2004

Cabos Áudio Sem Metal



Os leitores por esta altura já estarão a pensar: grande avaria, as ligações Toslink, entre leitor-Cd e DAC já fazem isso há anos. Pois é, mas a Harmonic garante que o sinal mantém-se sempre sob formato analógico e não é digitalizado!...



Um transdutor do tipo LAM (Light Analog Module) miniaturizado é colocado dentro das fichas RCA e alimentado por uma bateria recarregável de 12DC. As fichas são ligadas entre si por fibra óptica, e como não há contacto físico entre a ficha de saída e a ficha de entrada, nem entre os componentes, não se criam «loops» de terra, logo não há ruído. Por outro lado, os cabos não têm resistência, capacidade, indutância, nem sofrem de efeito de superfície, interferência RF ou EMI!



Too good to be true?...



A Harmonic sugere que os CyberLight são ideais para ligar prévios passivos a amplificadores, porque a resposta em frequência não é alterada com a posição do potenciómetro nem o comprimento dos cabos é importante.



Com uma resposta de frequência dos 5Hz aos 30MHz! e um preço que fica pelos $1.500 por um par de interconnects de 1, 5 m, já com a bateria incluída, parece que a corrida chegou ao fim.



Ou talvez não, porque o negócio dos cabos é um negócio da China. Na página da Stereophile também se pode ler que a polícia apreendeu todo o material, equipamento e computadores da Tara Labs porque andava a vender cabos feito algures (na China?) com a etiqueta «Made in USA». Afinal, os «cabos que Deus escolheu» não eram feitos no Céu...



O meu amigo Edwin, da Siltech (ver reportagem do Highend2004), já me tinha dito que não é só a Tara Labs, é a Monster e quase todos os outros...



Cala-te boca, que eu já pareço o Carlos Castro, salvo seja!...