2005

Ces 2005: Sony Qualia 007



«Em termos de qualidade e construção, correspondem, num inevitável contexto comercial, pois a Qualia também está à venda, à linha Lexus da Toyota ou à Maybach da Mercedes», explicou-me David Kawakami, da Sony, quando o encontrei no voo Nova Iorque-Las Vegas a caminho da CES. David é o responsável pelo desenvolvimento e promoção do SACD, e não resistiu a aumentar a minha já elevada expectativa em relação ao leitor-SACD 007, a jóia da coroa da dinastia Qualia, composta ainda por:


· Qualia 004, projector de alta definição (1920 x 1080) que utiliza tecnologia SXRD, Sillicon Crystal Reflective Display: diminui o espaço entre pixéis, minimizando o «efeito de grelha»; e os próprios pixéis, aumentando assim a resolução.


· Qualia 016, a mais pequena câmara digital do mundo (7 cm!) e o respectivo conjunto de lentes que mais parecem saídas de uma casa de bonecas.

· Qualia 017, leitor-gravador MD portátil construído a partir de um bloco de metal polido.



Qualia 010, os únicos ascultadores do mundo que respondem até aos 120kHz!



· Qualia 006, retroprojector de alta definição com tecnologia SXRD.



· Qualia 005, monitor de alta definição LCD, com tecnologia Triluminous e separação das cores base: verde, azul e vermelho, com amplificação S-Master integrada e uma imagem de sonho.



QUALIA 007

A expressão máxima do engenho e arte da Sony. Já tive oportunidade de o divulgar no «Especial Sons - Parte 1» sobre a CES 2005, mas é um produto que justifica um análise mais pomenorizada.



Trata-se de um leitor CD/SACD (estéreo) de design futurista com amplificação integrada S-Master de 32-bit (na versão USA), que mantém o sinal sempre sob formato digital e desenvolve 75W x 2. O sistema de leitura óptica utiliza lasers separados para CD e SACD. O 007 pode vender-se separadamente (10 000 dólares) ou com um sistema de colunas em madeira natural ( 12 500), cujo tweeter em fibra de carbono responde até aos 70kHZ. Foi concebido por um departamento de élite da Sony com carta branca para produzir «something really cool, no matter what the price», a pensar em clientes também de élite: executivos de grandes empresas que querem ter no gabinete algo que conjugue design e estado da arte para impressionar as visitas - as canetas em ouro e platina já não produzem o mesmo efeito.



O Qualia 007 é construído em alumíno polido e a tampa em cristal abre-se deslizando como os sarcófagos criogénicos utilizados pelos astronautas para hibernarem nas viagens galácticas dos filmes de ficção científica. Três pistões elevam o disco com a graça e delicadeza de um bailado clássico e um braço bifurcado avança para receber o disco com a precisão de um equipamento de laboratório atómico e começa a girá-lo como se este estivesse suspenso no espaço. Eu vi o futuro, e é lindo!...



Para Kenichi Sugawara, Vice Presidente da Sony, ainda não há nada que chegue ao realismo do SACD em estéreo. «Foi esta qualidade que quisemos preservar criando esta verdadeira caixinha de jóias digitais», explicou.



Não me admiraria nada que 007, o agente secreto mais famoso do mundo, o utilize como adereço do próximo filme. A designação Qualia 007 não deve ser só uma coincidência feliz...