2006

Ces 2006: Highlights 04



ANTHONY GALLO



Os satélites do sistema Reference AV podem ser utilizados em estéreo ou multicanal e como coluna central, com suportes de parede ou de mesa.


DENON



Continua a guerra dos números e não só nas referências dos aparelhos. O fabuloso DVD-5910 passa a ter a referência CI, o que significa que, além de todas as características que já o distinguiam como um dos melhores leitores-DVD do mundo, tem agora uma saída 1080p (HDMI 1.3). Aliás, como iremos ver quando eu tiver tempo de chegar ao vídeo, a moda na CES era o 1080p.



Falaremos também do novo Receiver AVR-4306 pronto para o futuro, ou seja, o iPod...Ou será o LP o futuro? É que outra das novidades da Denon foi a linha de células de leitura: as famosas DL-103, DL-102 (mono!) e as novas DL-301MKII e DL-103R, etc.


HALCRO



Apresentou três novos amplificadores da linha topo de gama dm88 (500W), dm78 (400W) e dm38 (350w stereo). Os dm 88 estavam a tocar com uma coluna T-3 Project, que eu desconhecia de todo, e que, mesmo encostadas à parede uma sala atarracada, reproduziram todo o impacte, escala e poder de uma bateria, sem ressonâncias ou “overhang”. Fantástico.


KEF



Johan Coorg (como sempre, fez uma notável demonstração) apresentou-me o novo sistema KHT 3000, provando que a KEF aprendeu com o tempo. A integração do “sub”, agora em forma de esfera achatada, com os satélites, faz-se a partir dos 70Hz. Numa suite do Hotel Hilton, idêntica a muitas salas de estar (bom, nem todos podem ter uma sala de estar com esta...), ouvi música de qualidade sem o tradicional efeito de compressão quando o “sub” está em dificuldades, e a resposta transitória (tiros de pistola, por exemplo) deixou-me siderado.


MARTIN LOGAN


Gayle Sanders vendeu a empresa Martin Logan para se dedicar à família. Nada será como dantes, pelo menos em termos pessoais, porque, no aspecto comercial, a empresa continua tão dinâmica quanto as colunas que produz.



Martin Logan Vantage



Martin Logan Vista


Na CES apresentou duas novas colunas Vantage e Vista, esta substitui a Aeon



e um “sub” chamado Abyss, o que me deixa sensibilizado, porque fui que há cerca de 4 anos lhe propus o nome para o que é hoje o modelo Depth. Antes de partir, Gayle chamou Abyss a uma das sua criações. Obrigado, Gayle...


PENAUDIO



Discretamente como é apanágio destes finlandeses tranquilos, a Penaudio apresentou as Alba, uma 2-vias elegante, com o tradicional acabamento “plissado” (aparentemente, de facto são lisas ao tacto), com a frequência de corte nuns elevados 4000Hz. As opções técnicas da Penaudio continuam a deixar-me surpreendido.


VONSCHWEIKERT



Entro na sala e quem lá estava? Augusto Quadros e José Ventura, importadores da marca. Impunha-se uma fotografia para a posteridade junto das VR-9 SE, que estavam a tocar bem com amplificação DarTzeel (sim, o tão aguardado prévio também estava lá...). Mas o que me deixou de boca aberta foi mesmo o sistema de colunas de parede para AV VSX-M, que enchiam uma outra sala de som. De outro campeonato, eram as VR-7SE, mas isso fica para segundas núpcias, que a ideia agora é só abrir o apetite dos leitores e não me atrasar em revelar as novidades em relação à concorrência internacional.


YBA



Yves, lui-même, mostrou-me o novo leitor-Cd de referência da série Passion


YAMAHA



Na linha do sucesso (especialmente junto das senhoras) do projector digital de som YSP-1, a Yamaha apresentou, entre outros produtos, que depois divulgarei com mais vagar, uma vez regressado à pátria, dois novos projectores de som YSP-1000 e YSP-800, mais pequenos mas também melhorados com controle de atraso temporal para cada altifalante (o YSP-100 tem 40), com calibração automática em apenas 3 minutos, de molde a permitir um som ainda mais envolvente com apenas um coluna e sem a necessidade de encher a casa de cabos. Como são modelos menos longos adaptam-se também aos CRT.