2006

Futebol Audiófilo: Viva Portugal!!

Futebol Audiófilo: Viva Portugal!!
Houve um tempo em que escrevi uma série de artigos humorísticos no DN, com sugestões de equipamentos de som adaptados à personalidade de figuras públicas: Cavaco Silva, Mário Soares, Álvaro Cunhal, Marques Mendes, Manuela Moura Guedes e muitos outros (ver Artigos Relacionados). Mas hoje é o futebol que domina e não a política. Assim, o Hificlube associando-se à onda de futebolite aguda que se abateu sobre Portugal (e o mundo) tem vindo a publicar uma série de artigos onde se sugerem sistemas de som às principais figuras da nossa selecção, que irá prosseguir enquanto eles se mantiverem em prova.
 
 
Num dia tão especial para todos os Portugueses em todo o mundo, o Hificlube presta homenagem a FELIPÃO. Mesmo que perca Portugal já ganhou: nunca os Portugueses estiveram tão unidos por uma mesma causa. Se a única forma de voltarmos a ser grandes como no séc. XVI é a dar pontapés numa bola, seja. Não fomos nós que provámos que o mundo era redondo?…
 
Nesta secção, além da sugestão do sistema de som que mais se adapta à personalidade de SCOLARI, pode ainda ler as sugestões do HIFICLUBE aos nossos jogadores:RICARDO CARVALHO, NUNO VALENTE, SIMÃO, MIGUEL, FIGO, DECO, PAULETA, NUNO GOMES, MANICHE, PETIT E RICARDO, CRISTIANO RONALDO 
 
Nota: os textos foram publicados ao longo do Campeonato do Mundo (2006) em datas diferentes, pelo que algumas referências podem estar desactualizadas.


Nota triste: e não é que perdemos mesmo? E seria de esperar outra coisa, contra uma equipa francesa maioritariamente africana, que o zelota Le Pen considera não-representativa da França, quando o lema da FIFA para o Campeonato do Mundo era um rotundo e oportuno 'Não ao Racismo', e o próximo Campeonato já está marcado para a África do Sul, de Mandela?...É a política, estúpido!...


FELIPÃO



 





Se os Portugueses já o admiravam, a peça montada pela SIC com a ajuda de surdos- mudos brasileiros, que lhe leram os lábios, dando voz à catadupa de emoções que vive em campo, humaniza-o ainda mais. O jornal 24 Horas já tinha feito algo de semelhante com jogadores Portugueses, e aquilo era só asneira que fervia: f…-se, c'um c…lho, p…ta que o pariu, gandas c…brões - ao contrário Felipão reza: Virgem Santíssima rogai por nós...





 



Felipão é a base, o suporte de todo o espectro futebolístico na Selecção Nacional, a tal última oitava mítica de que todos já ouviram falar mas poucos ouviram tocar. Os Portugueses sentem-se hoje como eu me senti quando ouvi pela primeira vez as Avantgarde Trio+BassHorn. É uma sensação de plenitude quase religiosa.


A Selecção Portuguesa é um sistema de som bem afinado, no qual agudos, médios e graves fazem parte de um todo harmónico. Faltava-lhe a profundidade telúrica de Felipão, severo e macio para os jogadores, e 'bronqueiro' quanto baste, rosnando aos adversários quando eles lhe faltam ao respeito…



RICARDO CARVALHO







O acesso de loucura de Rooney está explicado. Tal como no famoso “lapsus linguae” de Ana Lourenço, pivot da SIC, está provado que as nódoas podem cair no melhor pano. E Rooney, sendo “bife”, enrola os “rrrs”, pelo que em vez de gritar “Carvalho larga-me a perna, pá!…” preferiu exemplificar apontando com o pé…

 





Para o nosso Ricardo Carvalho, que, como já todos sabíamos, e ficou de novo provado, os tem no sítio, eu sugiro também um par de monoblocos NuForce 9. Porque esta tecnologia tem tido junto dos fabricantes de amplificadores convencionais o efeito de um pontapé nos ditos…


NUNO VALENTE







O Nuno é como o LP: o anúncio da sua morte foi muito exagerado. O Adriaanse disse que estava acabado, que não tinha força para se aguentar no Porto e na Selecção, e blá, blá, e lá correu com ele. Ora o Nuno tem sido um valente, ali no lado esquerdo da nossa defesa: um ligeiro empeno, um estalo ou um risco de vez em quando, tal como o LP, ah!, mas aquela musicalidade futebolística é inegável…









O Nuno não me vai agradecer, mas eu sugiro-lhe um gira-discos Transrotor Turbillon. É que o LP está aí para as curvas e vai sobreviver ao CD, que foi inventado pela holandesa Philips…


MIGUEL







Nunca escondeu as suas raízes, tendo sido criado em Chelas, um dos bairros periféricos de Lisboa. E, quando jogava no Benfica, gostava de abanar o capacete em discotecas africanas até às tantas. Aliás, depois da forma como saiu do Benfica, eu estava tentado em sugerir-lhe apenas um “tijolo”, também conhecido por “ghettoblaster”, para ouvir hip-hop a bombar. Acontece que ele tem enchido os campos alemães com tal classe e fervor patriótico (já merecia um golo numa das suas “infiltrações” nas linhas inimigas) que ele merece tudo de bom.


 







Para o nosso Miguel, eu proponho um par de colunas JBL Everest amplificado por electrónica digital Ayre MX-R. A fonte deixo ao gosto e imaginação dele. Até pode ser um iPod, porque aqui o que conta é a garra e a velocidade…Só assim o som do hip-hop vai estar ao nível do teu talento, Miguel!...


SIMÃO







Consta que desta vez é que é: vai para a odiada Albion. Isto se não marcar nenhum golo aos “bifes”, no jogo de Sábado, porque eles são rancorosos. Apesar da minha vasta cultura anglosaxónica, quanto mais privo com eles mais os detesto: são arrogantes, convencidos e irritantes. E da turbamalta que os apoia nem vale a pena falar. O gozo supremo vai ser vê-los sair de Gelsenkirchen vergados ao peso de mais um derrota pela margem mínima, enquanto os fãs bêbados, cá fora, levam pela medida grande. Por “medida” entenda-se o tamanho das canecas de cerveja e dos bastões da polícia alemã…


Para os irritar ainda mais, proponho ao Simão a compra de um sistema Linn, logo que chegar a Liverpool: só há um povo, além dos irlandeses, que os detesta ainda mais do que nós: os escoceses!... De preferência com o novo interface Kinik para o inspirar enquanto ouve os Beatles: o Kinik funciona sem fios a partir de um Pocket PC e controla os Linn Kisto e Kinos, Unidisk e Kivor, dando plena liberdade ao utente: rápido, versátil, eficaz e desconcertante, tal como Simão. Dêem-lhe liberdade, dêem!...Com o Kinik a Linn marcou mais um golo de livre fora da área à concorrência. Deus os oiça, Simão, Deus os oiça!...



CRISTIANO RONALDO







Hoje começa o 'roda-bota-fora' para a Seleccção portuguesa no mundial, ou o 'mata-mata', como lhe chama Filipão. E, se é verdade que rezar a todos os santinhos pode ajudar, eu ficava mais descansado se o Cristiano Ronaldo 'engatasse' finalmente, e fizesse o jogo da vida dele, deixando-se de fintas para a galeria feminina sem progressão ou consequência.


Cristiano é um jogador da nova geração, muito mediático, explosivo no arranque e no remate, como muito 'swing' e poder de salto, com elevado factor de amortecimento das pancadas que leva, e uma panóplia de soluções para todos os obstáculos que lhe surgem no caminho para a baliza. Mas é também algo nervoso: se a mostarda lhe chega cá acima ao nariz pode 'distorcer'...







Se me contratasse para consultor de áudio, aconselhava-o a comprar um par de amplificadores NuForce 9: tecnologia moderna de amplificação, dita 'digital', ainda sem a patine dos grandes clássicos a válvulas, em vias de se reformarem como Zidane, mas ultrarápidos, claros e transparentes e com um poder intrínseco que só ouvindo se acredita.


Colunas não vale a pena sugerir, porque ele é do tipo de estar sempre a mudar. Ultimamente, consta que tem um par de 'Merche Romeros' de 500W...



Nota: enquanto ele anda lá pela Alemanha a jogar à bola, eu tenho estado a preparar o teste dos Nuforce 9 SE, que será publicado em breve no Hificlube.



MANICHE







Um dia perguntei a Dan D'Agostino se a construção tipo tanque-de-guerra dos Krells era necessária. Dan respondeu que se alguém, por absurdo, guardasse um Krell no sótão durante 50 anos, quando os netos o encontrassem, bastava-lhes ligá-lo à corrente para funcionar na perfeição.


Maniche esteve congelado em Moscovo, Mourinho encontrou-o no “sótão” e bastou ligá-lo à corrente…







Maniche é um forte candidato ao sistema Krell que eu ouvi este ano no HighEnd Show de Munique: Evolution 505/202, dois monoblocos Evo 600 e as LAT 1000. Poder, ataque, amplo palco sonoro (varreu o terreno todo no jogo com o México), resposta transitória (aqueles remates de fora da área!) e um pulmão que parece que nunca mais acaba. A este nível o preço não se discute…


Se eu fosse ao Mourinho, trocava o Essien pelo Maniche. Um bom sistema AV reproduz som com qualidade bastante. Mas é quando “the things get tough” que se vê quem tem cojones



PETIT







Não vi o Petit em Geselnkirchen. Com excepção de uma sarrafada ou outra no “Speedy Fonseca Gonzalez”. Ele esteve lá: a estatística diz que marcou um livre. Mas fiquei com a ideia que levou o leitor-DVD portátil para o campo para ver os filmes piratas que levou na mala…



 





RICARDO







Para o nosso guarda-redes eu sugiro um sistema “AV-surround”. Nada de muito sofisticado que ele ainda não fez o contrato da vida dele com a tal equipa inglesa que nunca se concretiza. Nunca percebi por que hão-de os “bifes”, que insistem nos cruzamentos para a área, querer o Ricardo, que joga bem com o pés e defende bem entre os postes, mas já não é tão bom a sair. Eu acho que é só para desestabilizá-lo como vingança por ele ter marcado aquele pénalti…







O Ricardo devia comprar um Receiver Denon AVR-4306 C/iPOD e um leitor DVD da mesma marca. Assim podia treinar-se com o som das bolas chutadas do canal direito, esquerdo e central, e ganhar estofo psicológico para aguentar as “bocas” que ouve atrás dele vindas de todo o lado.







Quanto às colunas, sugiro o sistema KEF KHT 3000. As colunas têm a forma de bolas de râguebi que sendo mais difíceis de apanhar são boas para treinar guarda-redes. Sempre é uma ideia melhor que largar galinhas no campo e mandar os jogadores apanhá-las como fazia o Meirim.


É que no caso do Ricardo podia fugir-lhe algum frango por baixo das pernas…



Força Ricardo, não te deixes desmoralizar pelas minhas 'bocas'. O Scolari tem sempre razão, veja-se o caso do Costinha e do Maniche, que estavam congelados na Rússia. Se ele diz que tu és o melhor é porque és. Ele até acertou no calor que se iria fazer sentir na Alemanha quando decidiu marcar a preparação para Évora…



Como se viu no jogo contra a Inglaterra, a minha sugestão deu resultado: com o sistema AV e um disco teste que lhe enviei pelo correio, o Ricardo treinou-se bem e adivinhou sempre de que canal vinha o som da bola chutada pelos bifes...



DECO







É o mágico da selecção: faz jogadas que parecem coelhos a sair da cartola. Há luminosidade e transparência no futebol de Deco. Só que demora um pouco a aquecer…

 





Assim para o Deco eu sugiro umas colunas Martin Logan Summit alimentadas por amplificadores a válvulas da McIntosh.


FIGO







O Figo tem uma ligação afectiva à Escandinávia, e é casado com uma modelo sueca linda e simpática a quem basta abrir os olhos luminosos para tudo o resto se apagar à sua volta. Ele próprio já é mais estilo que força. Assim, e sendo ele também um novo rico, acho que nada melhor que um sistema Bang&Olufsen.

 

 



A não ser que ele se porte tão bem no Mundial (e o jogo contra o Luxemburgo foi um bom sinal) que receba da FPB, como prenda de ser campeão do mundo, um sistema Gryphon completo para ouvir aqueles discos foleiros de que ele gosta tanto…



 

 





NUNO GOMES



 



Anda para ali a correr na grande área como uma barata tonta, e um ar perdido de criança a quem os outros meninos não deixam brincar com a bola. Nunca está onde deve estar e está sempre onde não deve estar. Mas esforça-se muito e dá o litro. E às vezes surpreende-nos com golos portentosos.



 



Só por isso merece um iPod que, tal como ele, é muito melhor do que parece e sempre tem a vantagem de ser portátil. Assim pode levá-lo com ele para todo o lado, ao contrário da bola que não vai com ele para lado nenhum…


PAULETA







Aquela mania de andar pelos campos a correr atrás de queijos flamengos leva-me a sugerir ao Pauleta as colunas Anthony Gallo Micro: também são redondas, podem ser vermelhas e tocam ainda mais alto que aqueles remates que faz por cima da barra.



 





Além de que o galo é o símbolo da França, e parece que ele quer acabar a carreira por lá…



 





Ora, como consta que assinou um contrato milionário com o Lyon, eu proponho, como solução audiófila radical, que passe finalmente a jogar com um par de bolas digno de um goleador: as Cabasse la Sphère, que são francesas e tocam piano como ninguém, custam 150 000 euros, são esféricas, como o nome indica, e podem ser encomendadas em vermelho Terra Nostra. Mas já não o aconselho a correr no campo aos pontapés a elas - pesam muito...

Futebol Audiófilo: Viva Portugal!!