2007

Ces 2007_ Quatro Casamentos E... Vários Funerais: Amibience, Audes, Calix, Final, German Physics, Haliaetus, Jeff Rowland, Naim, Ontrack, Pathos, Pbn Audio, Quad, Rethm, Thiel, Vandersteen, Wavac, Yg Acoustics



AMBIENCE
Ambience Reference 1800


Ou a falta dela. Não basta montar uns ribbons numas colunas e chamar-lhes Reference para lhes dar bom som. Eu achei o som muito artificial e agressivo. Quem sofreu foi a electrónica Vincent SAT-1/SAT-1000. Se isto é a arquitectura do som, como se lê no cartaz ao fundo, é arquitectura de…betão.
Vincent com Vincent soou melhor


Até porque a Vincent estava a tocar bem com as sua próprias colunas noutra parede da mesma sala.


AUDES
Audes c/ amplificação VAC


A nova série Excellence faz jus ao nome. Um som com sete dos dez parâmetros da Ordem de Mérito Audiófila, nomeadamente a imagem estéreo. Senti por ali uma mãozinha dos VAC que, ao contrário do Wavac, agradaram-me…


CALIX
Sala da Calix


Os tipos são simpáticos e eu passo por lá sempre que posso. Mas, naquela sala enorme, estas cornetas soaram-me mais como... trombetas.


FINAL
A electrostática ao serviço da imagem


Estavam lá as 1000i, claro. Mas foi o sistema para AV que mais entusiasmou o público presente, incluindo o staff da Stewart que está habituado a…uma boa imagem…


GERMAN PHYSICS
Sala da German Physics/Boulder


Não valia a pena tanto esforço (aquilo pesa uma tonelada!).
German Physics PQS 402


Estas colunas esquisitas soaram, a estes ouvidos que a terra há-de comer, pura e simplesmente mal, naquela sala.
Caliburn Continuum, na sala da German Physics


Nem os Boulder, nem o fabuloso gira-discos Continuum lhes valeram: pesadas, abafadas, veladas…


HALIAETUS
Haliaetus/Nagra PMA


Deviam ter ido para a secção de “coisas esquisitas”. Mas alimentadas pelas pirâmides da Nagra (ver teste do Hificlube em inglês aqui), numa sala negra e escura, provaram que a tecnologia “espacial” dos escapes dos foguetões projecta e reproduz bem os graves.
Haliaetus, fotogradas em Munique


E nem foi preciso o módulo de subgraves. Mas eu não as comprava: nem para ouvir, nem para ver…


JEFF ROWLAND
As Escalante c/ amplificação Jeff Rowland


Foi dos primeiros que visitei (ainda ele nem tinha chegado…) e disso dei conta logo em directo de Las Vegas. Mas tinha-me esquecido de vos dizer que o som com as colunas Escalante se recomendava…


NAIM
Naim DBL: what's in a Naim? I really don't know...


Ou tenho azar - ou, então são eles que têm azar comigo: já não tinha gostado da DBL, em Munique, e mantenho a minha opinião aqui. A fonte era o excelente 555CD e a amplificação múltipla 282/NAT 250.
Sala da Naim no Venetian


Nem o requinte analógico do LP me fez mudar de opinião. Só se era o filtro electrónico Snaxo que ainda não estava bem afinado, quando eu passei por lá. Outros terão tido mais sorte. Será o áudio um jogo de fortuna e azar?...


ONTRACK
OnTrack Directorate


As Directorate são inverosímeis no método e na forma, e a amplificação Belles era para mim desconhecida. Mas havia ali qualquer coisa de mais concreto e palpável que apenas vã filosofia: numa palavra, o som tinha uma lógica intrínseca inatacável.


PATHOS
Pathos/JM Lab no Venetian: good show


Foi o único sítio onde eu vi/ouvi as JM Lab. Provavelmente teriam uma suite secreta no Paris, e eu não posso ir a todas sob pena de acabar por não ir a nenhuma. Mas estavam a tocar muito bem com os Pathos Adrenaline, tendo como fonte o Endorphin. Uma questão hormonal? Ou será emocional?...


PBN AUDIO
Sala das PBN Montana Reference no The Show


Se fosse preciso concretizar a expressão tamanho não é argumento, as Montana Reference seriam a minha escolha de eleição. Ou melhor: a montanha pariu um rato. E o parto foi caríssimo: 65 000 dólares.


QUAD
Quad a frio com transístores Quad


Perdoem-me a heresia, e acreditem que faço um esforço enorme para gostar das Quad nas suas várias versões, até porque nove de cada dez críticos dizem que são as melhores do mundo. E eu sinto-me como órfão desta família.
Quad a quente com Wavestream


Mas fiz múltiplas experiências como António Gedeão: ouvi-as a quente e a frio, de frente e de lado, sentado e em pé. De todas as vezes, não me deu o que é costume: um som transparente, antes um som algo deprimente.
Quad morninhas com válvulas Quad


Apesar de tudo, ainda foi com os amplificadores a válvulas da Quad que soaram melhor. Tanto quanto sei, o distribuidor nacional também se está nas tintas para a crítica e os audiófilos, pelo que esta é uma angústia com que vou ter de viver, até prova em contrário...


RETHM
Sala da Rethm no The Show


Fico sempre na dúvida se gosto do que oiço ou do que vejo. Se acreditarmos na imprensa online americana, aquilo é o fim do mundo. E eu não acredito no fim do mundo, só acredito no fim da vida - e não queria viver o que me resta dela com este som…


THIEL
Thiel/Ayre no Venetian
Thiel/Simaudio Moon no The Show


Felizmente as Thiel 3.7 estavam em lua de mel numa suite do Venetian com os Ayre MX-R, porque aqui na sala da SimAudio Moon, o som era de patim de gelo…


VANDERSTEEN
Vandersteen Quatro Ebony c/ Ayre MX-R


Ora aqui está uma coluna que soa invariavelmente bem, qualquer que seja a cor com que a pintam (pelo que eu percebi estas são construídas num material sintético): Quatro Ebony. E casaram-nas logo com um dos amplificadores que mais me entusiasmaram: os Ayre MX-R. Som coerente e inteligente...


WAVAC
Sala da Wavac no The Show


Talvez a WAvac seja demasiado zen para mim. Admito mesmo que não estarei espiritualmente preparado para entender a filosofia da marca, mas com as Venture (creio) os Wavac, apesar de lindos de morrer, soaram-me tal e qual como medem: mal.
A Wavac será demasiado zen para mim?...


Ainda pedi à minha esposa para entrar sozinha e me dar a sua opinião de perita com tantos anos de experiência no áudio como eu - e sem os tiques e maneirismos dos audiófilos - e ela deu: som comprimido, fininho, esquisito!...
Os Wavac acesos são lindos de morrer...


Será dos meus ouvidos que sofreram com a descompressão nas aterragens? Mas havia outros ons muito bons e muito mais baratos.Eis um mistério que só poderá ser desvendado talvez com um prazo prolongado de vida em comum com este amplificadores.


YG
Sala da YG Acoustics


Impressionante parada militar das israelitas Anat Reference. Mas apesar dos Krell, o som era de pólvora seca: fininho, pequenino. Porquê? Não me perguntem: em Munique, quando as ouvi a primeira vez, até gostei. Mais: gostei mesmo muito.