2005

Accustic Arts Surround Player I: Uma Questão Linguística




Vorverstärker, Endverstärker, Lautsprecher, por certo nenhuma destas palavras estranhas lhe diz nada. E se for preamplifier, amplifier, loudspeaker, já lhe diz alguma coisa: rings a bell? Pois é, em inglês é mais fácil identificar as palavras: preamplificador, amplificador, coluna de som. A indústria áudio alemã tem sido prejudicada pela sua própria língua. As influentes revistas americanas The Absolute Sound e Stereophile, e as inglesas Hifi Choice, HiFiNews e What-Hifi? puxam a brasa à sua sardinha em inglês, daí resulta que a maior parte das marcas famosas têm origem nos países anglosaxónicos. O mesmo se passa em relação à nossa “imprensa” especializada: ninguém nos entende, ninguém nos liga. Quando eu publico textos escritos em inglês no Hificlube, as pageviews disparam, com os EUA e o Japão à cabeça, e a eCoustics apressa-se a inclui-los na sua longa listagem de links. Até o nosso Presidente fala em inglês quando quer fazer passar as mensagens lá fora. Há sempre a hipótese de recurso aos tradutores automáticos do Google, com resultados de uma pessoa se rebolar no chão a rir. Num artigo intitulado «O carteiro toca sempre duas vezes» (disponível na secção 'Correio' do Hificlube), transcrevi alguns exemplos caricatos de tradução automática.



A minha divulgação da indústria áudio alemã através das reportagens do HighEnd Show suscitou o interesse de alguns distribuidores nacionais por marcas alemãs (ver Highend 2005 na secção 'Reportagens'.



ACCUSTIC ARTS


A Accustic Arts é uma dessas marcas alemãs topo de gama. E faz gáudio em fabricar “à mão” todos os seus produtos na Alemanha, na mesma cidade onde se produzem os famosos Porsche. Cada modelo é montado, testado e embalado por um único funcionário que assina o certificado numerado. E é de um “Porsche” que se trata aqui hoje, na construção, na performance e no orgulho de posse. Bom, no preço também...


O Accustic Arts Surround Player I é um leitor-Universal: DVD Video/Audio, CD, SACD. Abre-se a tampa do transporte Philips profissional, coloca-se um disco de qualquer destes formatos lá dentro e ele sabe o que tem a fazer: e fá-lo sempre bem. Embora cumpra todas as funções de forma eficiente, é particularmente bom numa das disciplinas: vídeo. A imagem é de inexcedível qualidade. O mais curioso é que, ao contrário da concorrência, não tem um up-scaler interno. Tem um conversor D/A a 216kHz/14-bits da última geração e PAL-progressivo mas não “puxa” o sinal vídeo para 720p ou 1080i. A Accustic Arts considerou que seria redundante. E talvez tenha razão: os plasmas e projectores modernos fazem o rescalonamento automático para a resolução nativa e, tal como na natureza, no fim nada se perde, tudo se transforma. Mas tem saída HDMI e com a ligação ao projector Hitachi PJT-X100, por meio de um cabo/adaptador Chord HDMI/DVI Silver (um cabo de excepcional qualidade), obtive resultados tão bons “à vista” desarmada como os obtidos com o excepcional Denon DVD-A1XV.



A qualidade da imagem e o som dependem sobretudo dos filmes que podem ir do excepcional ao medíocre. Alguns exemplos: a cópia que aluguei no clube do bairro de “Redenção” com o oscarizado Jamie Foxx é tão má que cheguei a pensar que era pirata apesar do selo. E para meu espanto o som dos diálogos da banda DTS da versão extended de “O Regresso do Rei”, da trilogia do “Anel”, deixou algo desejar: é artificial e sibilante. E a culpa não é do Accustic Arts: nem tudo o que brilha é Oscar. A imagem e a restante banda sonora são excelentes, claro. É em filmes “menores” como “Declaração” (interpretação notável de um Michael Caine em decadência acelerada), que há por vezes surpresas: som dos diálogos em ponto de rebuçado. Muito bem também as vozes e as cores (e emoções) fortes de “Má Educação” de Almodovar, com o tema pesado da pedofilia a sublinhar a trama a traço (muito) grosso. Não aconselhável a pessoas sensíveis.



Na conversão do áudio digital para analógico, o Accustic Arts serve-se de Burr Browns 192kHz/24 bits da última geração, um por canal. O disco-teste da DTS foi reproduzido sem mácula: som e imagem. Com CD/SACD é ultrapreciso a roçar o analítico. Como transporte o Accustic Arts é excelente, tendo ultrapassado todos os obstáculos de discos-teste da Pièrre Verany, com um soluço breve a partir dos drop-outs de 1,5mm mas sem nunca “atascar” na lama digital até atingir a meta: drop-outs sucessivos de 4mm! Igualou assim o anterior record.


Os menus de set-up do áudio e vídeo são muito completos e permitem obter bons resultados nas mais variadas circunstâncias e configurações. Vou poupá-los à transcrição do manual.


O controlo remoto é um bloco sólido de alumínio com todas as funções necessárias e evita que se tenham de utilizar os enormes e pouco ortodoxos botões rotativos que controlam as funções básicas: play, stop, skip. Parto do princípio que esta “geminação” com o amplificador integrado da marca é uma opção de equilíbrio estético, mas eu prefiro botões de pressão.


A tampa espelhada com o logotipo da Accustic Arts gravado actua como comutador (activa e desactiva o sistema de transporte/leitura) e ilumina-se de um azul-violeta que, no escurinho do cinema, evita que se ande às apalpadelas...
Não vou discutir aqui gostos: alguns dirão que o “efeito de luz” é pouco discreto. Mas abrir e fechar a tampa à mão, ao nosso próprio ritmo, sem ter de esperar que a gaveta se decida a “pôr-a-língua-de-fora”, segurando com dois dedos apenas no cilindro truncado que lhe serve de puxador, e colocar o disco lá dentro, sob a pressão fundamental do estabilizador magnético, torna-se um hábito adquirido. E um ritual agradável que nos aproxima mais do processo musical como no tempo do LP: sentimos que somos parte activa no acto de audição passiva.



O Accustic Arts Surround Player I é uma proposta de qualidade e diferente da monótona uniformidade reinante. Como diferente é a língua alemã na qual escreveram alguns dos maiores compositores, poetas e filósofos de todos os tempos. Ao princípio estranha-se, depois entranha-se...



Produto: Accustic Arts Surround Player I
Preço: 5 690 euros (balanceado)


Distribuidor: Interlux, Av.da Liberdade nº 245 - loja 8 . Tel. 21 314 38 04 . 96 863 28 42