh e da Vivid Audio, o que por si só proporciona aos visitantes uma exposição de arte moderna. O desejo de posse é imediato, mesmo antes de ligar os equipamentos...

Nota: abra aqui o teste do MC275 50th Anniversary

Ajasom: McIntosh MC275 + Vivid V1

Ajasom: McIntosh MC275 + Vivid V1

Ajasom: McIntosh C2500-MCD550-Vivid Giya 4

Ajasom: McIntosh C2500-MCD550-Vivid Giya 4


Mas a vedeta da companhia – as colunas Audiovector R11 Arreté - estava em demonstração activa com amplificação Nagra HD. Um som puro e cativante que prendeu muita gente ao seu sortilégio, eu incluído. O melhor som de sempre da Ajasom em audioshows.

Ajasom: Ole Klifoth, da Audiovector

Ajasom: Ole Klifoth, da Audiovector


Conversei com Ole Klifoth, da Audiovector, e encontrei um homem afável, extremamente culto e encantado com o país e as suas gentes.

Ars Antiqua Audio: Diesis Roma

Ars Antiqua Audio: Diesis Roma


Ars Antiqua Audio (Sala Lusitano I)

Um distribuidor espanhol com o qual não tenho qualquer relação profissional ou comercial. Passo sempre por lá e sou tratado como qualquer outro visitante: oiço um pouco, faço umas fotografias e saio. Até porque as colunas Diesis ficam sempre bem na foto.

Também representam a famosa marca de amplificadores a válvulas Kondo. A sala era demasiado grande e teria sido mais adequada para colunas de grande porte, como as Alexx.


Audioteam: Ruark Audio

Audioteam: Ruark Audio

Audio Team (Sala Bemposta)

Jorge Alves é um dos que sempre acreditou que o LP veste de preto porque tem estado à espera do funeral do CD. E parece que tinha razão: o LP está de novo na moda e o CD vai ser substituído pelo streaming…

‘No lado B’ mostrou a colecção de pequenos rádios de mesa e despertadores Ruarkaudio, com reprodução USB de ficheiros WAV e FLAC.

Autumn Leaf: Alacrity Audio

Autumn Leaf: Alacrity Audio


Autumn Leaf Audio (Sala St.Catarina)

Numa pequena sala atarracada, reproduzia-se com irónica alacridade ‘The great gig in the sky’, dos Pink Floyd - em LP! - com colunas Alacrity Audio, perante um público jovem em transe,'If you can hear this whispering you are dying', que ainda não tinha nascido quando o disco foi editado. Alguns provavelmente nem sabiam que o LP ainda existia. ‘All that goes round comes around’…


Belmiro Ribeiro: João Cancela (Esotérico), um grande amigo do Hificlube, aposta no sucesso do streaming.

Belmiro Ribeiro: João Cancela (Esotérico), um grande amigo do Hificlube, aposta no sucesso do streaming.


Belmiro Ribeiro (Sala Ajuda II)

O esplendor da imagem OLED 4K, em colaboração com a nova tendência ‘streaming’ de áudio, representada pelas marcas da Esotérico/Smartaudio: Bluesound, EC Living, Naim MuSo e Venz.

Bowers&Wilkins

Bowers&Wilkins


Bowers&Wilkins (Sala Paso)

Uma marca à qual estou sentimentalmente muito ligado, tendo conhecido pessoalmente John Dibb. O som para mim também são as pessoas. Senti a falta do meu amigo Zé Filipe (Viasónica). Nem só de música vive o crítico.

Apenas como curiosidade: o video com mais visionamentos no nosso canal do You Tube tem como protagonistas a B&W e a McIntosh: 143.626! Para um tema tão pouco apelativo nas redes sociais como o highend é obra. Ainda se fosse a Maria Leal a cantar em vez do Carlos do Carmo...


Delaudio: Delfim Yanez, o Senhor do Tempo

Delaudio: Delfim Yanez, o Senhor do Tempo


Delaudio (Sala Alter Real)

Delfim Yanez é um dos decanos da geração audiófila de setenta. A sua busca do Graal Sónico consiste em reproduzir sons sem os desfasamentos temporais que confundem os timbres, os naipes e os planos, transformando tudo numa amálgama sem nexo.


Utiliza todos os tipos de música, mesmo a partir de discos comprados na feira por 1 euro. Com amplificação Pass e colunas Raidho C2.1, brindou-nos com um dos grandes sons do audioshow 2017, num ambiente calmo e confortável: bem fofo o sofá!...

Diplofer: Transrotor - Burmester - Apertura

Diplofer: Transrotor - Burmester - Apertura


Diplofer (Sala Galveias)

É o representante de duas grandes marcas alemãs: os giradiscos Transrotor e a electrónica Burmester, dois ícones do Highend Show, de Munique. Quando entrei, ouvia-se as Danças Sinfónicas de Rachmaninoff através de umas colunas Apertura Armonia, com tweeter de fita (ribbon).

Exaudio: Merging-Nadac - Perreaux - Manger

Exaudio: Merging-Nadac - Perreaux - Manger


Exaudio (Sala Foz)

Um ‘player’ – literalmente – empenhado da cena audiófila nacional, que distribui algumas marcas famosas, como a Audionote, ATC e Stax. O portfolio de marcas é vasto, tendo exibido numa das salas as colunas Manger, que utilizam um transdutor de médio-agudo, no mínimo, exótico, com amplificação Perreaux e uma fonte digital Merging+Nadac.

Imacustica: Wilson Audio Alexx, a rainha da festa

Imacustica: Wilson Audio Alexx, a rainha da festa


Imacustica (Sala Campolino e Correio-Mor)

O principal – e um dos mais antigos e fiáveis – importador de equipamento de som highend em Portugal. Há mais de 30 anos que trabalhamos juntos na divulgação do highend.

A Imacustica tem raízes no Porto, mas também tem loja em Lisboa, com excelentes auditórios onde pode ouvir, em boas condições acústicas e de conforto, tudo aquilo pelo qual teve de fazer fila no audioshow – e muito mais.

As salas da Imacustica são sempre uma das principais atracções do audioshow, tanto na Sala Campolino, onde se exibiram a alto nível, perante um público rendido e persistente (havia quem saísse e voltasse para a fila, o que diz tudo…), as colunas Wilson Audio Alexx, com amplificação Dan’Agostino Progression, fontes dCS e AirForce Two.

Imacustica: Guilhermino Pereira, Mr.LP

Imacustica: Guilhermino Pereira, Mr.LP


No final de Domingo, o som estava no ponto e os LPs de Guilhermino Pereira ganharam finalmente pontos na minha tabela. A minha empatia com este sistema é compreensível, pois tive o prazer de testar os principais componentes para a revista Hifi News. O da Allex já podem ler aqui.

Quanto ao do Progression, vão ter de esperar pela revista de Abril ou Maio, mas, entretanto, podem conhecer a minha opinião aqui.

Imacustica: Devialet Gold Phantom

Imacustica: Devialet Gold Phantom


Na Sala Correio-Mor, no edifício principal, a bola dourada Devialet Gold Phantom fazia a guarda de honra à entrada.

Imacustica: Sonus Faber Tradition Serafino, ao serviço da magia de Dennis Bonotto, da Nordost

Imacustica: Sonus Faber Tradition Serafino, ao serviço da magia de Dennis Bonotto, da Nordost


O workshop de Dennis Bonotto sobre cabos Nordost esteve sempre esgotado e tinha como grande novidade as Sonus Faber Tradition Serafino. Um show de arte e magia.

Imacustica: Magico S1 MkII - Constellation Audio Inspiration

Imacustica: Magico S1 MkII - Constellation Audio Inspiration

No extremo oposto, uma orquestra dirigida por Ricardo Polónia, composta por um par alvo e puro de colunas Magico S1 MkII, alimentadas por electrónica Constellation Inspiration, que também já testei para a HiFi News aqui.

Nota: no fim de semana de 10-11 de Março (loja de Lisboa) e 24-25 Março (Porto), a Imacustica vai realizar o tradicional Imashow, com 3 auditórios, nos quais podem ouvir de novo os amplificadores Progression, desta feita com colunas Magico M3; e também as Wilson Audio Yvette com amplificação Constellation. E também as maravilhosas Sonus Faber Serafino com amplificação Audio Research.
.

Mind The Music apresentou componentes Linn em exclusividade

Mind The Music apresentou componentes Linn em exclusividade


Mind the Music/Linn (Sala Monteiro-Mor)

O Domingos é um amigo de longa data. A Linn também a conheço há demasiados anos, o que talvez signifique que andamos ambos ‘nisto’ há tempo demais.

Outra marca que se isolou no seu casulo de exclusividade e se afastou incompreensivelmente da esfera de acção do Hificlube, o único meio de comunicação nacional que, além da revista Audio, trata com conhecimento de causa e reconhecimento internacional de temas audiófilos.

A Linn, que é uma excelente marca escocesa, mantém a sua política de exclusividade, que obriga a demonstrações de marca única, às vezes regadas a uísque de malte de 40 anos, como aconteceu em Paris (o uísque desta vez estava lá mas era só uma amostra...).

Em Lisboa, a Linn exibiu:

Fontes:

Linn Klimax DSM Katalyst (nova arquitetura de DAC)
Linn Klimax Sondek LP 12

Amplificação:

Linn Akurate 4200 (2 unidades)
Linn Akurate 2200

Reprodução:

Linn Akubarik Passive

O sistema estava ligado em modo Aktiv analógico. As colunas estavam a ser alimentadas sem o crossover interno com cartões electrónicos dentro das etapas de potência.

myHifi House, a new 'player' in town: electrónica Moon Simaudio e colunas Goldnote

myHifi House, a new 'player' in town: electrónica Moon Simaudio e colunas Goldnote


My Hi-Fi House (Showroom)


Carlos Moreira, um dos mais antigos protagonistas da cena audiófila nacional, volta ao activo com marcas de qualidade que ‘mudaram de camisola’: GoldNote e Moon Simaudio. A sala onde pontificavam as colunas Goldnote XS85 estava a abarrotar de gente entusiasmada. O caso não era para menos: o som estava bom, forte, rápido e controlado.

Cá fora, gritavam-se uaus! espantados de todos os que ouviam a tecnologia planarmagnética dos auscultadores Audeze pela primeira vez.

Nota: os leitores podem ler aqui e aqui testes do Hificlube aos auscultadores Audeze, com a ressalva de que eram à data de publicação distribuídos por outra empresa nacional, a UAE.

Esoterico/Smartaudio exibiu as Dynaudio Confidence Platinum C4 com electrónica Electrocompaniet ao mais alto nível

Esoterico/Smartaudio exibiu as Dynaudio Confidence Platinum C4 com electrónica Electrocompaniet ao mais alto nível


Smartaudio/Esotérico (Foyer Beau Sejour)

Alberto Silva deu uma volta de 180° à sala, colocou um par de colunas Dynaudio Confidence Platinum C4, alimentadas por electrónica Electrocompaniet, no lado oposto à janela, que dá para o rio, e ‘sacou’ o melhor som de sempre no Foyer Beau Sejour: estável, coeso, com excelente timbre e imagem, com o grave sob controlo. Gostei. Muito.

Topaudio/Absolut Sound: Chord, Audolici (made in Portugal) e Ubiq Model One, ou o milagre dos sons

Topaudio/Absolut Sound: Chord, Audolici (made in Portugal) e Ubiq Model One, ou o milagre dos sons


Topaudio (Sala Independência)

Houve quem considerasse este o melhor som do audioshow. Os amplificadores a válvulas têm este efeito sobre as pessoas. Chama-se eufonia. Eu acho que não houve este ano um ‘melhor som’ claro no audioshow, porque todos os sistemas apresentaram virtudes (muitas) e defeitos (poucos), como terei oportunidade de analisar nos próximos capítulos, numa linguagem mais técnica.

As Ubiq Model One não serão a coluna ideal para casar com um amplificador a válvulas de baixa corrente, por exemplo. E explicarei porquê. Mas por vezes há milagres. E foi isso que aconteceu: um milagre com a cumplicidade do Chord Dave e dos cabos Audiofidem. Muito bom.

Ultimate Audio Elite: Avantgarde Trio + Basshorn, o som-espectáculo!

Ultimate Audio Elite: Avantgarde Trio + Basshorn, o som-espectáculo!


Ultimate Audio Elite (Salas Lusitano II e
Ajuda I)


Aquilo a que assistimos na Sala Lusitano II foi uma ‘manifestação de força’, de ‘poder de fogo’, de ‘espectacularidade sonora’, a partir de um cenário de ‘grandiosidade operática’, com uma enorme ‘boca de palco’ onde se exibiram as ‘divas vermelhas’ Avantgarde Trio, acompanhadas pelos guarda-costas BassHorn.

Avantgarde Trio+Basshorn: de frente ou de lado, as Trio impunham-se visual e a acusticamente na enorme sala Lusitano II

Avantgarde Trio+Basshorn: de frente ou de lado, as Trio impunham-se visual e a acusticamente na enorme sala Lusitano II


Pressão sonora ao nível de concerto ao vivo, bem ao gosto de Miguel Carvalho e Rui Calado, ‘hélas’ com alguns excessos no ‘acelerador’ que afectaram a pureza dos timbres e deixaram transparecer o ‘glare’ característico das colunas de corneta: não se pode ouvir ao mesmo nível uma orquestra sinfónica e um duo de guitarras clássicas…

Nota: voltaremos ao tema lá mais para a frente na reportagem, numa linguagem mais técnica.

Ultimate Audio - Elac Concentro com electrónica Luxman.

Ultimate Audio - Elac Concentro com electrónica Luxman.


Na Sala Ajuda I, as ‘coisas’ corriam bem mais calmas, sob a batuta de Jorge Gaspar e António Carvalho. Ouvi lá as belíssimas colunas Elac Concentro, que foi o melhor som do Highend 2016, mesmo estando lá as Gryphon Kodo. Ou talvez por isso, porque me agradou a tonalidade quente, a textura macia e o comportamento tímbrico. E a imagem holográfica. Que não estava lá na Sexta-feira mas resolveu aparecer no Sábado.

Sven Boenicke: 'este é um audioshow com alma e coração, Munique é sobretudo...business...'

Sven Boenicke: 'este é um audioshow com alma e coração, Munique é sobretudo...business...'


Mas a surpresa veio das liliputianas W5. Parafraseando o genial Carlos Tê, cantado por Rui Veloso, na Valsinha das Medalhas, nunca (ou)vi ‘uma coluna tão pequena e com tantos peitos’…Até entrevistei o Sven Boenicke para descobrir o segredo. Será que ele me disse? Saiba tudo nos próximos capítulos.

Zen Audio - ambiente muito 'zen' proporcionado pelo sistema Lyngdorf

Zen Audio - ambiente muito 'zen' proporcionado pelo sistema Lyngdorf


Zen Audio (Sala Fronteira)

O Miguel faz jus ao nome da firma. É tudo muito suave, calmo, quase monástico, nas suas apresentações. Muita música clássica, nível sonoro confortável e um som de pequena escala mas correcto nas proporções. As colunas Lyngdorf de ‘encostar à parede’ foram uma boa surpresa.

Nota: aqui termina a visita guiada para 'turistas e audiófilos acidentais', numa linguagem acessível e compreensível por todos. Segue-se a análise do som das principais salas, numa abordagem mais técnica.

Entretanto, informamos todos os antigos e novos leitores do Hificlube que podem ainda candidatar-se ao sorteio de fabulosos prémios até ao dia 12 de Março, bastando cumprir os requisitos constantes no Regulamento do Sorteio que podem consultar aqui.

Hotel Pestana Palace (clique sobre a foto para aumentar e correr galeria geral do artigo)

Hotel Pestana Palace: entrada para o Centro de Congresso (cavalariças)

Hotel Pestana Palace - Lisboa - uma das salas de jantar privadas

O sistema Audiovector R11 Arreté+Nagra HD, na Ajasom

Ajasom: McIntosh MC275 + Vivid V1

Ajasom: McIntosh C2500-MCD550-Vivid Giya 4

Ajasom: Ole Klifoth, da Audiovector

Ars Antiqua Audio: Diesis Roma

Audioteam: Ruark Audio

Autumn Leaf: Alacrity Audio

Belmiro Ribeiro: João Cancela (Esotérico), um grande amigo do Hificlube, aposta no sucesso do streaming.

Bowers&Wilkins

Delaudio: Delfim Yanez, o Senhor do Tempo

Diplofer: Transrotor - Burmester - Apertura

Exaudio: Merging-Nadac - Perreaux - Manger

Imacustica: Wilson Audio Alexx, a rainha da festa

Imacustica: Guilhermino Pereira, Mr.LP

Imacustica: Devialet Gold Phantom

Imacustica: Sonus Faber Tradition Serafino, ao serviço da magia de Dennis Bonotto, da Nordost

Imacustica: Magico S1 MkII - Constellation Audio Inspiration

Mind The Music apresentou componentes Linn em exclusividade

myHifi House, a new 'player' in town: electrónica Moon Simaudio e colunas Goldnote

Esoterico/Smartaudio exibiu as Dynaudio Confidence Platinum C4 com electrónica Electrocompaniet ao mais alto nível

Topaudio/Absolut Sound: Chord, Audolici (made in Portugal) e Ubiq Model One, ou o milagre dos sons

Ultimate Audio Elite: Avantgarde Trio + Basshorn, o som-espectáculo!

Avantgarde Trio+Basshorn: de frente ou de lado, as Trio impunham-se visual e a acusticamente na enorme sala Lusitano II

Ultimate Audio - Elac Concentro com electrónica Luxman.

Sven Boenicke: 'este é um audioshow com alma e coração, Munique é sobretudo...business...'

Zen Audio - ambiente muito 'zen' proporcionado pelo sistema Lyngdorf