2009

Delaudio: O Cabo Que Veio Do Espaço



Tudo começou há alguns meses, quando Delfim Yanez me telefonou dizendo que tinha recebido a visita de um engenheiro aeroespacial. O visitante teria deixado para teste alguns metros de um cabo que tinha sido desenvolvido para ser utilizado exclusivamente em satélites.


Assim, alguns dos requisitos eram de tal forma exigentes que só duas ou três fábricas no mundo têm capacidade técnica para os fabricar. Além de resistirem a temperaturas extremas: -200 Cº + 200 Cº, são totalmente imunes a interferências externas, incluindo, claro, rádio frequência e ondas electromagnéticas, pois os satélites funcionam com sinais muito delicados que não podem de forma nenhuma ser corrompidos sob pena de os dados se perderem no... espaço.  


Ao mesmo tempo, o tal engenheiro achou curioso que os Black Slink estivessem a ser utilizados para aplicações áudio, pois também tinham sido concebidos para tarefas muito mais exigentes. Daí a propor que Delfim Yanez experimentasse o novo cabo como interconnect foi um desenvolvimento lógico.


     


Desde então, Delfim tem vindo a desafiar-me para fazer um teste comparativo em boas condições de audição. No Still Vinyl 09, na sala da Delaudio, levantou um pouco o véu do mistério (abrir video acima) e eu fiquei curioso to say the least...   Na primeira oportunidade, aproveitei um buraco na minha agenda e dei um salto às instalações da Delaudio, em Talaíde (Tagus Park).


Os videos que se seguem são o registo dessa experiência. Depois de uma hora de música avulsa para habituar o ouvido ao sistema (que já ouvira em outra ocasião ver Artigos Relacionados) e aos dois cabos em comparação: Black Slink e 'Moonwalk' (inventei agora o nome), sem que me decidisse claramente por um ou por outro, embora as diferenças fossem óbvias: mais brilhante e informativo no agudo o Black Slink, com maior ilusão de claridade e transparência; mais 'fechado' o 'Moonwalk', sem contudo sofrer de opacidade ou falta de transparência.  


Foi preciso uma faixa de um disco em mono (Frank Sinatra, cantando I've got you under my skin) para se instalar em mim a dúvida sobre se o 'Moonwalk' não soava, tal como Delfim apregoava, mais natural; se não deixava, de facto, também transparecer melhor a técnica interpretativa, o corpo, a textura e a emoção e o swing da voz de Sinatra. Notei também uma ligeira diferença de volume. Nem sempre mais som significa melhor som...  


Seguiu-se Joan Baez cantando 'Diamonds and Rust', e todas as dúvidas se dissiparam.


Tanto no video de Frank Sinatra como no de Joan Baez, que podem abrir nas respectivas janelas abaixo, as faixas foram reproduzidas sem qualquer alteração no setup e no volume. A única mudança no sistema foi a substituição de um cabo por outro. Não vos vou dizer qual é qual, e peço aos leitores que se manifestem sobre qual preferem ouvir: Take One ou Take Two, em ambos os casos.  


Embora o som seja apenas ilustrativo e não representativo do que se pode ouvir no auditório principal da Delaudio (basta um telefonema para fazer a reserva:  ) as diferenças devem ser audíveis (mesmo com o som comprimido pelos codecs suspeitos do costume). De preferência utilizem auscultadores ou, melhor ainda, liguem o vosso computador ao sistema Hifi. O som fanhoso dos computadores não faz justiça ao som registado nos videos.  


Oiça e deixe-se surpreender.


       


Frank Sinatra, I've got you under my skin (dois takes simultâneos c/cabos interconnect diferentes: concentrem-se na colocação da voz, na dicção e na respiração)


      


Joan Baez, Diamonds and Rust (dois takes simultâneos c/cabos interconnect diferentes: concentrem-se na projecção da voz e nos bordões da guitarra)


 
   


Delfim Yanez revela o segredo do 'Moonwalk', o cabo que veio do espaço       Nota: Resta dizer que o 'Moonwalk' custa cerca de 800 euros o metro! Ou você pensava que podia caminhar na Lua pelo preço de uma viagem na Carris?...