Reviews Testes

Kii Three - a conta que Deus fez

DSCF0496 copy.jpg

Comecei a escrever esta análise cerca de três semanas depois de ter ouvido as Kii Three pela última vez, tendo metido uns dias de férias de permeio. Que o som das ‘Three’ continue tão fresco na minha memória como os banhos de mar em Tróia, é o primeiro sinal de que estamos perante algo de especial.

De facto, no curto período que vivi com elas, as ‘Three’ reconciliaram-me com as audições prolongadas de todos os tipos de música e sempre com a mesma qualidade, ou seja sem as variações impostas pela acústica da sala, ou pela proximidade das paredes.

…o som das ‘Three’ continua tão fresco na minha memória como os banhos de mar em Tróia…

Neste aspecto, são como o Nespresso. Há quem diga que não se compara com uma verdadeira ‘bica’, ou ‘cimbalino’, como se diz no Porto, mas também nunca vem com borras ou sabe a queimado, pois sai sempre à mesma temperatura e pressão. E, tal como os discos, o sabor varia apenas com a origem do café, nunca devido a factores externos. Cada disco seu paladar. Repeti faixas de discos várias vezes e soaram-me sempre igual – ou seja, bem!

Aliás, as Kii Three trouxeram-me à memória os bons tempos das Sonus faber Extrema (as originais), alimentadas por Krells KSA 150, sobretudo no ataque e definição do grave, com limitações na extensão mas sem falta de tensão e ‘intenção’, e uma projecção e limpeza da gama média de cortar a respiração.

…as Kii Three trouxeram-me à memória os bons tempos das Sonus faber Extrema…

Mas comecemos pelo princípio.

Kii THREE

Ouvi-as pela primeira vez no audioshow 2018, fazendo a primeira parte do concerto da Gryphon Kodo, na sala da Ultimate Audio, e fiquei logo de ouvido atento. Assim, o sucesso que tiveram não me surpreendeu. Depois, voltei a ouvi-las agora já num dos auditórios da UAE.

Recentemente, voltei a ouvi-las em Munique, no Highend 2018, na sala da Innuos, aqui na versão artilhada com BXT, um módulo que substitui activamente – é o termo correcto – as bases, pois são compostas por 8-woofers adicionais cada e respectivos amplificadores, aumentando a potência para os 7KW e o preço para os 30 mil euros!...

As Kii Three montadas sobre os módulos BXT, na sala da Innuos, no Highend 2018, Munique

As Kii Three montadas sobre os módulos BXT, na sala da Innuos, no Highend 2018, Munique

O módulo BXT ainda não estava disponível, pelo que a UAE enviou-me para teste o mesmo modelo apresentado no audioshow, cujo preço é de cerca de 13 mil euros, não incluindo o controlador (€1550) e as bases (€990 cada).

O preço pode parecer elevado para um monitor compacto de uma marca desconhecida. Contudo, se considerarmos que cada coluna tem seis altifalantes e respectivos amplificadores digitais NCore ( 6 x 250W), conversores internos A/D e D/A compatíveis com PCM 384 e DSD128 e sofisticado DSP com controlo de volume, filtros divisores, igualização e alinhamento de fase, o pacote total torna-se muito atractivo. É só fazer as contas.

Sobretudo se pensarmos que também dispensa o investimento em cabos (utiliza apenas cabo USB e de rede CAT5, que são baratos) e no tratamento da sala: são imunes à proximidade das paredes e não excitam os modos de ressonância.

Uma coluna inteligente para os tempos modernos

O que distingue as Kii Three de umas monitoras compactas convencionais? Tudo. Só precisa de as ligar a uma fonte, um PC portátil, por exemplo, com cabo USB, via controlador, e este a uma das colunas por cabo de rede. Depois, liga esta coluna à outra também por cabo de rede, e já está! Claro que tem de ligar ambas as colunas à corrente de sector, pois os amplificadores e DACs internos precisam de energia. Um dia virão com baterias de lítio como os carros…

Mas qual é a novidade? O que há mais no mercado são colunas activas e muitas nem de cabos de rede precisam, utilizam Bluetooth ou outro protocolo wifi, e custam um décimo (ou menos). Pois, eu sei. É preciso ouvir para perceber. Foi o que eu fiz. E o que você, caro leitor, devia fazer também.

O que as distingue é: ciência aplicada. Na forma e no conteúdo. Na forma são concebidas com uma verdadeira ‘point source’, com os altifalantes frontais e laterais alinhados num ponto interno comum. Isso garante à partida o alinhamento de fase geométrica. E se lhe lembram as Blade é porque os altifalantes e a estrutura que os suporta têm origem na… KEF.

…o que as distingue é: ciência aplicada, na forma e no conteúdo…

Então e os dois woofers traseiros? Também estão alinhados geometricamente? Não, claro. É aqui que entra o ‘conteúdo’. E o génio de Bruno Putzeys, o criador da Hypex/NCore e presidente da Mola Mola, e o engenho de Bart van den Laan.

Juntos criaram um algoritmo de processamento interno (Active Wave Focusing Filter) que controla de forma tão precisa e científica cada um das unidades: do tweeter ao médio e aos woofers laterais e traseiros, tanto no domínio da frequência como no domínio temporal, que a Kii Three é a primeira coluna activa do mundo capaz de reproduzir uma onda quadrada perfeita.

OK, pronto, mas música são ondas sinusoidais, não são ondas quadradas. Sim, mas uma resposta impulsiva perfeita de todos os altifalantes simultaneamente significa coerência temporal e de fase que se traduz na audição por imagens bem focadas, ultra definidas e recortadas, que conferem uma sensação de presença e realismo fora do comum.

Há quem o tente fazer também com bons resultados alinhando os altifalantes no baffle frontal milimetricamente. Ora, com altifalantes apontados para todos os lados, isso só é possível por processamento digital.

Alinhando a resposta temporal (as unidades frontais sofrem um atraso de milissegundos em relação às laterais e traseiras), obtém-se uma resposta polar do tipo cardióide, ou em forma de coração, mais ampla para a frente e de direccionalidade (e nível de sinal) reduzida para os lados e para trás.

E esta ‘direccionalidade’ em função da resposta polar pode depois ser afinada (fine tuned) em 16 passos na função ‘Boundary EQ’ para melhor adaptação da distância às paredes (Wall) e cantos (Corner), que pode ir até um mínimo de 8 cm sem provocar ‘boom’. É como um carro de tracção às 4-rodas: o selector permite optar por mais tracção à frente que atrás…

A função ‘Contour/Tone’ regula a resposta em frequência. Por default as frequências de partida centram-se nos 300Hz e 3kHz. Mas podemos seleccionar qualquer ‘prateleira’ (shelf). Comecei por ‘cortar’ 2dB acima dos 10kHz, mas depois optei por tudo flat.

Os botões na base traseira das colunas são demasiado pequenos e nada práticos. O melhor é utilizar as funções do controlador (ver galeria com fotos das várias funções disponíveis. De notar que o controlador desactiva automaticamente qualquer função previamente seleccionada nos botões.

Os botões na base traseira das colunas são demasiado pequenos e nada práticos. O melhor é utilizar as funções do controlador (ver galeria com fotos das várias funções disponíveis. De notar que o controlador desactiva automaticamente qualquer função previamente seleccionada nos botões.

Tudo sob controlo

O controlador da Kii Three é essencial para tirar das colunas o melhor partido. Liga-se às colunas por cabo de rede CAT5. Uma versão sem fios está na forja. Ver fotos de todas as funções na Galeria Fotográfica no final do artigo.

O controlador da Kii Three é essencial para tirar das colunas o melhor partido. Liga-se às colunas por cabo de rede CAT5. Uma versão sem fios está na forja. Ver fotos de todas as funções na Galeria Fotográfica no final do artigo.

Além da óbvia função de controlar o volume (ao princípio não parece nada óbvia, pois é preciso rodar até pelo menos 40 para se começar a ouvir qualquer coisa) e de seleccionar as fontes (eu usei exclusivamente USB) há duas funções que vai utilizar muitas vezes:

- Polarity/True para fase absoluta ou Inversion

Polarity: true ou inversion? Há quem diga que não se ouve diferença nenhuma, mas depende sobretudo de como o disco ou a mistura foi feita em estúdio. Quanto melhor é a linearidade de fase das colunas, como é o caso aqui, mais óbvia é a diferença absoluta/relativa, sobretudo nas vozes solistas.

Polarity: true ou inversion? Há quem diga que não se ouve diferença nenhuma, mas depende sobretudo de como o disco ou a mistura foi feita em estúdio. Quanto melhor é a linearidade de fase das colunas, como é o caso aqui, mais óbvia é a diferença absoluta/relativa, sobretudo nas vozes solistas.

E ainda as seguintes variantes menos habituais: Swap (troca os canais L-R); Side L-R (duplo mono, óptimo para posicionar as colunas e verificar se o som está bem centrado, o que nem sempre é possível em estéreo). Nota: ver galeria de fotos do comando.

- Latency, ou atraso/latência

A linearidade de fase de todas as unidades é obtida, como já vimos, por meio do atraso temporal da emissão das unidades da frente, que ‘esperam’ pela chegada do sinal das unidades laterais e traseiras e dos reflexos secundários produzidos pelas paredes e/ou cantos.

Por default a latência da Phase/Exact é de 90 milisegundos mas pode variar. Esta latência garante a precisão temporal de fase, mas tem o inconveniente de se perder a sincronização das vozes, no caso de um vídeo.

Podemos assim optar por Minimum Latency, e ajustar a ‘frame delay’ em milissegundos ou microssegundos. Neste modo, os graves abaixo de 40Hz perdem o ajuste temporal.

Um, dois, três, diga lá outra vez

As ‘Three’ podem receber directamente sinais digitais ou analógicos por meio de uma ficha XLR, tendo um pequeno comutador para seleccionar digital/analógico. De notar que os sinais analógicos são redigitalizados *, pois todo o funcionamento interno é de base DSP.

*…all digital inputs are re-sampled and reclocked using Kii’s own jitter rejection algorithm…

Neste caso, pode utilizar, por exemplo, um leitor-CD Oppo com saída AES-EBU e controlo de volume interno. Mas é pouco prático. O ideal é comprar também o controlador.

Assim, todas as audições foram efectuadas com recurso ao controlador, com a entrada USB seleccionada e um PC Asus como fonte de streaming da Tidal e a app da JRiver para os ficheiros de alta resolução *.

*Nota: as Kii Three são compatíveis com todo o tipo de ficheiros DSD (até 128) e PCM (até 384kHz). Mas a drive instalada e aquela a que tive acesso posteriormente era Wasapi e não Asio, pelo que todos os ficheiros DSD foram reproduzidos em PCM 176,4kHz.

Logo que liguei o PC, este reconheceu as Kii Three e não foi preciso instalar qualquer drive. Contudo, depois de um dos malfadados Windows 10 upgrades, o PC deixou de reconhecer as Kii Three, e tive de instalar a drive disponível na internet no site da Kii.

Análise auditiva

Já que estamos em tempo de campeonato do mundo, permitam-me algumas analogias futebolísticas: as Kii Three não são um conjunto de individualidades, são uma equipa muito coesa e entrosada, com excelente ligação entre linhas e uma estrutura montada sobre a defesa, ou seja, o grave, que é rápido a responder, faz ‘cortes’ limpos e jogadas de notável recorte técnico e não se deixa afectar pelo ‘ambiente’, mantendo-se sempre imperturbável.

…as Kii Three não são um conjunto de individualidades, são uma equipa muito coesa e entrosada…

O meio-campo tem uma presença, claridade e transparência e, sobretudo, uma coerência e precisão de ‘passe’ ao nível das melhores colunas monitoras do mundo.

O ataque, leia-se, o agudo, podia ter um pouco mais de extensão mas tem a vantagem de não chamar muito a atenção para si, e acaba por marcar sempre, pois convence o público com todos os géneros musicais.

No modo Phase/Exact o som é de uma precisão ‘científica’ – eu não disse analítica: os 6-altifalantes soam como uma só unidade de banda larga. Passando para 4-3-3, perdão, Minimum Latency, perde-se um pouco o foco da gama média, sobretudo as vozes e os solistas; e a tensão e recorte do grave (abaixo dos 40Hz). Mas o som continua excelente e, quiçá, mais musical e relaxado se bem que menos focado.

Ouvir música com as Kii Three não é apenas um prazer, é algo de entusiasmante, excitante mesmo.

Tanto que talvez me tenha excedido no volume, ao ouvir uma colectânea dos Supertramp a níveis de concerto ao vivo, e o sistema de protecção desligou as colunas, que ficaram mornas durante algum tempo.

…ouvir música com as Kii Three não é apenas um prazer, é algo de entusiasmante, excitante mesmo…

Foi preciso fazer um intervalo para as deixar arrefecer – elas e eu -  e depois tudo voltou ao normal. Com uma diferença, activei o ‘Limiter Indicator’ para ser previamente avisado pelo respectivo led para levantar o pé do pedal antes de bater…

As Kii Three levam – de mim e para mim – uma forte recomendação. Para si também. Não gostei só de as ouvir, gostava de ter um par. Para mim.



x
Latency - Phase - Exact.jpg
Main Menu - Seleccionar Master Channel LEFT ou RIGHT.jpg
Phase Minimum Latency.jpg
Polarity  Inverse.jpg
Polarity  Side R_L.jpg
Polarity _ True (fase absoluta).jpg
Polarity Swap L-R (troca de canais).jpg

Latency - Phase - Exact.jpg

Latency Phase Exact

Main Menu - Seleccionar Master Channel LEFT ou RIGHT.jpg

Main Menu Seleccionar Master Channel LEFT ou RIGHT

Phase Minimum Latency.jpg

Phase Minimum Latency

Polarity  Inverse.jpg

Polarity Inverse

Polarity  Side R_L.jpg

Polarity Side R L

Polarity _ True (fase absoluta).jpg

Polarity True (fase absoluta)

Polarity Swap L-R (troca de canais).jpg

Polarity Swap L R (troca de canais)

DSCF0496 copy

As Kii Three montadas sobre os módulos BXT, na sala da Innuos, no Highend 2018, Munique

Os botões na base traseira das colunas são demasiado pequenos e nada práticos. O melhor é utilizar as funções do controlador (ver galeria com fotos das várias funções disponíveis. De notar que o controlador desactiva automaticamente qualquer função previamente seleccionada nos botões.

O controlador da Kii Three é essencial para tirar das colunas o melhor partido. Liga-se às colunas por cabo de rede CAT5. Uma versão sem fios está na forja. Ver fotos de todas as funções na Galeria Fotográfica no final do artigo.

Polarity: true ou inversion? Há quem diga que não se ouve diferença nenhuma, mas depende sobretudo de como o disco ou a mistura foi feita em estúdio. Quanto melhor é a linearidade de fase das colunas, como é o caso aqui, mais óbvia é a diferença absoluta/relativa, sobretudo nas vozes solistas.

Latency Phase Exact

Main Menu Seleccionar Master Channel LEFT ou RIGHT

Phase Minimum Latency

Polarity Inverse

Polarity Side R L

Polarity True (fase absoluta)

Polarity Swap L R (troca de canais)