2007

Highend 2007 - Munique - Parte 5: Estranhas Formas De Vida



Vi e ouvi coisas em Munique que mereciam ser divulgadas na National Geographic, na secção de novas espécies de animais descobertas. Outras já foram mostradas aqui nas páginas do Hificlube, ao longo dos anos, mas continuam a marcar presença pela longevidade e perseverança, sintoma de que talvez sejam algo mais do que uma simples provocação estética.


No Highend 2007, o galardão “WEIRD07” vai direitinho para o stand conjunto da hi-fi-center, onde estavam expostas as marcas italianas Labor Limae, Rise, Cableless e Sigma.


LABOR LIMAE

Destas marcas, a Labor Limae, sorgenti sonore, ultrapassou tudo o que antiga musa canta, ao apresentar uma instalação de arte audiófila inspirada nos jardins suspensos da Babilónia.


Tudo estava suspenso por elásticos, provavelmente para controlar vibrações espúrias:

colunas,

prévio

e amplificadores!...

Curiosamente, o leitor-CD Rise, composto por transporte e central de controlo, sendo o único com partes móveis, não estava suspenso!...
Quem ficou por momentos “em suspensão” perante tal instalação fui eu. Ouvia-se música barroca e as notas pareciam também “suspensas” no ar...Weird stuff, indeed.


PODIUM SOUND

Em segundo lugar, classificaram-se as colunas de painel Podium. São uma invenção de um tal Shelley Katz, Phd., para que não restem dúvidas, mas apresentadas por orientais, o que significa que terão comprado a patente.



As colunas apresentam-se nas versões Podium 1, que lembram as Magnepan; e Podium 2, que parecem um espelho de cobre, com uma moldura negra de metal à volta.


Foram as Podium 2 que eu ouvi. Se lermos a lengalenga da brochura, onde são citados os inefáveis críticos britânicos, este é o melhor transdutor do mundo e arredores.

Como explicam, isto é algo de completamente diferente: não é electrostático, nem ribbon, nem isodinâmico, nem magnetoestático. A membrana de metal é excitada em toda a superfície por um vibrador (piezzoeléctrico, provavelmente), modulado pelo sinal musical. A mim lembra-me a tecnologia NXT, mas pronto, não quero ser desmancha-prazeres.


Apesar de toda a tecnologia revolucionária envolvida, as Podium 2 soaram-me tal e qual como pareciam: uma folha de cobre a vibrar. Numa palavra: tinham som de...lata!


FORM+TON

O 3º lugar fica para as Tubaski, na foto. O autor chama-lhes “klangskulturen” que, em alemão, significa “esculturas sonoras”. A mim parecem-me ter sido inspiradas num c...lhão!. Há vários modelos. Havia ainda as Ixolino, Oxolino e Rapanui (não estou a brincar, os nomes são mesmo estes...) e só tenho pena de não ter fotografado a Grasshopper que, como sabem, significa, gafanhoto. But I think you get the picture...


Sem classificação especial, seguem-se todos os outros - e são muitos e bons:


AUDIO CONCEPTS

No Highend 2004, uma marca austríaca chamada Audio Components não se poupou a esforços para cativar a imprensa. Correram até o risco de comparar directamente som ao vivo com som registado. Este ano estavam mais sóbrios e exibiram as suas colunas em ambiente controlado e...estático. Agora chama-se Acoustic Concepts.

Mas são a mesmas, não são?...


AUDIONAUTES

Um monitor de referência com tweeter de corneta (Murata?), sem resistências no filtro. Os condensadores e as bobinas de fio de prata são da Mundorff.


AVANCE

Da China, claro. Reparem no requinte de malvadez: para não serem acusados de plágio, roubam um bocadinho a cada marca. As colunas são um misto de Sonus Faber Amati, B&W 802 e KEF Reference. E, lá ao fundo, temos um misto de Stradivari com o supertweeter da Tannoy...


CANDYE KANE

Não, não é a nossa Mízia, com mais uns quilitos, a cantar o fado. É Candye Kane uma blueswoman americana com vozeirão e alma de negra. O PA tinha como colunas de som as JM Lab Alto e, apesar das condições acústicas adversas, tocaram muito melhor que o ano passado.

A malta gostou a julgar pela assistência e os aplausos entusiásticos. Para ter uma ideia breve do que se passou, clique no ícone amarelo no topo da página para ver o vídeo (15MG, pode demorar um pouco a abrir).


CONSONANCE

O leitor-CD Droplet CDP5 já conheciam de outras edições do Highend.

Nova mesmo é a decoração do painel dos amplificadores Consonance. O que eles fazem para chamar a atenção dos passantes...


M ACOUSTICS

Coherence Stage II. O tweeter é o famoso Heil Air Motion Transformer. Por trás tem uma estrutura que parece uma gaiola para pássaros. Será que canta bem?...


MEL AUDIO

Mais um modelo italiano. O leitor-CD parece um centrifugador mas para quem procura algo de diferente...


MERIDIAN

Ferrari F80. A Meridian diz que é o Ferrari dos tudo-em-um domésticos: rádio DAB/FM/AM, leitor-CD/DVD e amplificador integrado de 80W. O preço é exorbitante. E, ao contrário dos Ferrari, não é lá muito atraente, convenhamos...


MYTHOS

Fabricantes de móveis e colunas de som. E está tudo dito...


OMICRON

PI Greco, assim se chama este robusto leitor-CD, decorado com a letra Pi como o nome indica.


PHONOSOPHIE

Aquele tubo metálico fixado junto ao tweeter com fita isoladora melhora drasticamente o som do dito. Quem o afirma é Ingo Hansen, o mágico de serviço em Munique. As poções mágicas e amuletos de Ingo, que agora incluem fichas e tomadas de corrente milagrosas, são distribuídas em Portugal pela Sound Eclipse. O homem é doutorado em Física, não é um charlatão qualquer, pelo que não rejeite antes de experimentar. O Rui Palhinha e o José Pestana ouviram a palestra de Ingo e juram a pés juntos que aquilo funciona mesmo. Como? Porquê? Does it really matter?...


ROBERTS

Rádios portáteis revivalistas inspirados nas malinhas de mão das senhoras dos anos 50-60. Uma prenda interessante para oferecer a uma balzaquiana romântica.


ROSSO FIORENTINO

O luxo florentino das Florentia 12. Eu acho as colunas muito largas para poderem ter uma boa imagem estéreo. De notar que as Stradivari são curvilíneas, estas são planas e há, garantidamente, problemas de difracção.


TOUND

O que poderá levar alguém a chamar “Tound” a umas colunas de som? Dá a impressão que têm uma maneira esquisita de falar, como o “Gato”, e não sabem dizer “Sound”...

Mas o design é interessante, honra lhes seja feita.


U-VOLA

Os italianos parecem ter a parte de leão desta secção. Já todos conhecem os ovos suspensos das U-Vola. A Delaudio chegou a importá-los, porque, tal como eu, o Delfim ouvi-os tocar e soam bem frescos e agradáveis. Parece que a moda não pegou por cá. Mas eles continuam a lançar ovos decorados com imaginação, num excercício a que se podia chamar “egg parade”.



Novidade da U-Vola são os amplificadores, concebidos para a marca pela famosa Phatos. Lá dentro, no estúdio o som estava muito agradável e repousante.Eu gosto de ovos...


WURLITZER

O passado, por vezes, assombra-nos e encanta-nos, como estas reproduções perfeitas das “juke box” do nosso imaginário de criança. Gostava de ter uma em casa, ou melhor, de ter casa para ter uma...