2009

Highend 2009_parte 4_inovações E Provocações: Kef Blade, Bluray Pure Audio, E Muito Mais De Ampzilla A Waxia

Highend 2009_parte 4_inovações E Provocações: Kef Blade, Bluray Pure Audio, E Muito Mais De Ampzilla A Waxia







Se tivesse que voltar a seleccionar as principais novidades do Highend 2009, eu diria que já as referi num artigo que publiquei em directo de Munique, intitulado Clássicos Modernos. Se considerarmos que as Wilson Audio Sasha foram apresentadas hors concours, então, além dos Marantz Pearl, do NAD M2 e das surpreendentes KEF Blade, resta-nos o Pure Audio, áudio de alta resolução ( 5-canais a 24-bit 192kHz) em suporte Blu-ray. 



PURE AUDIO BLURAY



 





Assisti à demonstração e trouxe comigo um “sampler” de música clássica que tem a particularidade de ser composto por dois discos: um SACD e um Blu-ray, com as mesmas faixas. Em Munique ouvi duas faixas, tendo registado parcialmente em vídeo (hélas apenas em 2-canais, embora a “ambiência” seja evidente), um excerto da Simple Symphony, op.4, pelos TrondheimSolistene.
 
 

 
Estou como é óbvio desejoso de ter acesso a um dos novos leitores-Universais Blu-Ray/SACD, da Denon ou da Marantz para poder ouvir ambas as versões e comparar.



Mas voltemos às Blade, porque, tal como as Sasha, me apanharam desprevenido, o que não é nada fácil. Normalmente sei das coisas antes de elas acontecerem. Ou estou a ficar velho – uma constação óbvia, basta olhar para o BI, ou para o espelho – ou os meus contactos estão a falhar. Apesar disso consegui registar videos exclusivos de ambas, que já tiverem com o consequência várias contactos internacionais.

KEF BLADE









As Blade são um portento de engenharia electromecância e de arquitectura acústica.





KEF CONCEPT BLADE





Numa caixa elegante, com curvatura parabólica, na qual forma e função se confundem, construída em madeira de balsa, forrada a fibra de carbono impregnada de resinas, normalmente utilizadas nas pranchas de surf profissionais e na aeronáutica, foram montados 4 altifalantes de médio graves, dois de cada lado, em tandem, e um médio-agudo frontal, Uni-Q da 10º geração, de tal forma com os centrods acústicos de todos eles concidam, constituindo o que a KEF chama uma Apparent Single Point Source. O resultado é a imagem estereofónica mais estável e sólida que já ouvi, com os solistas bem focados num mesmo ponto no espaço, mesmo quando abordamos o palco sonoro de diferentes ângulos.







Junto à base de uma das colunas, podia ler-se o seguinte aviso: Not For Sale. Trata-se de um Concept Model, pelo que não há para já garantias de comecialização – o que é pena.


AMPZILLA
 
 






 
Cores garridas para o que dizem ser (nunca ouvi) um amplificador com um som muito natural. O 2000 tem potência de sobra e, dentro do highend americano, pode considerar-se acessível (cerca de 5000 dólares). Foi projectado pelo famoso James Bongiorno originalmente para ser publicado na revista Popular Electronics. Se é um DIY man, mãos à obra. Mas, por favor, mude-lhe as cores...



AUDIOPHYSICS
 
 








Todos os anos aparecem com uma coluna nova. Desta vez foram as Cardeas. Muito bem o som como sempre. Para quem gosta de mitologia grega, Cardeas era a deusa da saúde, protegia as crianças contra o mal. Segundo Ovídio, Cardea tinha o poder de abrir o que estava fechado e fechar o que estava aberto. Estarão a referir-se ao som ou ao mercado?
 
 







E havia um modelo “design” para o gosto alemão, com todas as cores do arco-íris. Demasiado kitsch para o meu gosto.




BACKES&MÜLLER

 







A BM Line 25 apresenta uma curiosa corneta de dispersão cilíndrica para o altifalante de médio-agudos. Soou-me melhor do que é habitual: os agudos ainda não me soam tã oredondos como eu gosto, mas um “cilindro” já é uma boa notícia...

BURMESTER






A famosa marca alemã continua a ter uma exposição profissional e cuidada (muito atenciosos), mas parece ter perdido um pouco a velocidade. Não me refiro ao som, que continua a ser de referência, mas ao facto de já o ano passado terem apresentado as B30, e elas continuarem atrasadas na comercialização. Lá para Setembro, disseram-me. Was ist los?











DALI Motif











Na guerra dos satélites AV, a Dali apresentou algumas soluções que, não sendo originais, respondem às necessidades da maioria das famílias não-audiófilas: modernos, com um design funcional e sólido (estrutura em metal).

DAVIS








Não são inglesas, são francesas. As Karla são constituídas por um módulo superior de duas vias montado numa base com um par de altifalantes em push-pull c/ saída reflex para o exterior.

DENON








O novo trio de ataque da Denon: leitor BluRay/SACD/CD DEV-A1UD, processador AVP-A1HDA  e amplificador AVC-A1HD é o novo flagship da marca. Além do amplificador de 10-canais AVC-A1HDA. Ideal para reproduzir os novos discos áudio puro em suporte Blu-ray 5-ch a 24-bit/192kHz!!


ELAC

 



 

Art Edition. AS FS247 De Stijl são uma homenagem a um grupo de pintores, arquitectos e designers holandeses que revolucionaram a vida artística holandesa, cuja principal filosofia era a clareza de linhas. Havia ainda os modelos Shadow com “tatuagens” de plantas e animais. All very chinese if you ask me... O som continua muito bom, contudo.


GERMAN PHYSICS

 







Mais um dos monstros extraterrestres da série PQ. Muita coluna para tão pouca sala. Um produto estranho com um som interessante.


GRYPHON

 






Já sabem que não sou uma grande adepto deste som dinamarquês. Mas também admito que tem vindo a adaptar-se aos padrões anglo-saxões, a cartilha pela qual todos aprendemos o métier da crítica...

 



Desta feita apresentou um sistema “comprável”. Não percebi foi o cartaz acima reproduzido. Será que signfica que 'convidaram' os distribuidores deste países a estarem presentes ou “procuram-se” distribuidores nestes países? Se ao fim destes anos todos, ainda não arranjaram distribuidor no Japão (em Portugal ainda se compreende), então there’s something rotten in the kingdom of Denmark...


MAGICO
 


 


As M5 estavam lá acolitadas por amplificação Spectral e a tocar muito bem, claro. Mas tudo demasiado àsescuras para pode ficar bem no video.







O distribuidor alemão mostrou ainda o que parece ser o único par de V3 negras existente na Europa.


MARK LEVINSON

 

 



A ML entrou no mercado da amplificação digital em grande com os nrs. 53 que acolitaram um par de Revel Salon 2. Muito bom o som. Bom, a ML não lhe chama “digital”, antes Interleaved Power Technology.








E não são novidade. O projecto é de 2007 e foram lançados no mercado em Abril de 2008. Mas eu nunca os tinha ouvido. Portanto, para mim são novidade...







O mesmo se pode dizer da nova consola nº 502 que custa 30 mil biscas e não tem Dolby TrueHD e DTS-HD Master Audio. Mas tem um processador video Gennum 9351...


OBELISK

 


 



Ficam catalogadas na secção das provocações. Parecem de facto inspiradas nos menhires do Obelix.








 

Apesar da forma, fiquei com uma vaga sensação de que as ressonâncias de caixa não foram completamente eliminadas.

PHIATON








Mais uma provocação, tipicamente oriental, mas com a chancela “made in California”. Em Xangai também se faz roupa made in Italy...
 
SILBERSAND
 

 




Segundo percebi, o catálogo estava escrito em holandês, são colunas modulares, cada cor seu paladar. Aquilo parece um Lego gigante...


SONICS
 




Diz-se dos diamantes que são eternos, além de serem, segundo a bela Monroe, “A girl’s best friends”. Talvez tenha surgido daí a ideia de Joachim Gerhard se aliar aparentemente à Swarowsky para “abrilhantar” as sua colunas Alegria...








Há brilhantes, tipo coleira de cão de luxo, à volta do woofer...
 


 
 


E atrás também onde os vê quem vai lá espreitar como eu... Os deuses do áudio estão definitivamente... loucos...





TANNOY

 


A sala da Tannoy também vai para a secção “Provocações”. Vejam o vídeo e vão perceber porquê. Tinha expostos quase todos os modelos da marca, incluindo a nova série Definition, mas a prova de “maltes” com escanção vestido a rigor parecia ser a principal atracção...


TRINITY
 






Os amplificadores triangulares estavam a tocar com as Lansche, e o seu fantasmagórico tweeter de plasma Corona. Fiquei muito bem impressionado pelo som e pela qualidade de construção.








As medidas laboratoriais, então, são fabulosas. Funcionam em Classe A.


WADAX

 






Diz-se que de Espanha nem bom vento, nem bom casamento. E o que dizer de bom som? As Wadax Speak 1 são colunas estilizadas, com acabamentos de grande qualidade (serão fabricadas, dizem, pelos mesmos artesãos que fabricam os móveis para o Palácio Real). As colunas são activas e todo o processamento é feito por um microprocessador interno em tempo real.
 
 
IR PARA PÁGINA 5
 
GO TO PAGE 5


Highend 2009 parte 4 inovações E Provocações: Kef Blade, Bluray Pure Audio, E Muito Mais De Ampzilla A Waxia