audioshow 2016

audioshow 2016 - parte 5 -ultimate audio



Caramba, menino, até enternece! Para citar A Ilustre Casa de Ramires, de Eça de Queiroz, a propósito de um desembargador que tinha comido numa ceia dois leitões, a UAE serviu-nos no Pestana Palace dois pratos audiófilos pantagruélicos, com um valor superior a 500 mil euros, que exigiu, além do investimento, esforço, dedicação e know-how.


Duas salas enormes, com sistemas enormes e um som enorme. A saber:


Sala Lusitano II


Stenheim Reference Ultime


Ch Precision L1, P1, X1, 2 x M1


Rui Borges Pendulum – Kuzma 4point – Kai


Aurender W20 streamer


Nota: Os videos têm resolução máxima 2K, e é assim que devem ser vistos em full screen para obter os melhores resultados no visionamento. No entanto, os leitores que não disponham de net rápida devem seleccionar a resolução ideal para a respectiva velocidade da net clicando no ícone HD. Com iPads a resolução é por default e o ícone HD não está disponível.

Passei por lá várias vezes, como não podia deixar de ser. Até porque o acesso era fácil. A porta estava aberta e a sala sendo suficientemente espaçosa podia albergar passantes e residentes. No mesmo espaço, a UAE montou um showroom (ver reportagem fotográfica aqui) com modelos das muitas marcas do seu portfolio que não pára de crescer.


Numa nave lateral estava montado um sistema Luxman/GoldenEar, que nunca cheguei a ouvir, pois as Stenheim eram a estrela da companhia e as audições prosseguiam em sessões contínuas, com Miguel Carvalho e Rui Calado alternando nos comandos do streaming e Rui Borges a virar LPs no prato do fabuloso Pendulum.


Embora as Stenheim não sejam uma novidade para mim, pois descobri-as em Munique em 2014, o modelo em análise Reference Ultime (apesar do nome há ainda uma versão Statement com duas colunas de subwoofers separados) é uma estreia absoluta.


É uma coluna massiva com 1, 70 de altura, 240 quilos de peso (cada!), com caixa construída em alumínio, que apresentam, num baffle cinza/vermelho, necessariamente largo para os acomodar, 4- woofers de 32 cm (dois traseiros), dois médios de 17 cm, um tweeter e um super tweeter de fita numa configuração d’Appolito.


Esta ‘besta’, cujo design lhe confere uma insustentável (e falsa, cuidado com as costas doutor!) leveza foi alimentada numa configuração bi-amplificada por CH Precision M1, com recurso a um filtro divisor externo concebido também pela CH Precision.


Uma coluna deste porte exige uma sala de grandes dimensões para poder expandir-se tanto acústica como dinamicamente. Com diz o anúncio, não experimente fazer isto em casa sozinho. Claro que quem pode comprar uma coluna que custa quase 200 mil euros, deve ter uma sala capaz de as hospedar condignamente.


O espaço é fundamental não só para o ouvinte poder sentar-se à distância ideal para obter a melhor integração acústica de todas as unidades, como permitir que o comprimento de onda das baixas frequências tenha campo para se expandir e formar.


Como resultado, o grave é o mais extenso e controlado que me massajou o corpo e a alma, desde que ouvi as gigantescas Duntech em Paris já lá vão 20 anos. Que perante esta manifestação de poder, os registos médios se mantenham naturais, informativos e com excelente projecção e ataque é algo de surpreendente, mesmo pelos meus elevados padrões de highend.


Só o duo tweeter/supertweeter não me fez esquecer o notável desempenho nesta área das Marten Supreme II com que a Ultimate nos brindou o ano passado.


O que mais espanta na Ultime é a ‘gravitas’, um termo latino que significa ‘peso’, ‘profundidade’ no sentido de autoridade e majestade, com que reproduz todos os géneros musicais, do violino solo a um concerto operático; do combo de jazz à big band; das vozes solistas aos grandes coros. Há ali uma pose que impressiona e intimida na linha da escola americana do highend.


As imagens são sólidas, vibrantes de cor, bem texturadas e implantadas num palco amplo e transparente sem excesso de claridade. Um som da mais elevada qualidade audiófila sem adversário próximo no audioshow 2016.


Sala Ajuda I


Gryphon Trident II, Mikado, Kalliope, Diablo 300


Vídeo gryphon

Não satisfeita, a Ultimate Audio apresentou na Sala Ajuda I, outro sistema de grande porte, integralmente constituído por electrónica Gryphon. Apesar do aparato, este é, por comparação, um sistema simples, pois, tendo a Trident II uma secção de graves activos, a amplificação esteve a cargo do integrado Diablo 300, que tive a honra de testar em primeira mão mundial para a revista HifiCritic (podem ler o teste aqui em pdf).


E chamo a atenção para o teste, porque depois de mais esta experiência voltaria a escrever exactamente o mesmo. O Diablo 300 é um dos mais poderosos integrados do mercado e, embora não seja simpático para todos os discos, acolitado pelos seus compatriotas (with a little help from Audiofidem, um fabricante de cabos nacional), produziu imagens sonoras holográficas em Imax 3D, aproveitando o amplo espaço disponível, perante uma multidão constante de visitantes.


Não fora a maior solidez, densidade e textura harmónica das Stenheim, e eu arriscaria que a imagem estereofónica das Trident II ganha na holografia, especificidade e foco.


Rune Skov e Jorge Gaspar estiveram nos comandos, articulando o horário das sessões com o da sala ao lado onde a Imacustica demonstrava o incrível Phantom. Fiz três tentativas para fazer gravações, sendo que da primeira vez o ‘comboio já tinha passado’; na segunda uma senhora sentou-se no chão com o filho ao colo mesmo à minha frente, e não me deixou alternativa senão oferecer-lhe o meu lugar. À terceira, já no Domingo tarde dentro, foi de vez e, como sempre, Jorge Gaspar surpreendeu-me com as escolhas musicais.


Só mesmo ele para me dar a ouvir, num sistema dinamarquês de alto gabarito, poesia medieval, cantigas de amigo cantadas no que me soou ser um dialecto galaico-duriense!! Seguiu-se uma voz portuguesa a cantar em francês ‘Il ne a que l’amour’, com uma presença notável da intérprete, e a cereja no bolo: Pedro e o Lobo, narrado e exemplificado com os diferentes timbres e colocação no mapa do palco da flauta, clarinete, fagote, trompas, cordas e percussão (uau!), numa projecção 3D ampla, profunda e coerente.


A melhor audição de sempre de um sistema integral Gryphon num hifishow.


Nota: Os sistemas estão agora disponíveis para audição em condições acústicas ideais na loja da Ultimate Audio, em Benfica.


Para mais informações:




  • Coordenadas GPS: 

    Latitude: 38º 44' 53' N 
    Longitude: 09º 12' 27' W


  • Morada:

    Rua da Casquilha, Nº2 A e B 
    1500-154 Lisboa


  • Telefone:

     217602028


  • Telemóvel:

     964341547


  • Email:

     ultimateaudio.eu@gmail.com