Reviews Testes

Marantz ND8006 – transição pacífica

Marantz ND8006 front cover.jpg

Ken Ishiwata saiu da Marantz mas deixou uma prole imensa de produtos de qualidade para todas as bolsas com o seu ADN tecnológico. O Marantz ND8006 é um leitor-CD, que é ao mesmo tempo um leitor-de-rede e um DAC HD multifuncional por um preço bem razoável de 1249 euros.

Fórmula ganhadora

A Marantz parece ter encontrado uma fórmula ganhadora, ao manter o mesmo espírito de equipa em todas as categorias de preço.

E não admira que assim seja, pois os componentes do DAC e de todo o circuito digital/analógico, que determinam a qualidade do som, são basicamente os mesmos: o DAC ESS9016K2M Sabre, com 3 osciladores de quartzo, o do relógio interno e o dos relógios independentes para os múltiplos de 44, 1 e 48kHz e Time Domain Jitter Eliminator com Hyperstream (processamento a 32-bit); o filtro MMDF, com opção pelo Filter 1 (mais neutro) e o Filter 2 (mais ‘analógico); o enorme toroidal blindado com cinto de metal e um bloco de filtragem de 3300uF de capacidade; os condensadores electrolíticos e de filme de metal ou as resistências MELF; e os Hyper-Dynamic Amplifier Modules (HDAM SA2) de topologia discreta no andar de saída e também no excelente amplificador de auscultadores, com selector de 3 posições de ganho*, em vez dos habituais opamps de dinâmica sempre limitada e som artificial.

*Nota: na posição High o ND8006 atacou sem problemas um par de Hifiman HE1000 planarmanéticos de baixa sensibilidade e impedância.

Frente-a-frente

Marantz ND 8006 apresenta-se vestido de preto e prata

Marantz ND 8006 apresenta-se vestido de preto e prata

O ND8006 mantém o tradicional design Marantz, adoptado há alguns anos, com uma secção central de painel em alumínio, que comporta a gaveta, o mostrador e todos os comandos, excepto o botão on/off montado numa das asas laterais em material plástico rígido.

A função de cada um dos comandos está perfeitamente identificada, por meio de ícones ou texto, pelo que me dispenso de uma explicação pormenorizada. Contudo, tenha em atenção o seguinte: memorize a posição do símbolo de Eject (abrir a gaveta), porque não está disponível no controlo remoto, assim como não está o controlo de volume da saída de auscultadores (6,3 mm), que tem o seu próprio potenciómetro (Level). Isto deve-se ao facto de ser utilizado um circuito HDMA SA2 independente para os auscultadores. No remoto (e nas Apps), só é possível regular o volume da saída variável para um amplificador externo, dispensando assim o prévio.

Do mesmo modo, tanto no painel (Input) como no remoto, é possível seleccionar as fontes, com ligações com ou sem fio (Bluetooth, por exemplo), mas se pretender aceder à Tidal ou Spotify vai precisar da App Heos instalada no seu telefone ou iPad. Ou, em alternativa, a App universal (e gratuita) MConnect.

Nota: Só depois de ter instalado a App, consegui ter acesso à Internet, isto depois de um Update que demorou cerca de oito minutos. Antes surgia sempre no mostrador a informação: internet connection failed. Feito o update, tudo passou a funcionar na perfeição.

USB num leitor CD?

No painel frontal, a única característica que denuncia o ND8006, como sendo um Network Cd Player, e não apenas um simples leitor-CD, é a entrada USB A para ler música armazenada em pendrives ou discos rígidos (resolução standard).

O ND8006 é compatível com PCM352kHz, como se prova com esta foto.

O ND8006 é compatível com PCM352kHz, como se prova com esta foto.

O ND8006 é compatível com DSD256 (11, 2MHz), como se prova com esta foto.

O ND8006 é compatível com DSD256 (11, 2MHz), como se prova com esta foto.

No painel traseiro, além das habituais saídas/entradas digitais coaxiais e ópticas; e analógicas (RCA) fixa e variável, uma ligação Ethernet para a função de leitor de rede e USB B para ligar ao computador e reproduzir ficheiros de alta resolução (até PCM 384/24 e DSD256), com recurso a um Media Player como o JRiver. E a dupla antena (2,4/5GHz) partilhada para Wifi (Apple Air Play 2)/Bluetooth (standard).

ND 8006 - painel traseiro

ND 8006 - painel traseiro

O divórcio

Mestre Ken Ishiwata com o duo KI Ruby. Foi bonita a festa, pá! Nos 40 anos que durou...

Mestre Ken Ishiwata com o duo KI Ruby. Foi bonita a festa, pá! Nos 40 anos que durou...

O processo de divórcio inesperado e surpreendente de Ken Ishiwata, após 40 anos de felicidade conjugal, aconteceu pouco depois das ‘Bodas de Rubi’, quando a Marantz lhe ‘pôs as malas à porta’, sem explicação, e ficou com as jóias, como o CD/SACD e PM KI Ruby, que testei em Abril de 2019 para o Hificlube (ler teste integral aqui).

Sobre este duo digital escrevi em conclusão: ‘O Marantz KI Ruby é o caminho mais curto para chegar ao highend, sem ter de pagar a portagem do luxo’. Isto apesar do preço do conjunto ser superior a oito mil euros (plenamente justificados, diga-se).

SACD ou streaming?

Agora a Marantz, já separada de Ken, apresenta o novo leitor-CD ND8006 que, por apenas 1249 euros, lhe oferece um pacote completo de reprodução de todas as fontes digitais modernas, funcionando como um ‘hub’ de acesso a servidores comerciais  em streaming: Tidal, Spotify, Napster, etc.) via Ethernet, Apple Air Play  e Bluetooth (apenas SBC codec); locais (NAS, discos rígidos e pens) via USB, até 11,2Mhz ( 4 x DSD) e 384kHz/32-bit PCM; Internet Radio (Tune In) e outras ligações mais convencionais, como SPDIF (óptica e coaxial, até respectivamente 96kHz e 192kHz 24 bit), com operação partilhada entre as teclas do painel frontal, o controlo remoto e a aplicação HEOS (gratuita), que dispensa o Bluetooth, a não ser que só tenha música armazenada no telefone.

Por este preço, alguma coisa teve de ficar para trás, interroga-se o leitor. E ficou, claro: o transporte do ND8006 não é compatível com SACD, como o do Ruby, por exemplo. É o único aspecto em que o ND8006 herdou algo de um modelo abaixo, o transporte do ND6006, e não dos modelos de qualidade audiófila, que lhe estão acima na hierarquia Marantz.

O transporte é de boa qualidade com uma gaveta de abertura suave e é compatível com CD e CD-R, nos quais tenha gravado todo o tipo de ficheiros do MP3 ao WMA e AAC e, claro, Red Book.

Mas pense bem. Enquanto consumidor moderno, o que mais lhe interessa: o SACD ou o acesso directo ao streaming da Tidal e da Spotify, que o ‘Ruby’ não lhe pode dar?

Quantos SACD tem na sua colecção? Dez, vinte? Menos, talvez. Aposto que são todos híbridos, portanto também podem ser reproduzidos pelo ND8006; isto, além das centenas de CDs, que até agora estavam na prateleira a apanhar pó, enquanto ouvia diariamente algumas dezenas de faixas sortidas das dezenas de milhões disponíveis online. O futuro da música é o streaming ou, se preferir, a música desmaterializada, sem suporte físico, de que o ND8006 é um reprodutor de transição, pois suporta ambos os formatos.

Telemóvel ou implante cerebral?

Há mais de 20 anos, escrevi um artigo na revista Audio, onde profetizava que um dia todos teríamos um implante para receber a música de um servidor universal directamente ligado no cérebro. O único problema era que, nesse ‘Admirável Mundo Novo’, não era possível desligar as emissões de rádio da emissora do Estado…

Será que é aí que nos vai levar o 5G: à substituição do telemóvel pelo futuro implante celular para reduzir a pegada carbónica das baterias de lítio? E não estão já hoje os jovens permanentemente ligados: nas redes sociais, nos jogos, na música? O que antes era do domínio da ficção científica é hoje cada vez mais uma realidade.

Back To Earth

Voltemos à Terra e ao Marantz ND8006. Então e a performance, a qualidade do som, em relação ao ‘Ruby’? quer saber o leitor.

Seria demagógico afirmar que um CD/SACD reproduzido pelo ‘Ruby’, que faz upsampling para 4 X DSD por default, não tem diferença do mesmo CD/SACD (híbrido) tocado no ND8006.

Tem, claro, é por isso que o ‘Ruby’ custa 4 X mais. Eu creio que o ND8006 também faz upsampling (e, já agora, downsampling) para PCM 192kHz. Mas isso é irrelevante, pois o circuito analógico limita a resposta de saída aos -3dB 50kHz. O que importa é o resultado final, aquilo que se ouve e como se ouve. Se é que alguém ouve alguma coisa acima de 20kH. Talvez o seu cão de companhia.

A reprodução de ficheiros de alta resolução via USB-B é igualmente boa. Embora eu esteja a escrever de memória, pois não tenho aqui o ‘Ruby’ para comparar, não me atreveria a pôr a-cabeça-no-cepo, num teste cego, tal é a qualidade da sua irrepreensível performance. Aliás, com auscultadores não oiço diferença nenhuma. Nas saídas analógicas, noto um pouco menos de definição, sobretudo com o Filter 2, que é mais ‘redondo’.

MQA só o da Tidal

Com o ND8006, posso ouvir também a Tidal (e Spotify) sem necessidade de recorrer a um computador. Basta um telefone com a aplicação HEOS. Os Marantz não são compatíveis com MQA – nenhum deles. Mas pode (e deve) configurar a App HEOS , na esperança de que a Tidal esteja a fazer o primeiro desdobramento (unfolding), porque nunca vai aparecer no visor a certificação MQA.

Notas de prova

O ND8006 apresenta a música com a mesma doçura e riqueza harmónica do ‘Ruby’, com um som sobre o quente, boa reprodução da ambiência (a natural e a electrónica) e uma imagem correcta sem exageros de ‘dimensionalidade’ em qualquer dos eixos, o que é notável a este nível de preço, dando primazia à floresta sem ignorar a árvore.

O ‘Ruby’ tem um som mais sólido e estável, como o de um motor com mais ‘torque’. You get what you pay for, dizem os anglosaxões. E eu concordo (leia o meu teste do duo ‘KI Ruby).

Esta característica de favorecer o todo em detrimento das partes, é comum a todas as fontes, com especial incidência na reprodução de CDs, que é sempre agradável e musical, aconchegante mesmo, mas algo homogénea na apresentação.

Com streaming temos as variáveis da qualidade na origem (Spotify) e da ligação. A Tidal portou-se à altura das minhas expectativas, embora sem a compatibilidade MQA.

Na função USB-DAC, como ficheiros de alta e muito alta resolução, o ND8006 mostrou estar ao nível dos melhores, merecendo assim a nossa recomendação para quem procura uma transição pacífica do suporte físico (CD) para a música desmaterializada (ficheiros áudio e streaming).

Nota: a função HEOS multiroom e a activação por voz (Alexa e Google Assistant) não foram testadas.

Para mais informações:

Imacustica

Sarte Audio Elite

Marantz ND8006 front cover

Marantz ND 8006 apresenta-se vestido de preto e prata

O ND8006 é compatível com PCM352kHz, como se prova com esta foto.

O ND8006 é compatível com DSD256 (11, 2MHz), como se prova com esta foto.

ND 8006 - painel traseiro

Mestre Ken Ishiwata com o duo KI Ruby. Foi bonita a festa, pá! Nos 40 anos que durou...