Reviews Testes

Sonus Faber Chameleon

Panorâmica da Colecção Chameleon integral

Depois de ter caído na tentação do ‘made in China’, a Sonus Faber regressa à pátria transalpina e ao orgulho do ‘made in Italy’, seguindo o exemplo da sua parceira McIntosh, que sempre manteve a fé no ‘proudly made in USA’.

Com a nova série Chameleon, com a qual tive o primeiro contacto imediato no HighEnd 2015, em Munique, a Sonus Faber conseguiu o ‘três-em-um’: design inovador, qualidade de som e preço, ultrapassando assim a última barreira que justificava ainda a deslocalização da produção para a China. O que temos agora é qualidade de construção italiana com preço ‘chinês’:


The Chameleon Collection

Chameleon B Colunas monitoras de 2 vias com painéis laterais: 925,00

Chameleon B Colunas monitoras de 2 vias com painéis laterais: 925,00

Chameleon T Colunas de chão de 3 vias com painéis laterais: 2 155,00

Chameleon T Colunas de chão de 3 vias com painéis laterais: 2 155,00

Chameleon C Coluna central de 2 vias com painéis laterais: 560,00

Chameleon C Coluna central de 2 vias com painéis laterais: 560,00

She comes in colours everywhere…(Rolling Stones)

Pirâmide de cores Chameleon

Pirâmide de cores Chameleon

As Chameleon são forradas a pele, no melhor estilo Sonus Faber, utilizam altifalantes especificamente concebidos para esta série, com moldura de alumínio, têm bornes dourados para bicablagem; o formato das caixas inspira-se nas clássicas Concertino, tendo como principal característica distintiva os painéis laterais amovíveis e substituíveis (430 euros o par), em 14 cores vivas e alegres ou mais discretas, que cobrem toda a paleta de gostos pessoais, incluindo o branco, o preto e o mais raro cinza. As cores são todas obtidas a partir de misturas das cores base, e eu gostei particularmente do azul ‘morno’ com um toque de cinza.

Montagem Chameleon para a fotografia no auditório da Imacústica

Montagem Chameleon para a fotografia no auditório da Imacústica

Ou seja, a anedota clássica do audiófilo que não consegue a concordância da mulher para comprar umas colunas, porque ‘não dão com os cortinados’, deixou de fazer sentido. As Chameleon, como o nome indica, adaptam-se aos cortinados, aos sofás, à pintura das paredes e até ‘vão com a cara dela’ e a tonalidade do pó-de-arroz…

O meu primeiro receio, quando tive conhecimento deste projecto, e vi as fotografias, era se  não estaríamos afinal de contas perante mais uma ‘chinesice’, apesar de não serem construídas na China.


O contacto físico esclareceu todas as dúvidas: a construção é excelente, eu diria mesmo soberba, considerando o preço acessível, e os painéis são sólidos e resistentes e não apenas uma folha de acrílico para enfeitar.

Expositor base de painéis Chameleon: cor diferente, o mesmo paladar

Expositor base de painéis Chameleon: cor diferente, o mesmo paladar

Isto embora a sua função seja meramente decorativa, pois as colunas funcionam perfeitamente sem painéis, e a sua não colocação não altera em nada a qualidade do som. O que se perde – e não é pouco – é o efeito visual pretendido pelo designer Livio Cuccuza, no fundo a excelência do conceito, que pode ir ainda mais longe: painéis personalizados com pinturas, réplicas de quadros famosos, fotos, graffiti pintados a spray (há artistas de rua fantásticos!), ou outras intervenções artísticas dando asas à imaginação mais delirante.


Nota: esta é uma sugestão minha, não está prevista no projecto.

E já que estamos numa de arte, aqui fica a minha expressão artística do teste auditivo. Nota: o subwoofer utilizado com as T foi o S.5 e não o que se vê na foto.

E já que estamos numa de arte, aqui fica a minha expressão artística do teste auditivo. Nota: o subwoofer utilizado com as T foi o S.5 e não o que se vê na foto.

Se é desenhador ou pintor, compre painéis brancos e utilize-os como uma tela para a sua imaginação. Melhor ainda: já pensou numas colunas ilustradas por Siza ou Pomar? Pior ainda: pode levar os painéis ao seu tatuador pessoal. Tal dono, tal coluna...


As hipóteses são infindáveis: já estou a ver os mais fanáticos a pintar os painéis com o emblema do clube.


O teste auditivo

O teste auditivo iniciou-se com as Chameleon B acolitadas pelo duo Maestro da Audio Analogue

O teste auditivo iniciou-se com as Chameleon B acolitadas pelo duo Maestro da Audio Analogue

Para utilizar uma expressão anglo-saxónica, ‘é a comer que se prova o pudim’. Assim, aproveitei o amável convite de Manuel Dias para fazer um breve teste auditivo, nas instalações da Imacustica-Lisboa, na sempre agradável companhia de Luís Campos, que preparou o menu de degustação musical.


Tanto o Manuel como o Luís estão obviamente entusiasmados com a potencialidade deste novo produto da Sonus Faber, que acolitaram com electrónica dentro da mesma categoria de preço: Audio Analogue Maestro e os adoráveis minisubs – no tamanho e no preço – da Sumiko, que foram concebidos já a pensar no casamento com as Chameleon:

Colecção Sumiko S, subs à medida das Chameleon

Colecção Sumiko S, subs à medida das Chameleon

S.0 Subwoofer de caixa fechada com altifalante activo direcionado para baixo, 120W (250W em pico), branco ou preto: 450,00


S.5 Subwoofer de caixa fechada com altifalante activo direcionado para baixo, 150W (250W em pico), branco ou preto: 590,00


S.9 Subwoofer de caixa fechada com altifalante activo direcionado para baixo, 350W (700W em pico), branco ou preto: 890,00


Nota: o modelo S.9 só está disponível para audição na Imacustica-Porto

Sonus Faber Chameleon+Audio Analogue Maestro: moda italiana

Sonus Faber Chameleon+Audio Analogue Maestro: moda italiana

Segundo Luís Campos, a electrónica Audio Analogue aqui utilizada é apenas uma das propostas ‘de entrada’ possíveis. Quem preferir válvulas, pode optar pelos Prima Luna, por exemplo, ou até por modelos de marcas não distribuídas mas também comercializadas pela Imacustica, como a NAD ou a Cambridge, de preços módicos, porque os desejos do cliente são ordens e as Chameleon também se adaptam aos ‘sons’ e não apenas às cores preferidas.


Admito que, habituado como estou a ser tratado na Imacustica a filet-mignon e caviar, tendo já testado e ouvido aqui sistemas de centenas de milhares de euros (ver Artigos Relacionados), precisei também eu de me ‘adaptar’ psicologicamente a este desafio.

O mais curioso é que, ao fim de algum tempo, damos connosco a pensar se será preciso investir milhões quando se pode ouvir boa música com tostões. Eis uma polémica que nos levaria longe e foge do âmbito deste exercício de ‘escrítica’, cujo objectivo é saber se as Chameleon são dignas representantes da Sonus Faber e valem o preço que custam.


Embora se apresentem como substitutas da Toy Series, as Chameleon não brincam em serviço, e estão mais próximas em termos de performance das Concertino, não as originais, cujo som era mais clássico, com um toque de madeira, mas da versão mais moderna.


O som é limpo e muito coerente, com boa projecção e apresentação das vozes e instrumentos. No caso do modelo B, as únicas limitações são impostas pelas leis da física e respeitam à extensão – que não há definição e articulação – do grave. Luís Campos sugere um cheirinho do Sumiko S.0 que, de facto, lhes confere mais corpo e autoridade, sem afectar a claridade da gama média.

Diz-me o que ouves, dir-te-ei quem és...

Diz-me o que ouves, dir-te-ei quem és...

Como modelo de entrada para quem começa a vida audiófila – sejam eles ou elas – é uma coluna irrepreensível na forma e no conteúdo. Esta é uma clara aposta da Sonus Faber nos jovens e no vasto e importante segmento feminino, normalmente pouco sensível à moda da audiofilia.

Com as Chameleon até pode optar por comprar uma coluna de cada cor...

Com as Chameleon até pode optar por comprar uma coluna de cada cor...

Já as Chameleon T têm capacidade para voar sozinhas. Não sendo de banda larga, cobrem bem todo o espectro essencial da música, e a utilização de um subwoofer é uma mais-valia mas não uma condição sine-qua-non, pois estamos aqui num território no qual as T fazem frente a modelos mais caros, incluindo da própria Sonus Faber!


Antigamente, os audiófilos fundamentalistas eram demasiadas vezes colocados perante um cruel dilema: mudar de colunas ou de mulher, sob a proverbial ameaça de ‘ou elas ou eu!’. Hoje pode manter ambas e mudar apenas de…painéis!


Para mais informações: abrir Distribuidor Em Destaque para entrar no sítio da Imacustica.


 


 

Panorâmica da Colecção Chameleon integral

Chameleon B Colunas monitoras de 2 vias com painéis laterais: 925,00

Chameleon T Colunas de chão de 3 vias com painéis laterais: 2 155,00

Chameleon C Coluna central de 2 vias com painéis laterais: 560,00

Pirâmide de cores Chameleon

Montagem Chameleon para a fotografia no auditório da Imacústica

Expositor base de painéis Chameleon: cor diferente, o mesmo paladar

E já que estamos numa de arte, aqui fica a minha expressão artística do teste auditivo. Nota: o subwoofer utilizado com as T foi o S.5 e não o que se vê na foto.

O teste auditivo iniciou-se com as Chameleon B acolitadas pelo duo Maestro da Audio Analogue

Colecção Sumiko S, subs à medida das Chameleon

Sonus Faber Chameleon+Audio Analogue Maestro: moda italiana

Diz-me o que ouves, dir-te-ei quem és...

Com as Chameleon até pode optar por comprar uma coluna de cada cor...