2005

Ces 2005: A Vitória Da Imagem- Parte 1




Las Vegas Convention Center: entrada stand Denon


A CES 2005, que se realizou de 6 a 11 de Janeiro na Feira de Las Vegas, foi a maior de sempre: 2 500 expositores, mais de 15 000 produtos diferentes, 142 000 visitantes profissionais (não está aberta ao público), num espaço que apesar dos quilómetros quadrados de extensão ameaça rebentar pela costuras e obriga já muitos fabricantes a procurar refúgio nos hotéis limítrofes (Linn, Wilson, etc.), tornando impossível a tarefa individual de cobrir integralmente o acontecimento.


«Sons» fazendo jus ao nome deu primazia ao áudio, nas suas vertentes highend e home cinema, mas não pôde ficar indiferente à avalanche de novas tecnologias. Como sempre a única solução possível para condensar em meia-dúzia de páginas de jornal tudo o que se viu e ouviu é tentar encontrar os denominadores comuns e encaixar depois alguns dos produtos que melhor os representam, não caindo na tentação de tentar mostrar tudo correndo o risco de não mostrar nada.



BLU-RAY VS HD-DVD

HD-DVD da Sanyo


A CES 2005 foi palco da luta fraticida entre estes dois formatos de alta definição que pretendem substituir o DVD nos favores do público e, especialmente, de Hollywood, num «remake» da competição de má memória entre os formatos Betamax e VHS. Ambos são muito semelhantes - e uma vez mais incompatíveis entre si -, embora se tenha comentado que, em último caso, já está instalada a capacidade técnica para fabricar leitores/gravadores-Universais, como acontece com o SACD e o DVD-Audio (que parecem sofrer de senilidade precoce). O Blu-Ray, do consórcio Sony, Philips, HP, Pioneer, tem a apoiá-lo a Walt Disney, a Fox, Columbia e MGM, ambas ligadas ao grupo Sony; e o HD-DVD, do consórcio Toshiba-NEC, tem do seu lado a Warner e a Universal, Paramount, HBO, etc. A Dreamworks ainda não manifestou preferência. Acontece que os filmes com edição prevista em HD-DVD são os «blockbusters» que toda a gente quer ver e o público cinéfilo vai ter uma palavra a dizer. O Blu-Ray tem mais capacidade (cerca de 25GB num só lado) e por isso tem mais interesse para aplicações informáticas, o que até agora tem sido determinante na imposição dos formatos no mercado. Veremos no que isto vai dar. Até porque há técnicas eficazespara obter imagem de alta definição a partir de DVD convencional. Eu creio que os estúdios estão interessados nesta caldeirada porque assim podem vender o mesmo filme em vários formatos...



IMAGE IS EVERYTHING
Plasma gigante HDTV da LG


Este era o slogan da Toshiba e define bem o sentimento tecnológico geral: imagem, imagem, imagem. Com transmissão pela Voom em altadefinição da fase final do SuperBowl em plasmas e LCD cada vez maiores: a Samsung bateu o recorde mundial com um protótipo de 102 polegadas (2, 5 m de diagonal!). Preço? O de 80 polegadas já em produção vende-se por 45 000 dólares. Entretanto a LG pede 75 000 dólares pelo plasma de 71 polegadas e altadefinição (na foto)...


O plasma atingiu na CES2005 o apogeu e vai ser lentamente substituído pelo LCD. Esta é pelo menos a intenção velada da Sony que mostrou o fabuloso Qualia 005 de 46 polegadas com tecnologia Triluminos e uma resolução efectiva de 1920 x 1080 progressivo. As cores, nitidez, contraste (e o preço de 12 000 dólares) são todos superlativos.

A bomba Realta: Denon DVD-5910


De referir a integração pela primeira vez do «chip» de processamento de imagem Realta da Teranex, num produto comercial: o Denon DVD 5910. Este notável «chip» vencedor de um «Inovations Award 2005» permite correcção de imagem pixel a pixel como resultados fantásticos ao nível do contraste, da nitidez e da saturação das cores, algo que há uns anos só era possível com equipamento profissional como o da Snell/Wilcox.