2003

Emails 3



Quad no labirinto


Andava há algum tempo a pensar em escrever-lhe. Ao ler hoje o suplemento do DN, com a novidade da página na net, eis senão quando me dou conta da oportunidade desejada. É agora!... E, se bem o pensei, assim o fiz! Leio com alguma regularidade as suas crónicas no Diário de Notícias (e já antes) e sempre gostei do tom prazenteiro que nelas colocava: ouvidos experientes, mas caneta acessível a todos... e com boa disposição. Que nestas coisas o mais importante é a música. De facto, não é o meu estilo ouvir sons para avaliar a qualidade da reprodução da aparelhagem, mas... se a aparelhagem não tiver os mínimos...não poderá soar natural nem ser ela própria esquecida durante a audição. Porque é disso que se trata

.
Agora a parte interesseira da carta: um pedido de ajuda, um conselho.
(se não estiver para ler mais, mande o mail já para a reciclagem - amigos como dantes...) Tenho uma aparelhagem típica da Valentim de Carvalho dos anos 70: Quad 33/303 + FM, Thorenz 165 (com célula Stanton) e... (enfim, coisas da juventude: o rock e assim...) umas colunas JBL !?!?. Há uns anos, com a banalização dos CD's, comprei um leitor Arcam Alfa. Ouço quase exclusivamente música dos períodos barroco e clássico, pequenas formações com instrumentos de época, grandes orquestras, piano (que tento também tocar), ópera e Lied. Gosto de ouvir música sem estar a fazer outra coisa, gosto de um som natural e transparente e de agudos límpidos mas não agressivos. Gosto de sentir o espaço, de timbres verídicos, e de baixos naturais e detalhados mas não sobredimensionados.O assunto é este: para além de fazer hummm e das ligações (fichas e/ou tomadas) produzirem ruídos anómalos, o Quad deixou de funcionar de uma das vias. Primeiro que tudo, um ponto assente: o Quad é como um membro da família e é para reparar.
A Primeira questão é: Quem poderia receber para reparação um aparelho destes e usar o material adequado para o efeito? E a um preço, não necessáriamente barato, mas justo?


A Segunda questão é: não ouvindo muitos outros aparelhos desde há longo tempo, não consigo posicionar hoje o Quad em termos de som. Será que o velho Quad não deveria ceder o seu lugar a outro, ficando embora perfeitamente operacional? Vale a pena investir num upgrade? O que poderia eu ganhar com isso se o orçamento é baixo?


Ouvi no outro dia (estava a tocar numa loja) um Musical Fidelity A3.2: um som (e sobretudo uma voz) que estava ali, natural e íntimo, apesar de uma gama média talvez um pouco - é difícil definir - um pouco... “pouco presente”; um baixo que eu diria talvez exagerado - talvez as colunas? ou as condições da loja? Ou a gravação do contrabaixo ?(seria baixo eléctrico?). mas... [será que consigo dizer isto sem ruborizar?] aquele botão e a luzinha azul são qualquer coisa!...].Um MF A308? Dizem-me que o Cyrus terá umas características que serão caras aos apreciadores do Quad? Os velhos AudioLab agora TAGMcLaren? Audio Analogue? O que não falta são marcas e modelos. Fora as colunas... já se vê... Com a enorme oferta que há hoje...Tenho de memória as antigas electroestáticas Quad: um som transparente e cristalino.Ouvi um vez umas Rega Ela: um som lindíssimo e muito natural.Mas o maior problema é que não se conseguem ouvir todas estas e outras coisas num único sítio para poder comparar! É esse o principal problema.Bom, já desabafei tudo...Se me puder dar alguma pista para me orientar neste labirinto, agradeço (muito). E, já agora, quer tenha tempo ou não para me responder, bons exitos no hificlube!


José Manuel Espada


Hificlube responde:


Hoje comprazo-me na audição de alguns dos melhores sistemas de som do mundo. Mas nem sempre foi assim. Ainda me lembro de, na minha juventude, aproveitar as tardes livres para ir à Valentim de Carvalho sacar uns catálogos. Apeava-me no Cais do Sodré, subia a Rua do Alecrim em passo estugado, e logo ali, na Rua Nova do Almada, ficava o Paraíso: Quad, Wharfedale, Thorens. Na altura, era o máximo. À noite, na cama, devorava os catálogos, ao som do Em Órbita e da 23ª Hora com o auscultador do rádio de pilhas colado ao ouvido.


O Quad 303 foi o meu primeiro amplificador audiófiolo, depois de ter passado pela inevitável fase Pioneer. Era o que havia na altura. As coisas evoluiram. Mas o 303 é um clássico. Contactei o Francisco Abadia que me deu a seguinte informação: Contacto para assistência técnica QUAD: S.P.C. - Pós Venda e Peças: Sr. Pedro Costa.Tel. directo 21 448 09 53.Tel. Geral 21 445 81 90.Fax 21 445 09 69. Resposável Tecnico: Joaquim Pinheiro.


Vamos lá primeiro reparar o Quad e depois falamos. Velhos são os trapos...


JVH

_____________________________________________________________________________________


Manter actualizado é o segredo


Bem, após ler as reacções no correio de leitores não fica muito mais para
dizer senão desejar-lhe as maiores felicidades. Sou também um assíduo leitor
do 'Sons' no DNA, e também guardo alguns dos seus artigos para posterior
consulta, claro que agora on-line as coisas tornam-se mais simples e
versáteis. Espero é que o site se mantenha actualizado, pois é aqui que
muitos falham. Mais uma vez parabéns pela iniciativa

.
MC Gracias


_____________________________________________________________________________________


SACD


Pelo seu site e crónicas as minhas felicitações e obrigado pela ajuda critica que nos presta. Escrevo-lhe, e desde já digo-me leigo no mundo do HI-FI, mas interessado em aprender e arrumar alguns conceitos, a bem do prazer proporcionado.Desconhecia o Super Áudio CD e que este só era convenientemente escutado em aparelhos próprios.Quando tocados num leitor normal, a qualidade de som perde-se. Foi esta a informação obtida na Fnac Chiado. Pergunto: o que trouxe de inovador, se assim é?
Sobre DVD e o condicionalismo das regiões que tantos transtornos causam gostaria de saber se actualmente os DVD-regravadores permitem ultrapassar a 'limitação' região?
Quanto ao SACD, não consegui apreender o que significa, não sei sequer do que se trata, mesmo tendo lido os artigos do site.


Armando Ramos


Hificlube responde:


As limitações de regiões no DVD já só existem no papel. Quase todos os modelos de DVD ultrapassam essa questão com uma perna às costas. Quanto ao SACD, introduzi novos artigos que talvez o ajudem: insira SACD no campo pesquisa e leia: SACD, o que é? e artigos relacionados


JVH


_____________________________________________________________________________________


Climas de rede


Parabéns pelo sitio, é muito agradável passear por aqui. Nestes climas da rede, já fazia falta a verve poetica do trovador audiófilo.


Jorge Gaspar