Editorial

Million Dollar Hifi System para Jorge Jesus

Sistema de som de 1 milhão de dólares montado no palco da Clark County Library, Las Vegas

Permitam-me um esclarecimento prévio – ou disclaimer, como se diz agora: sou simpatizante do Benfica! Não sou sócio, nem serei adepto strictu sensu, mas o Benfica era glorioso na minha juventude, e os miúdos tendem a gostar mais de quem ganha do que quem perde.


Ora como não concordo com os fanáticos que aplaudem hoje e insultam amanhã, prefiro levar o desgosto da derrota para a brincadeira


A minha família era toda do Belenenses, por causa do Matateu, eu era do Benfica por causa do Eusébio. E agora já é tarde para me (re)converter, só por causa de Jesus ter percorrido o calvário a ser vergastado pelo Porto e pelo Chelsea, até ao sacrifício final no Jamor, às mãos dos soldados de D. Afonso Henriques. Que são cristãos, for God’s sake!


Publiquei no DN várias séries de artigos sobre o equipamento de som ideal para figuras públicas da política, do desporto, da televisão: Mário Soares, Gueterres, Cavaco, Ronaldo, M.Moura Guedes, entre tantos outros, e não cobrei nada pelo parecer, nem nunca nenhum deles me agradeceu. Também não sei se seguiram a minha sugestão...


A notícia de que Jorge Jesus vai continuar (?) no Benfica por 4 milhões/ano (!) inspirou-me a procurar nos meus arquivos algo que fosse digno de um treinador demasiado caro, que se rodeou de sul-americanos inflaccionados, num estádio megalómano, prometeu tudo e não cumpriu nada.


E encontrei o sistema ideal, embora tenha tido de recuar até 2002. Até tem o nome certo: “wisdom”, que significa sabedoria e vai fazer muita falta na Luz, não vá ela apagar-se por falta de pagamento.


Wisdom Audio Million Dollar System

Em 2002, estava em Las Vegas a fazer a cobertura da feira da electrónica de consumo para o DN, quando recebi no hotel um convite para assistir à apresentação do sistema de som mais caro do mundo. Tão caro e tão grande, aliás, que tiveram de o montar no auditório da Clark County Library, pois não cabia nas suites dos hotéis.


Foram buscar-me ao hotel de limusina branca, daquelas que antes só tinha visto nos filmes, e mais parecem um barco, com bar, televisão e outras mordomias próprias de artista famoso que faz capas de revista cor-de-rosa.


Caramba, será que estes tipos sabem que eu escrevo para o DN e não para o NY Times?, pensei.


Apesar da minha longa experiência de repórter audiófilo, chegado ao auditório da biblioteca, fiquei embasbacado, quando deparei com o sistema que vêem na foto, montado em cima do palco.

Robert Smith posa junto a uma das colunas de som, com os seus longos cabelos louros

Robert Smith posa junto a uma das colunas de som, com os seus longos cabelos louros

Robert Smith, o treinador, perdão, o promotor do evento, que até tinha cabelo louro como Jorge Jesus e é parecido com ele (seria alguma premonição?), posou ao lado de uma das colunas Infinite Wisdom Grande Line Source (nome pomposo, hã?), para os leitores ficarem com uma ideia da escala destas colunas de som com 3,5 m de altura, boas para defesas centrais. As outras mais nas laterais são as colunas de subgraves, que têm um filtro de passa-baixas.


Para amplificar este sistema foram utilizados dezasseis (leu bem: 16!) amplificadores Jeff Rowland Model 10, mais dois Model 8 Ti Hi, ou seja tantos quantos os titulares do Benfica, tudo ligado por 200 000 dólares (leu bem outra vez) de cabos. Nem por isso a ligação entre sectores soou melhor.


O auditório estava vazio, e eu sentei-me mesmo no meio da fila J (outra premonição?). O som até nem era mau, admito, e soava poderoso e intimidatório como o bruá das bancadas da Luz em dia de jogo grande. Mas faltava-lhe aquele je ne sai quoi, que distingue as boas equipas das outras.


Saí de lá com as minhas expectativas goradas. Consta que venderam o sistema todo a um accionista da Disney. Talvez um árabe endinheirado compre o Jesus, ou, quem sabe, o Pinto da Costa para dar música ao SLB...

JVH posa junto do Million Dollar System como prova de que nada disto é fruto da sua imaginação demasiado fértil

JVH posa junto do Million Dollar System como prova de que nada disto é fruto da sua imaginação demasiado fértil

Tudo afinal não passou de uma montanha de som com um ego enorme que pariu um rato. Ou melhor, 3 ratas cegas, como na novela “Three Blind Mice” de Agatha Christie, que só nos revela quem cometeu o crime mesmo no final:


Cardozo lost his head pushed him hard and said: Jesus, it’s all your fault!...

Sistema de som de 1 milhão de dólares montado no palco da Clark County Library, Las Vegas

Robert Smith posa junto a uma das colunas de som, com os seus longos cabelos louros

JVH posa junto do Million Dollar System como prova de que nada disto é fruto da sua imaginação demasiado fértil