2006

Ces 2006 - Highlights 16: Apresentações Especiais



DENON


O Hificlube já tinha apresentado as novidades da Denon, em tempo real, ou seja, directamente da Press Room da CES (ver Highlights 4), mas faltavam ainda algumas questões de pormenor, quanto às características de alguns dos novos modelos.
Denon DVD-5910CI


Fundamentalmente, a Denon apresentou upgrades para modelos já existentes. O DVD-5910CI é a nova versão do 5910 com a última tecnologia de upscaling da DVDO, que lhe permite ter capacidade para 1080p através das saídas DVI-D (HDCP) e HDMI. Quem comprou o DVD-5910 há pouco tempo pode fazer o upgrade (firmware ou hardware, dependendo da data de aquisição) por apenas 300 dólares. Isto lá, por cá arrisco adiantar uns 300 euros ou mais...
Denon AVR 4806S


Também foram apresentados pacotes de upgrade para os Receivers AVR5805 e AVR-4806, disponíveis a partir de Março, por 500 dólares, que garantem melhor processamento dos sinais de vídeo (upscaler interno) e ligações à Ethernet para os tornar compatíveis com o MicrosoftPlaysForSure (music download), o que tem um interesse relativo para nós, mas é importante nos EUA, onde se pode ser preso por sacar música da net sem pagar. Além disso, o pacote inclui um scaler interno até 1080i e torna-os compatíveis com scalers ou fontes externas a 1080p.
Denon AVR-2807


O único modelo realmente novo era o AVR-2807 que, por um preço que por cá deve rondar os 1000 euros, tem upscaler interno e conversor de sinais video para servir a saída HDMI.


KEF

A aposta da KEF no “lifestyle” com a Home Theatre 3000 Series, que constitui uma notável evolução da KHT2005, foi clara. Johan Coorg recebeu durante anos o input de distribuidores, vendedores e clientes, transmitiu esse manancial de informação aos engenheiros da KEF, e estes responderam às principais questões técnicas de forma a melhorar o que originalmente já tinha sido uma pedrada no charco de mau som dos conjuntos sub+satélites da maior parte da concorrência. A KEF precisava de uma resposta urgente ao sucesso do excelente sistema Tannoy Arena.


Ei-lo: KHT 3000 Series

Os satélites continuam a ter a forma de ovos, que já faz parte da iconografia da marca, mas o pórtico traseiro foi redesenhado para reduzir as ressonâncias internas e o ruído de “sopro”. A unidade UNI-Q de 4, 5 polegadas é completamente nova, com um movimento mais amplo de pistão, graças também ao reforço radial do cone, que lhe permite uma resposta de graves nunca alcançada antes e uma frequência de corte mais próxima da utilizada nos grandes sistemas (80Hz). A nova corneta interna que serve o tweeter elimina as descontinuidades e controla a distorção, enquanto a selagem da suspensão impede que o ruído do ar produzido pelo woofer perturbe o desempenho do tweeter.


A KEF sabe que a coluna central não pode ser igual às outras até porque reproduz 60% do som das bandas sonoras dos filmes. Assim, o novo canal central é agora um duplo-ovo alongado e a unidade UNI-Q de 4, 5 polegadas é flanqueada por duas unidades extra de graves de 3 polegadas que conferem mais poder e impacte ao som ambiente e claridade aos diálogos.

O Subwoofer deixou de ser um caixote que apetece esconder: é redondo, com um design moderno, e o altifalante de 10 polegadas é excitado por um amplificador de 250W em Classe D. Pode ser colocado de pé ou deitado (eu prefiro a posição vertical), pois a sua forma elimina as ondas estacionárias internas e outras ressonâncias.


Os acabamentos em High Gloss Black e Silver fazem o resto. Os suportes verticais para as colunas traseiras são também mais robustos e elegantes.


A audição revelou que a maior parte do que se escreve acima com base no luxuoso “press-kit” e na alocução em inglês perfeito de Johan Coorg, corresponde à verdade. O som dos satélites perdeu os últimos resquícios de agressividade no agudo; os registos médios são cremosos e informativos; o canal central é a âncora que os sistemas KHT precisavam para soar mais rápidos, poderosos e naturais: a reprodução das vozes e a velocidade de resposta a transitórios (um tiro de revólver num filme de cowboys, por exemplo) está ao nível de centrais de maior porte e preço; e o subwoofer tem um som ao mesmo tempo discreto e forte, tal como o design da caixa, e a integração com os satélites está no limite da perfeição possível dentro da sua categoria.


WILSON AUDIO


A Wilson não gosta de ambientes de feira, com barulho, luzes e cheiro a hotdogs. Dave e Sheryl Wilson alugam uma suite de luxo no 31º andar do Hotel Mirage e recebem lá os convidados com elegância e requinte.


Este ano a novidade não era bem uma novidade. Eu explico: as Duette já tinham sido mostradas o ano passado (ver CES 2005), mas era apenas um protótipo. Desta vez a Wilson apresentou um modelo de produção pronto para ser comercializado.

O que distingue as Duette dos anteriores monitores de menor porte da marca, como as Watt e as Cub, é o facto de se tratar da primeira coluna que pode ser colocada numa estante ou até pendurada na parede: umas Wilson penduradas na parede!! What is the world coming to, my God!...

O filtro divisor (Novel) é externo, e fica colocado no pilar junto à base dos suportes (ver foto), o que permitiu reduzir o tamanho da coluna, e pode ser afinado para colocação em espaço aberto sobre suportes ou confinado a menos de 10 cm ou até encostadas à parede, aquilo a que Dave chama “ambientes acústicos hostis” (ligações diferenciadas para cada aplicação). Para isso foram concebidas duas novas unidades (mid-bass e tweeter) com características de dispersão off-axis optimizadas para espaços apertados. Isto apesar de terem um pórtico reflex traseiro...


De resto, mantém-se a neutralidade tímbrica, resposta dinâmica e profundidade de palco que caracterizam a restante produção da Wilson Audio. Dave levou consigo modelos semelhantes de outras marcas que utilizou numa demonstração comparativa. Infelizmente, atrasei-me no trânsito (admito que fui a correr ao hotel vestir um fatinho domingueiro para não destoar naquele ambiente formal…) e não assisti ao comparativo. Os presentes, Ricardo Franassovici, Enzo Natali e filho garantiram-me que a concorrência foi arrasada…


A Duette tem ainda a particularidade de poder ser colocada de pé ou de lado (como coluna central de um sistema AV), também apesar de não ter uma configuração simétrica e não sofrem alterações tímbricas ou dinâmicas em nenhuma das posições. Terá a Wilson Audio descoberto a forma de equilibrar o ovo de Colombo, mesmo quando deitado?...


Nota: informa-me o Manuel Dias, da Imacústica, que este brinquedo irá custar cerca de 13 600 euros em Portugal. Ou seja, não é propriamente um bibelot que se compre para colocar numa estante...