2007

Burmester Em Portugal



A Burmester não tem a fama de outras marcas alemãs de prestígio. Refiro-me, claro, à Mercedes, BMW, Porsche, etc. Talvez porque, como muito bem notou Herr Jerosch-Herold, num Português excelente, não tenha a mesma exposição pública. E por exposição aqui entenda-se que ninguém anda na rua a exibir o equipamento de som. Convenhamos que abrir as goelas a um Porsche na auto-estrada dá muito mais status que reproduzir um CD num sistema de som do mesmo preço.
Herr Ernesto Jerosch-Herold, embaixador da indústria de qualidade alemã em Portugal


É por ter consciência da dificuldade de vender highend em Portugal, ainda por cima de origem europeia, que eu admiro a coragem de Ernesto Jerosch-Herold, um autêntico embaixador da indústria de qualidade do seu país.

Mas o Sr. Herold, como o tratam por cá, é também um melómano e um audiófilo, daí ter aceitado exercer o nobre ministério de divulgar em Portugal marcas alemãs como a Burmester e a Transrotor, cujos gira-discos são as vedetas de algumas das minhas melhores fotografias audiófilas.
Sistema Naim/Dynaudio
Gira-discos Transrotor ZET-1


A Polifer representa ainda a Dynaudio e a Naim, como trampolim para voos mais altos dos seus clientes.
Sistema Burmester na sala de audição da Polifer


João Velez, um amigo de longa data e audiófilo emérito, que colabora com a Polifer como consultor, tinha ficado particularmente triste pelo facto do desempenho do sistema Burmester/Naim ter ficado aquém das minhas expectativas, devido a um problema de afinação que foi divulgado na reportagem.
Leitor-CD Burmester 061


Mas desta vez caprichou e, apesar da audição ter sido demasiado breve para poder ser conclusiva, o que ouvi na Polifer, que se situa a caminho do Parque das Nações, na Av. Infante D. Henrique, 328, cave B, onde antes ficavam as primeiras instalações da Sony, foi o som típico da Burmester: cremoso e, ao mesmo tempo, dinâmico, harmonicamente rico e detalhado.
Gira-discos Transrotor FatBob


Tratava-se de um sistema “de entrada”, embora o patamar da porta da Burmester seja muito elevado, composto por: gira-discos Transrotor FatBob, leitor-CD Burmester CD061, Prévio 035, amplificador 956 Mk2, condicionador de corrente 948, colunas B80, cabos IC Nordost Valhalla Tyr e Burmester de coluna. Não dá para comprar um Porsche Turbo mas dá para comprar um Mercedes de gama alta, e os interessados podem marcar um “test-drive” sem compromisso.
Claro que os super sistemas de som highend só vão começar a vender-se bem em Portugal quando Ronaldo ou Mourinho confessarem numa entrevista que compraram um. A partir daí, vai haver logo quem os compre, nem que seja para ter na garagem ao lado do Porsche para impressionar as visitas.


E, no dia em que decidirem finalmente ouvi-lo, vão perceber que, no futebol como na música, os melhores intérpretes pagam-se muito caro...