AUDIOSHOW 2014 - LISBOA

Audioshow 2014 - Lisboa - Parte 3 - Episodio 1

Rune Skov, da Nordost: um nórdico muito meridional...

Todas as gravações foram captadas com o mesmo nível, nas diferentes salas e respectivas acústicas, tendo optado pela resolução Red Book (44,1/16). O único processamento posterior é o downsampling para MP3 320kbits/s imposto pela publicação via Internet.


Sugere-se a audição com auscultadores e um bom DAC, com os quais vai poder ouvir curiosos pormenores off stage, como o som da sala ao lado, onde Rune Skov (sempre que pode vem a Portugal) apresentava os cabos Nordost, além de comentários e apartes, vozes, a do Manuel Dias, por exemplo, portas a ranger, o fru-fru de sacos e casacos, e o ruído ambiente típico de um evento como o Audioshow.

Todos os videos são ilustrados com uma sequência das mesmas fotos, sendo que apenas a primeira é diferente e identifica assim a fonte utilizada: CD, LP, fita magnética (Pink Floyd em ensaios).

O sistema completo na Sala Campolina, tal como o microfone o 'viu'

O sistema completo na Sala Campolina, tal como o microfone o 'viu'

Sob o título genérico “JVH na sweet spot, universalmente entendido como o “ponto de escuta ideal”, aqui se inicia o Episódio 1 de uma série de oito.


Para poder garantir um lugar na “central”, entrámos pela porta do cavalo, na Sala Campolino (cavalariças), onde a Imacústica apresentou e demonstrou uma novidade absoluta:

GS Pre, o parceiro ideal para o GS 150 (design by Livio Cucuzza)

GS Pre, o parceiro ideal para o GS 150 (design by Livio Cucuzza)

Audio Research GS150: tradição inovadora

Audio Research GS150: tradição inovadora

Audio Research GS Pre/150, com um novo design da autoria de Livio Cucuzza, atacando um par das elegantes Sonus Faber Lilium, do mesmo designer.


Nota: JVH está a trabalhar num projecto internacional secreto com os Audio Research GS Pre/150. Em breve, o mistério será divulgado.

Metronome Calypso: la belle française

Metronome Calypso: la belle française

Na linha da frente, o transporte Calypso e os restantes componentes digitais de referência da Metronome.

Os mestres de cerimónias foram, como habitualmente, Luís Campos, que serviu os pratos digitais; e Guilhermino Pereira aos comandos de um gira-discos Air Force Two, que teve a amabilidade de colocar um LP em mau estado a meu pedido, que afugentou de imediato um casal que estava sentado ao meu lado: Boris Christoff cantando Boris Godunov, de Mussorgsky. Não sabem o que perderam, mas podem agora ouvir aqui...

Luis Campos reproduziu matrizes raras num Revox Studer

Luis Campos reproduziu matrizes raras num Revox Studer

Como pièce de résistance, um gravador de bobinas profissional Revox Studer, no qual tivemos a grata surpresa (aquele abraço para o Luís Campos) de os visitantes poderem ouvir “jóias raras”, como registos de ensaios de Aretha Franklin e dos Pink Floyd, os verdadeiros, a ensaiar em Abbey Road uma versão unplugged de Wish You Were Here, que vão agora poder ouvir aqui também, com a rara participação de Stephan Grapelli, numa autêntica jam session, que acabou com palmas da plateia – e refiro-me à plateia em Lisboa...


Infelizmente, os leitores não poderão ouvir a participação de Grapelli, porque foi necessário seleccionar apenas um curto excerto, apesar de tudo representativo. Mas poderão dirigir-se à loja da Imacustica-Lisboa, durante esta semana (de 5ª a Sábado) onde vai ser demonstrado um supersistema highend, composto pelas majestosas Magico Q7 e os Constellation Altair 2/Hercules 2, num auditório com excelente acústica.

Rune Skov, da Nordost: um nórdico muito meridional...

O sistema completo na Sala Campolina, tal como o microfone o 'viu'

GS Pre, o parceiro ideal para o GS 150 (design by Livio Cucuzza)

Audio Research GS150: tradição inovadora

Metronome Calypso: la belle française

Luis Campos reproduziu matrizes raras num Revox Studer