Notícias

Imacustica_Primavera 2015 - day two

Imacustica - Lisboa: loja de hifi com 3 estrelas Michelin

Lisboa está na moda. Por todas as razões, e mais uma: a audiofilia. Agora só falta aproveitar na promoção turística mais este pólo de atracção. Clima, património, cultura, gastronomia, hotéis, hostels, esplanadas, terraços, enfim. Lisboa até teve 4 milhões de votos para figurar no Jogo do Monopólio do século XXI! Agora podem juntar ao pacote promocional o turismo audiófilo.

É pena não haver ainda Estrelas Michelin para lojas de Hifi, pois a Imacustica exibiria na porta as '3 Estrelas', a avaliar pelos elogios dos ilustres visitantes. Nada que os já não tão ilustres residentes não tivessem escrito antes. Mas fica sempre melhor em inglês (ver também em Artigos Relacionados: The M Project Magico Tour).


Até este vosso escriba se rendeu à língua de Shakespeare, na reportagem sobre a Magico, de Alon Wolf (como todas as empresas o Hificlube também ganha com a internacionalização).

Michael Fremer durante a sua palestra sobre afinação de gira-discos, com direito a ecrã gigante, para não se perder nenhum pormenor, com a colaboração do camera man Ricardo Polónia

Michael Fremer durante a sua palestra sobre afinação de gira-discos, com direito a ecrã gigante, para não se perder nenhum pormenor, com a colaboração do camera man Ricardo Polónia

Hoje voltamos com orgulho a Camões, porque Michael Fremer falou inglês que chegue com sotaque americano no seu seminário de 45 minutos sobre afinação de gira-discos, braços e células, que eu editei para menos de 5 minutos, e já anda por aí no Facebook.


Nota: os leitores interessados podem comprar os DVD de Michael Fremer.


Michael Fremer Turntable Seminar

Michael Fremer dirigindo-se ao povo audiófilo de Portugal. Já vi comícios de partidos políticos com menos gente...

Michael Fremer dirigindo-se ao povo audiófilo de Portugal. Já vi comícios de partidos políticos com menos gente...

Perante uma plateia atenta de especialistas e curiosos, na qual se incluía uma criança de sete anos(!), naturalmente acompanhada por um pai amante do analógico, Michael falou e encantou, explorando o seu enorme poder de comunicação, intervalando piadas e anedotas, no melhor estilo de stand-up comedy, com termos técnicos como overhang, tracking force, skating, azimuth, VTA, SRT, etc.


O nosso Guilhermino Pereira anda a fazer isto há anos, embora de forma mais discreta, concentrando-se mais nos resultados que na forma de lá chegar, ou seja: sem o impacto mediático do show-off à americana mas com o mesmo impacto musical.


É sempre bom sermos falados e reconhecidos lá fora, saindo deste cantinho à beira mar-plantado onde Deus nos isolou, com bom clima, boa comida (e vinho, segundo eles!) e um povo com gosto pelo áudio, talvez porque tem melhores empresários e críticos que políticos, passe a imodéstia no que me diz respeito. E não, não pretendo incluir-me na longa lista de candidatos a Presidente da República...

No decorrer da sua interessante palestra, Michael gozou (é o termo) várias vezes com a má qualidade do CD e exaltou, como lhe competia, a superioridade do LP, desde que reproduzido por um gira-discos afinado segundo as suas técnicas, que eliminam (ou reduzem) o ruído, a distorção, os estalos e a fritadeira, tendo sido muito aplaudido no final.


Eu próprio publiquei um artigo muito citado (originalmente publicado no DN e objecto de estudo nas escolas) sobre o sortilégio do analógico, que pode ler nos Artigos Relacionados (Arte Analógica), e do qual não me arrependo, apesar da evolução do digital.

Michael Fremer acelerando a fundo com CD na sala dos Constellation Inspiration

Michael Fremer acelerando a fundo com CD na sala dos Constellation Inspiration

Assim, qual não não foi o meu espanto, quando, mais tarde, num outro auditório, dei com ele muito satisfeito a fazer uma demonstração para um jovem audiófilo, a níveis de pressão sonora de concerto ao vivo, utilizando um CD-ROM gravado por si, directamente a partir de LPs de música pop (Guns&Roses, Queen, Beatles...) dos anos setenta, cuja única diferença dos originais em CD eram...os estalos e a fritadeira!...


Irv Gross apresenta Constellation Audio

Irv Gross com Ricardo Franassovici, o visionário que acreditou nos projectos Constellation e Magico

Irv Gross com Ricardo Franassovici, o visionário que acreditou nos projectos Constellation e Magico

Irv, que não se cansou de elogiar Lisboa, a Imacustica e a sua equipa, a excelência dos auditórios, a simpatia das pessoas e a qualidade da comida, é o actual Embaixador itinerante da Constellation Audio, função que já exerceu na Magico, portanto estava no seu ambiente natural ao demonstrar (with more than a little help from Luis) a qualidade do Altair/Hercules II com as M-Pro.


Aliás, perante a qualidade do som que se ouvia, não resisti a comentar se o que estava a tocar eram os mesmos CDs que Michael Fremer alegadamente utiliza como suportes para copos...


Nota: o som que ilustra o slideshow foi registado 'live' no auditório da Imacustica.

Em apenas seis anos, a Constellation Audio que, como o nome indica, foi concebida por uma constelação de estrelas do áudio: John Curl, Bascom King, Peter Madnick, Demian Martin e o designer industiral Neal Feary, instalou-se num nicho próprio do mercado de highend, que antes ninguém, excepto Ricardo Franassovici, acreditava que existia e tinha viabilidade comercial.


Irv explicou que decidiram entrar a matar, é o termo, com a Reference Series, cujo preço exorbitante só tinha paralelo na qualidade de construção e som; e foram depois tentando adequar a oferta a outras bolsas, com a Performance Series e a mais acessível Inspiration, todas disponíveis na Imacustica.

Ou seja: o produto fala (toca) por si, se depois o pode comprar ou não – e qual - já é um problema seu. Mas se eu lhe disser que pode ir ouvi-los a todos na Imacustica sem problema nenhum – e sem custos - , já valeu a pena ler isto até ao fim...

Imacustica Lisboa: loja de hifi com 3 estrelas Michelin

Michael Fremer durante a sua palestra sobre afinação de gira-discos, com direito a ecrã gigante, para não se perder nenhum pormenor, com a colaboração do camera man Ricardo Polónia

Michael Fremer dirigindo-se ao povo audiófilo de Portugal. Já vi comícios de partidos políticos com menos gente...

Michael Fremer acelerando a fundo com CD na sala dos Constellation Inspiration

Irv Gross com Ricardo Franassovici, o visionário que acreditou nos projectos Constellation e Magico