2005

A Holbein Menezes, Na Passagem Do 60º Aniversário Do Seu Casamento Com A Lusa Jarina



Os diamantes são eternos
Holbein e Jarina


Holbein e Jarina casaram, faz hoje 60 anos, no altar da música à luz das válvulas, tendo como padrinhos Brasil e Portugal, outrora separados pelo mar de lágrimas salgadas e hoje unidos pela língua comum num beijo de saudade sem fim.



Foi o amor - o fogo que arde sem se ver, cantado por Camões -, que o tempo cultivou e fez crescer nos seus corações, qual espiga dourada na seara da vida, que lhes acalentou a alma na longa travessia do som agreste da era do transístor.



Hoje os “0” e “1” do código digital binário são o côncavo e o convexo que Roberto Carlos cantou, as duas partes que se completam para formar o ser mítico perfeito, o “Graal” da divina inspiração que reis e soldados, sábios e artistas procuraram durante séculos sem sucesso.



Porque o “Graal” não é um objecto, é um sentimento de plenitude.



Holbein e Jarina encontraram-no e souberam guardá-lo com paixão durante 60 anos.

É esta união abençoada por Deus, tal como o país tropical e bonito por natureza em que moram, que os vai da lei da morte libertando.



Viva os noivos! Que sejam muito felizes.



Lisboa, 26 de Maio de 2005



José Victor Henriques



P.S. Uma saudação muito especial para Dona Jarina, pois não é fácil viver 60 anos apaixonada por um audiófilo...