Reviews Testes

iFI Pro iDSD, o CR7 do DSD

DSCF0013 copy.jpg

iFI Audio did it again! O Pro iDSD é o casamento entre um amplificador de auscultadores híbrido (transístores/válvulas) e um DAC, a que se juntou um streamer. Digamos que é um iCAN Pro com um enorme coração digital. Tudo por apenas €2.750…

…as especificações digitais são assombrosas a este nível de preço… tudo por apenas €2 750…

As especificações digitais são assombrosas a este nível de preço. E não me refiro apenas ao facto de reproduzir ficheiros DSD1024 nativos a 49.152Mhz! Até porque eles não existem no mercado. Talvez porque ocupam demasiado espaço. Será resolução a mais? Seja o leitor o juiz.

O Pro iDSD resolve-lhe o problema ao ‘remasterizar’ para DSD 512/1024 em tempo real todos os seus ficheiros via SPDIF, AES-EBU, USB e Ethernet, sem qualquer tipo de filtragem (Bit Perfect), ou com aplicação de filtros: Minimum Phase, Apodising e Gibbs Transient Optimised. Em alternativa pode optar pelo upsampling por default para 705kHz.

Filtro apodising  de 128 coeficientes (filtragem e ondulação moderada).

Filtro apodising de 128 coeficientes (filtragem e ondulação moderada).

E assim já não precisa de ter armazenados permanentemente terabytes de ficheiros de alta resolução. Basta guardar o original e ‘remasterizá-lo’ sempre que lhe apetecer no acto de audição.

PCM original a 44kHz Bit Perfect (sem filtragem digital)

PCM original a 44kHz Bit Perfect (sem filtragem digital)

Se preferir manter-se em território PCM, o Pro iDSD toca os seus ficheiros sem lhes ‘tocar’, passe a aparente contradição, reproduzindo o ficheiro na resolução nativa (Bit Perfect) entre 44 (CD) e 384/768kHz (DXD).

Filtro Gibbs com upsampling a 705kHz por default

Filtro Gibbs com upsampling a 705kHz por default

Ou faz ‘upsampling’ automático para 705kHz com os restantes filtros, mostrando sempre também no visor a resolução original como referência.

DSD 1024 a 45MHz. Uff, até onde vai isto parar?...

DSD 1024 a 45MHz. Uff, até onde vai isto parar?...

Só isto já coloca o Pro iDSD num campeonato à parte, onde muito poucos participam, independentemente do preço. Aliás, assim de repente, não me lembro de nenhum, nem os MSB e dCS de 100 mil euros chegam a DSD1024, creio…

Mas o Pro iDSD vai ainda mais longe ao oferecer a possibilidade de ligar um relógio atómico externo (dupla ficha BNC sync), algo de impensável num produto, digamos, comprável. Não que precise, pois utiliza um relógio Femto interno, praticamente isento de jitter.

…só a função de DAC já justifica substancialmente o preço…

Portanto, só a função de DAC já justifica substancialmente o preço: utiliza 8 DACs (quad-core) da Burr Brown e um circuito Crysopeia FPGA exclusivamente para a filtragem digital e a remasterização PCM-DSD.

iFI Audio iCAN Pro, amplificador de auscultadores  dedicado de topo (sem DAC)

iFI Audio iCAN Pro, amplificador de auscultadores dedicado de topo (sem DAC)

Ora, a iFI Audio decidiu juntar também no mesmo chassis uma versão light do iCAN Pro: um amplificador híbrido transístores/válvulas, cujo teste podem ler em inglês, numa review que publiquei na revista HIFI Critic em 2016. Está lá tudo bem explicado. Abra o pdf aqui ou no final do artigo se pretende continuar a ler sobre o Pro iDSD.

Tudo (ou quase) o que escrevi sobre o iCAN se aplica, portanto, ao Pro iDSD, na sua nobre função de amplificador de auscultadores, aliás vem até montado na mesma caixa (ver foto), na qual a ficha balanceada XLR-4 pin, entre outras, foi substituída (hélas, fazia-me jeito para os meus Hifiman HE1000) pelo mostrador OLED, mantendo-se as fichas single-ended do tipo jack de 6,5 e 3,5 mm e uma balanceada de 2,5mm para a qual não disponho de cabo adequado.

O Pro iDSD também dispensou os modos XBass e 3D Holographic Sound (ver teste do iCAN). Não vem daí mal ao mundo. O que nos dá a mais compensa em alta o pouco que nos tira.

…e o que nos dá ele a mais, além do DAC? a função de Streamer, que hoje já ninguém dispensa…

E o que nos dá ele a mais, além das especificações assombrosas do DAC e do amplificador híbrido?

A função de Streamer, que hoje já ninguém dispensa. Ligue-o ao seu NAS (Network Attached Storage), à rede por meio de cabo CAT5, ou via Wi-Fi com a antena fornecida, instale a App MUZO Player (descarregamento grátis na Apple Store) e tem acesso imediato às suas subscrições da Spotify, Tidal, Napster, QQ Music e Qobuz.

Como sabem, eu sou adepto da Tidal e da sua vasta oferta de ficheiros MQA que, alegadamente*, o Pro iDSD descodifica integralmente (rendering up to 384kHz). Mas só o facto de poder ouvir a Tidal em DSD1024 ou PCM 705kHz já é motivo de espanto audiófilo.

Embalagem o iDSD Pro onde se anuncia a compatibilidade MQA

Embalagem o iDSD Pro onde se anuncia a compatibilidade MQA

*Nota:

Embora na caixa o Pro iDSD seja apresentado como MQA-ready, a verdade é que, depois de várias tentativas goradas, fui informado pela iFI Audio de que o firmware 5.30 foi criado para o Micro iDSD BL. O Pro iDSD precisa de um firmware específico que ainda não está finalizado pelo que farei um follow –up, logo que tenha oportunidade de o testar com MQA.

Tanto quanto percebi, o filtro MQA, quando instalado, actua mesmo sobre ficheiros não-MQA aplicando oversampling. Ora a iFI está ainda a estudar a forma de os ficheiros não-MQA não passarem pelo filtro MQA. Uma boa notícia que aguarda confirmação para breve.

…o preço a pagar é baixo face à imensidão de ‘propostas’ do menu…

Brincando com o Pro iDSD

O preço a pagar é baixo face à imensidão de ‘propostas’ do menu. É um facto que, tal como as crianças, acabamos por nos cansar de ‘experimentar’ e fixamo-nos na proposta que mais nos agrada. Mas só o caminho da descoberta justifica a compra do Pro iDSD.

Façamos, pois, primeiro o caminho das ‘pedrinhas’, ou melhor, dos botões e das luzes (ver foto do painel frontal):

- Quando pressiona o botão de power/ligar o logo iFI Pro ilumina-se de vermelho, pisca em verde durante os segundos de aquecimento e fixa-se depois na cor branco-magenta (transístores) ou âmbar-laranja (válvulas); o selector do circuito híbrido do primeiro andar de ganho fica por baixo do botão rotativo mais pequeno;

- O botão rotativo grande (à esquerda) tem a função de selector de fontes e, quando pressionado, regula duas outras funções: a iluminação do visor e a polaridade original/inverted;

- O botão rotativo pequeno fia mais fino na utilização. Se rodado, selecciona os filtros digitais (ver acima); se pressionado acciona a remasterização DSD 512/1024; se pressionado durante mais tempo acciona a busca WPS (Wi-Fi) e ouve-se uma menina a dizer : searching for wifi connection/ou failed to connect que foi o meu caso.

Tudo isto parece óbvio mas não é e exige alguma habituação até se apanhar o jeito. Digamos que a rotação funciona melhor que a pressão.

Do lado direito, temos o selector de ganho. Com auscultadores convencionais, pode/deve manter na posição 0; com planar magnéticos opte por 9 ou mesmo 18dB. Cuidado: antes de ligar os auscultadores, comece sempre por 0.

O botão de volume é accionado manualmente ou com o controlo de volume. Quando se desliga o Pro iDSD, o botão roda automaticamente para o mínimo e quando se liga volta à última posição utilizada, o que é bom para não ‘queimar’ auscultadores.

iDSD Pro painel traseiro muito completo

iDSD Pro painel traseiro muito completo

Nota:

Se pretender ligar o Pro iDSD a um prévio (fixed) ou amplificador (variable) externo, por meio de cabos balanceados, regule o parafuso no painel traseiro para HIFI (4,6V). Na posição PRO, a tensão de saída é demasiado elevada (11,2V) para uso doméstico.

Cada cor seu paladar

O pequeno (e teimoso) comutador selecciona o modo de funcionamento a transístores/válvulas

O pequeno (e teimoso) comutador selecciona o modo de funcionamento a transístores/válvulas

Aposto que a sua primeira experiência vai ser estabelecer qual soa melhor: amplificação a transístores ou válvulas. Assim, não resisto a fazer copy paste de um excerto da minha review sobre o Pro iCAN para lhe facilitar a vida, embora aconselhe a que seja lida na integra aqui:

‘iFi’s Pro iCan includes choice of a tube/valve or a solid state (J-FET) input stage circuit, leading to a bi-polar second stage, and a DC-coupled MOSFET buered bi-polar Class A power stage (Class AB with low impedance headphones at high levels). The LED-illuminated logo will change from white (the J-FET alternative input) to amber (tube/valve). The same logo also blinks green during warm-up when you initially switch the power on, and then turns red before stabilising on the selected operating mode; ‘tube+’ is a lower gain and feedback option for ‘tube’. At rst all the modes sounded vanilla, but after 50 hours or so the dierences became more discernible: ‘tube’ adding a little ‘chocolate’ and ‘tube+’ a touch of delicious ‘caramel brulée’. ‘Solid state’ sounded more neutral, lively and dynamic; ‘tube’ was more liquid and transparent, with a slightly laid back midrange, more high frequency information and better bass; ‘tube+’ sounded warmer, rounder with an uncanny sense of presence and a surprisingly extended and articulate bass, despite less available loudness.’

                     In HIFICRITIC JUL /AUG SEPT 2016 all rights reserved

Resta dizer que, desta vez, optei pela posição central ‘Tube’, por a considerar o melhor compromisso entre definição e transparência.

Segue-se a escolha do filtro digital que mais lhe agrada. Sou sincero: embora num osciloscópio as diferenças, sobretudo na ondulação (ringing) antes (pre) e depois (post) do sinal seja por certo visível, na audição a diferença é mínima.

Na dúvida, deixe ficar em Bit Perfect, oiça música e esqueça. Se optar pelo upsampling, o filtro Minimum Phase é o mais ‘neutro’, Apodising parece ‘abrir’ o palco.  

Gibbs Transient Optimised (ver foto acima) é o mais coeso e o que confere melhor sentido rítmico. No final, adoptei o Gibbs como o melhor compromisso, talvez porque tem o maior índice de coeficientes (16 384) e o máximo de filtragem - mas também de 'ringing'.

O iDSD Pro permite 'remasterizar' qualquer ficheiro de qualquer resolução até um máximo de DSD1024 a 45Mhz!

O iDSD Pro permite 'remasterizar' qualquer ficheiro de qualquer resolução até um máximo de DSD1024 a 45Mhz!

Finalmente, a ‘remasterização DSD’. A tentação é de ir logo para DSD1024 a 45Mhz, e pronto. Eu aconselho a que passe algum tempo a DSD512. Pode ter uma agradável surpresa. Atenção; quanto mais alta a resolução em DSD mais baixo é o nível de sinal. Compense para comparar.

…a remasterização DSD não vai transformar a Maria Leal na Diana Krall…

A remasterização DSD não vai transformar a Maria Leal na Diana Krall. Embora ambas se apresentem loiras, só uma é genuína. O mesmo acontece com os ficheiros digitais: um ficheiro original a 44kHz ‘upsamplado’ para DSD1024 não é o mesmo que um ficheiro DSD nativo. Mas a diferença entre a Leal e a Krall torna-se tão óbvia que dói ainda mais…

E, como dizem os ‘britânicos’: there’s no going back, once you hear DSD1024 you are hooked for life…

Nota: os produtos iFI Audio podem ser comprados online na Smartstores. Ou contacte o distribuidor Smartaudio.

DSCF0013 copy

Filtro apodising de 128 coeficientes (filtragem e ondulação moderada).

PCM original a 44kHz Bit Perfect (sem filtragem digital)

Filtro Gibbs com upsampling a 705kHz por default

DSD 1024 a 45MHz. Uff, até onde vai isto parar?...

iFI Audio iCAN Pro, amplificador de auscultadores dedicado de topo (sem DAC)

Embalagem o iDSD Pro onde se anuncia a compatibilidade MQA

iDSD Pro painel traseiro muito completo

O pequeno (e teimoso) comutador selecciona o modo de funcionamento a transístores/válvulas

O iDSD Pro permite 'remasterizar' qualquer ficheiro de qualquer resolução até um máximo de DSD1024 a 45Mhz!

iFI Audio iCAN Pro, headphone amplifier

Review by JVH published in HIFICRITIC JUL-AUG 2018