2008

Ces 2008_parte 10_ Coisas Que Ficaram Por Mostrar



ACCUPHASE

O som na Accuphase estava muito bom, o que é natural: as colunas eram Avalon. Depois vi que havia ali um equilíbrio fora do normal em sistemas montados à pressa em quartos de hotel.

O segredo era o novo igualizador digital DG48, que tem uma particularidade curiosa: desenha-se a curva de resposta pretendida no visor e ele assume-a e faz as afinações necessárias...


AMR

Abbington Music Research. O leitor CD/SACD CD-77 deve ser o único ainda no mundo a utilizar “The King of the Multibit”, também conhecido por Philips TDA1541A. E válvulas NOS no andar de saída. As colunas c/ tweeter de fita eram novidade, pelo menos para mim...


AYRE

O prévio KX-R é uma espécie de jóia da coroa. Não se fica atrás dos Rowland. É construído em alumínio sólido (parece leve mas pesa uns bons 20 quilos) e tem um circuito VGT (Variable Gain Transimpedance). Eu acho que é mais um palavrão publicitário, mas se soar tão bem como os amplificadores, temos obra!


BOULDER

O que eu gostei mais na Boulder foi de entrar e ver “Portuguese” escrito no visor do novo Disc Player 1021, embora não saiba quem é o artista (brasileiro?). O 1021 utiliza um transporte de computador ligado a um buffer que serve um filtro também ligado a um buffer para eliminar de vez o jitter. Não serão buffers a mais?...


CHARIO


Não é todos os dias que se pode ouvir as topo de gama Serendipity alimentadas pelos “aliens” Wavestream. Adorei o som. É pena a Audio Elite nunca ter tido a oportunidade de as importar.


ESOTERIC


A marca é hoje uma das mais prolíficas produtoras de leitores-CD/SACD highend do mercado. Aliás, parece ser mesmo o único defensor do malogrado formato de alta resolução. O X-05 utiliza um novo mecanismo de transporte/leitura Neo-VRDS VMK5. Os conversores são da Cirrus. O preço é mais ...eh...acessível, talvez...eh... é só fazer as contas... 4 500 euros...

Outra novidade era o Universal UX-3P1 Super Audio CD/CD, DVD-Audio/Video Player.


ISOTEK

Para quem não acredita que os filtros de corrente como o Sirius (na foto) funcionam, porque não ouve as diferenças, a Isotek concebeu um filtro de sector Mira para TV (em segundo plano na foto) que melhora a imagem. E também protege o sinal de antena do efeito catastrófico dos relâmpagos.


KEF


Os Americanos nunca tinham visto as Muon e ficaram deliciados. Mas o Hificlube já mostrou as Muon aos leitores (Highend 2007), portanto a única novidade digna de nota eram os minimonitores 201/2, que são uma espécie de bebé das 207/2 apresentadas o ano passado.

Quando entrei, numa suite linda do Hilton (ver foto), estava a tocar uma set up AV da Série XQ com amplificação Musical Fidelity. O som era excelente. Não sei mesmo se não foi o melhor som que já ouvi de umas colunas monitoras KEF domesticamente aceitáveis...


KHARMA

As Galileo qui amplificadas pelos famosos Tenor têm tudo para ser perfeitas. Mas falta-lhes aquele je ne sai quoi que torna certos produtos tão especiais. É bom, claro, mas pelo preço eu queria que as Kharma fossem ainda melhores...


KING SOUND

Já me tinham impressionado na CES 2007. Normalmente, não dou grande crédito as estas chinesices, mas as King são electrostáticas acessíveis e de grande qualidade. Uma marca a seguir com atenção...

É claro que estas electrostáticas “de mesa” para iPod (what else”) são mesmo uma chinesice...


MAGICO

A publicidade diz que a V3 é um novo standard de coluna highend, que utiliza entre outas maravilhas tecnológicas: nano-tec drivers e “elliptical symmetry crossover”. O que quer que isso signifique em termos práticos - e não deve ser muito - estavam a tocar muito bem com electrónica Boulder e um servidor “custom-made” SilverStone, como fonte de sinal.

Mas nada que se compare com o sucesso do ano passado com as M6 (CES 2007: Magico).


MERIDIAN

Lembram-se das colunas de parede que a Ajasom apresentou no Audioshow 2006 de má memória? Pois, a Meridian demonstrou o modelo P350, que parece uma coluna electrostática primeiro, e uma open-baffle, depois, mas não é uma coisa nem outra. É uma coluna de parede que pode ser utilizada também sobre um suporte em campo aberto. Muito elegante.

Bob Stuart, ele próprio, estava mais interessado em demonstrar o F80 aos americanos, que ficavam embasbacados a olhar para um rádio de mesa com um som de gente grande.


PASS

Além do primeiro amplificador integrado, logo divulgado in loco aos leitores do Hificlube, apresentou ainda as colunas SR-1, que substituem as Rushmore. Se olharem bem, lembram as Krell Modulare, uma variante do bikini de duas peças da Wilson Watt Puppies.


SIMAUDIO

As Dynaudio Saphire exibiram-se acompanhadas pelo amplificador integrado Moon I-7 e pelo leitor-CD Andromeda. Não me levaram à lua mas o som era honesto ainda que vivo demais para o meu gosto.


TACT

A confusão Tact vs. Lyngdorf continua. Enquanto esta apresenta um “corrector de salas” para 8-canais, a Tact anuncia um de 12-canais. A tecnologia é a mesma, o design é que começa agora finalmente a divergir, mostrando que é a Lyngdorf quem detém a chama sagrada...


THIEL

Na sala da Thiel demonstravam-se as SCS4D. Aparentemente é mais um minimonitor activo (classe D) com filtro digital ajustável para aplicações AV. De facto é algo de revolucionário.

As SCS4D (de costas na foto) fazem parte da série Thielnet, que inclui um processador (na foto por baixo da coluna) que pode ser acedido por IP, que controla até 32 pares de colunas e faz o streaming de sinais DD e DTS. Tudo sem fios, portanto. Excepto os que ligam as colunas à corrente de sector, claro. Também pode ser ligado por cabo de rede.


TIVOLI

Passa a vida a mudar de distribuidor. Recebe mal e porcamente os jornalistas que considera papparazzi. Proibe as fotos (sem resultado, como se vê) e merecia que eu nem falasse nela. Mas o iYiY, mais uma “doca seca” para iPod, justifica, até pelo nome giro, que eu o divulgue.


USHER

Foi um prazer rever o Dr. Joseph D'Apollito e conversar com ele sobre as minhas impressões acústicas das pequenas-grandes Be-718.


VINCENT

Mantém-se fiel ao princípio da miscigenação e apresentou o integrado SV-226 MkII.


VON SCHWEIKERT

Albert, ele próprio, devia ser o tipo mais bem vestido em toda a CES. A ocasião não era para menos: acompanhou à CES as debutantes Unifield Three da Studio Signature Series. Curiosamente, preferiu deixar-se fotografar junto da versão “Anniversary” das VR-4, uma edição comemorativa dos seus 30 anos de carreira como, e cito, cientista do áudio.


WATERFALL

Só pelo slogan as Waterfall já mereciam uma referência: The sound in full light. As novas “Evo” Victoria têm um “sub” que dispara para baixo e pode ser amortecido com pequenos pesos. Um conceito muito interessante para certas aplicações domésticas.


YBA


Dôme, assim mesmo com acento circunflexo, ou The Sonic Spotlight, um curioso conjunto de satélites 2.1 ou 5.1 associados a um “sub” em cúpula gótica, daí o nome, para aplicações áudio e AV.

A outra novidade era a aplicação do conceito Media Center à arquitectura Y. Não havia qualquer informação disponível mas no meu gravador portátil ficou registada a explicação: YA 701 Receiver 7-canais com video switcher separado e YS201 áudio/video all in one solution c/ amplificador integrado, sintonizador FM, disco rígido, internet streaming, etc.