Highend 2013 - Munique

Highend 2013: Audições com som ao vivo/auditions with live sound



Le créme de la crème


Diz-se que uma boa imagem vale mais que mil palavras. As fotos que o Hificlube publicou sobre o Highend 2013 são das melhores (e por isso muito solicitadas) da imprensa internacional (os leitores já perceberam que agora basta clicar com o rato sobre a lupa/foto para aumentar a fotografia, e poder assim apreciá-la a 1280/720).


Mas não há nada como 1 minuto de imagem com som para dar elementos válidos para concordar ou discordar com as muitas descrições que já leu sobre o desempenho dos diferentes sistemas.


Nas condições em que são gravados, os videos valem o que valem, por isso devem ser entendidos apenas como mais um elemento de avaliação, cuja decisão final não dispensa uma visita ao distribuidor nacional, quando ele existe, ou então acreditar na sorte, como quem visita um vidente antes de um investimento, e encomendar no escuro...


O Hificlube tentou que a presente amostragem fosse o mais abrangente possível. Há, como é óbvio lacunas, não só porque havia centenas de sistemas em demonstração, mas também, porque nem sempre estavam a tocar, no momento mais oportuno e nas melhores condições de captação (muito falam os alemães, chiça!...).


Para este trabalho hercúleo (+ de 40 videos), optámos pela Vimeo, em detrimento do You Tube, porque tem uma qualidade média de imagem e som superior.


Numa primeira fase, os videos são todos 'privados' (só podem ser visionados no Hificlube.net), mas os nossos distribuidores/anunciantes podem solicitar-nos o código para 'embeber' nas sua próprias páginas.


Em caso de qualquer dificuldade no visionamento, agradecemos os comentários dos leitores na página do Hificlube.


Optámos por uma resolução de 720p, e não a habitual 1080p, para não sobrecarregar os computadores mais lentos. Sugerimos a audição com um bom par de auscultadores, de preferência ligado a um bom DAC/amplificador.


A divulgação dos videos, inicia-se por 13 sistemas (para dar sorte!...), que, neste contexto específico, agradaram especialmente a JVH, compostos todos por alguns componentes com distribuição oficial em Portugal, por ordem alfabética, e alguns comentários breves.


Os leitores (e os distribuidores) são livres de dar a sua opinião e discordar ou concordar, quer tenham lá estado ao vivo, quer se baseiem apenas no que ouvem aqui, ou até no que um ou outro guru resolveu escrever na internet.

ASR/Monitor Audio


As 'velhinhas' Platinum 300 ganharam vida com a amplificação ASR. Em princípio, era apenas o Emitter II Exclusive, mas o controlo, projecção, ataque e perfeita definição do decay sugerem que foi utilizada a nova PSU a baterias.

Ayon


Fiz dois registos em dias diferentes. Optei por vos apresentar os dois. O segundo  registo foi obtido no Domingo, com pouca gente e os sistemas já quentinhos.


No primeiro registo, sente-se ainda alguma sibilância e o som ainda está desgarrado. Reparem depois na filigrana de detalhe e no requinte acústico da ambiência e do recorte da percussão facultado ao ouvinte pela tecnologia do vácuo dos fabulosos amplificadores Vulcan, no segundo registo. Nota: a tosse e o pigarreio não estão no disco, são mesmo reais...

Avantgarde


Acreditem que cheguei a ir lá encostar o ouvido para ter a certeza que eram as pequenas Zero 1 activas (com DAC e DSP integrado), e não as Trio, que estavam a tocar. Esta é a 'corneta' mais discreta e pequena de sempre da escuderia Avantgarde, e justifica uma audição atenta. Basta ligar uma boa fonte digital...

Chord/Dynaudio


São duas marcas que primam pela precisão e pela neutralidade. Normalmente, perde-se alguma 'musicalidade' nestes casamentos. Não foi o caso: o ritmo era contagiante e o controlo da secção rítmica total. Excelente definição e dicção perfeita, sem que o brilho próprio do registo descambasse em sibilância ou estridência.

Constellation/TAD


Um dos grandes sons de qualidade do Highend 2013. As TAD dão-se melhor com a sua própria amplificação. Mas os Constellation são um caso à parte no panorama da reprodução sonora actual. Estes serão talvez os amplificadores de estado sólido com o som mais...eh... líquido!

Estelon/Vitus


As colunas Estelon XA têm as curvas mais sensuais do mercado audiófilo. E depois, não são só um palminho de cara com pele acetinada. São coerentes, musicais e correctas na apresentação de todos os tipos de música e instrumentos. Uma coluna diferente com um som de excepção.

Focal/Soulution


Embora em Portugal, tenham distribuidores diferentes, respectivamente a TopAudio e a Ajasom, a Focal e a Soulution actuam normalmente juntas em Munique. Este foi de longe o melhor espectáculo deste duo de excelência, pautando-se como forte candidato a um dos melhores sons do Highend 2013.


A reprodução do decay era mesmerizing (vão ao dicionário se não sabem o significado...).

Magico/Spectral


A S5 é, já o afirmei, a minha coluna preferida da escuderia Magico, aquela que melhor concilia ciência e arte, com um preço quase razoável se considerarmos as colunas da série Q.


Em Lisboa, tocou muito bem com Constellation, em Munique não se ficou atrás com amplificação Spectral, embora eu já deite o Hugh Masekela pelos olhos, perdão, ouvidos: a projecção, o ataque e o recorte, mesmo a um nível de pressão sonora baixo, era de cortar a respiração...

Nagra/Kharma


Fui lá para ouvir o novo DAC da Nagra (ver Highend 2013: novidades), mas fiquei preso ao sortilégio do som cru (com a distorção típica dos amplificadores de guitarra a válvulas dos anos 60 e tudo) de uma matriz reproduzida por um gravador de bobinas da Nagra. Uau!, rapazes, a sensação de realismo era avassaladora...

Primare/Elac


Quem disse que é preciso gastar uma fortuna para ter um bom som? Os Primare e as Elac provaram exactamente o contrário. Não sendo propriamente material do tipo 'wortem sempre', pelo preço a qualidade oferecida é excepcional.

Rockport/Absolare


O meu coração balança, mas este foi, com elevado grau de probabilidade, o melhor som que ouvi no Highend 2013. As Rockport Altair deixaram-se apaixonar pela doçura transparente das válvulas dos amplificadores Absolare, e eu apaixonei-me com elas.


As válvulas são o que são e, na segunda parte do video, os picos da voz e guitarra de Doug McLeod, colocaram-lhes algumas dificuldades (tanto que até um telemóvel tocou...).


Mas a naturalidade das vozes, mesmo cantando em neerdelandês, obrigaram-me a voltar ao local do crime para ouvir Elvis Presley a cantar Fever. Uff!, até fazia subir a temperatura corporal...

Wilson Audio/Pass Labs


100 000 euros de amplificação de referência da Pass Labs foram desperdiçados a injectar este tipo de música nas minhas amadas Alexia só para impressionar o pagode.


Elas não se deram por achadas e actuaram com o profissionalismo do costume. Tanto comem bacalhau como caviar. Caramba, o grave até arrepiava! Espectacular, sem dúvida, a percussão, e não ao alcance de qualquer coluna de som. Até o pólen das árvores lá fora andava num alvoroço, dentro da sala, junto das Alexia...


Mas, ah que saudades! do meu querido amigo Luís Campos, com a Maria 'rapaz' Gadu, o Ney 'mulher' Matogrosso, e todo o seu portfólio de jazz, música lírica e operática, que nos deixam com pele de galinha...


Ó Luís, da próxima vez vens comigo para substituir este 'nazi do som' (atenção que eu utilizei aspas,não vá a Merkel chumbar a 7ª avaliação...).

YG Acoustics/Qualia


A Sonja 1.3 e 1.2 é definitiva e taxativamente a melhor coluna de sempre da escuderia YG Acoustics. Da sua voz não sai nada que não soe natural, correcto e agradável ao ouvido humano. De ouvir e chorar por mais.


Amplificadas por electrónica exclusivista da Qualia, soaram absolutamente fabulosas no Highend 2013. Tenho dito.