2004

Ces 2004: A Boazona Da Gilmore




A história é esta. Um tal Mark Gilmore, que se intitula a ele próprio audio guru, andou a distribuir panfletos como este pelo Alexis e pelo St.Tropez. As colunas eram as melhores do mundo, tinham um grave nunca ouvido e mais isto e mais aquilo. E para o provar contratou o velho Abraham Laboriel para tocar baixo in loco - ao que estes tipos se sujeitam.



O Gilmore é tal qual como aparece na foto (camisa e tudo) e tem tipo de actor cómico de filme B de Hollywood. Ora, quando é preciso uma gaja boa para anunciar uma coluna de som, eu desconfio. Mas a malta olhava para a fotografia e pensava: «Bora lá, pode ser que a Linda lá esteja»: não estava, claro!...
(foto www.stereotimes.com)


Nota: Soube agora, tarde de mais, que a Linda, afinal, esteve mesmo lá em... carne e osso. Com um vestido negro muuuito decotado. E o original ainda é melhor que a foto (pormenor de foto gentilmente cedida pela Stereo Times)...

As colunas são do tipo painel aberto, como as antigas Apogee, utilizam um ribbon para os médios e agudos e os graves são reproduzidos por quatro altifalantes de 12 polegadas «planar-dynamic hybrid». A alimentação esteve a cargo de uma bateria de artilharia pesada Atma-Sphere MA2-MKII que obrigava a manter as janelas abertas.

Ouvi-as em várias situações e fiquei algo desiludido. Tudo o que é reproduzido pelo «ribbon» soa bem, tudo o que é reproduzido pelos altifalantes soa...eh...opaco.
Já sei que o Wes Philips gostou muito, e coisa e tal, mas para mim aquilo não é grave, é antes o que os americanos chamam a «big thud»: soou-me como um gigante num colete de forças.

Também não percebi ao princípio porque tinham de as colocar tão perto da parede, o que afectava obviamente o grave e a imagem. Depois percebi: o ouvinte tem de estar colocado a pelo menos três metros das colunas para elas «integrarem», e era preciso reduzir a distância coluna-parede. Compromissos.

Gilmore garante que o grave desce aos 17Hz (-3dB). Se assim é, com aquela dimensão de «baffle» e a caixa aberta, as leis da física acústica são uma batata ou tem de haver cancelamentos.
Por outro lado, nem mesmo um batalhão de AtmaSpheres se aguenta com SPL de 105dB a frequências tão baixas. Quando ouvi as Model 3, mais pequenas, estavam a tocar baixinho e a sala estava vazia. Na sala principal onde actuava o Laboriel, as Model 2 soaram melhor. Curiosamente não há o Model 1.



O «baffle» é fabricado em Corian (como as Wilson), em várias cores, num material sintético que parece granito.



Se alguém se perdeu de amores por elas (as Gilmore, claro), cuidado: olhem que quem vê caras não vê corações...