2012

Stein_black Magic: Digital Stein Music Onix Dx-3002



\r\n
\r\n

\r\n
\r\n

Auditório principal da Ultimate Audio (atrás da coluna esquerda, um 'Stein Music Harmonizer)

\r\n
\r\n

Na audição-teste dos incríveis protótipos N-CORE, de Classe D, de Bruno Putzeys, dos quais o Hificlube tem o único par funcional existente no mundo (¡), Rui Calado chamou-me a atenção para o efeito acústico de uns “gadgets”, do tipo “tweak”, presentes na sala: umas caixinhas negras com um led azul, que, segundo, ele, “recriavam” o palco sonoro original contido na gravação: o Harmonizer System de Stein Music. Voltaremos a este truque mágico digno de Luís de Matos.

\r\n
\r\n

 

\r\n
\r\n

   

\r\n
\r\n

 

\r\n
\r\n

Stein Music Onix DX-3002 

\r\n
\r\n

Mas escondido estava o “bocado”. Lá atrás, no meio da cablagem, estava o cabo activo (liga-se à corrente, já vamos ver porquê) Digital Stein Music Onix DX-3002. A diferença entre o “antes” e o “depois” era demasiado evidente para eu deixar passar isto em claro. Mas afinal o que é que o Onix faz ao sinal?

\r\n
\r\n

   

\r\n
\r\n

JVH,na EliteEXPO, Madrid 2012  

\r\n
\r\n

Na recente reportagem da EliteXPO, em Madrid, encontrei-me com o seu criador, uma espécie de Merlin dos tempos modernos, Hölger Stein, que me explicou tudo. Afinal não há truques, apenas matemática e física aplicada.

\r\n
\r\n

   

\r\n
\r\n

Also spracht Hölger Stein.  

\r\n
\r\n

A caixa preta do Onix não tem, portanto, lá dentro, pozinhos de perlimpimpim. Tem um relógio de alta precisão para fazer o “reclocking” do sinal, um buffer e um transformador de acoplamento. O resultado é a redução drástica do jitter. E isso ouve-se. 

\r\n
\r\n

No fundo, o que o Onix faz para qualquer leitor CD/DAC é o mesmo que Robert Watts congeminou para o DAC64, e é hoje universalmente utilizado em DACs topo de gama.                                                

\r\n
\r\n

Stein ficou de me mandar um “sampler” para teste, mas como parece que está demorado, fica já aqui a notícia. Se você, caro leitor, é daqueles que acham que as diferenças entre cabos digitais (coaxiais) são fruto da imaginação, olhe que esta diferença não se ouve apenas, vê-se no osciloscópio!, portanto não é ilusão acústica, muito menos óptica...

", "editor": { "name": "Rich text editor", "alias": "rte", "view": "rte", "render": null, "icon": "icon-article", "config": {} }, "active": false } ], "active": true, "hasActiveChild": true } ], "hasConfig": false, "id": "4a0b7b28-6171-3297-c964-698d31a98c64", "hasActiveChild": true, "active": true } ] } ] } -->


Auditório principal da Ultimate Audio (atrás da coluna esquerda, um 'Stein Music Harmonizer)


Na audição-teste dos incríveis protótipos N-CORE, de Classe D, de Bruno Putzeys, dos quais o Hificlube tem o único par funcional existente no mundo (¡), Rui Calado chamou-me a atenção para o efeito acústico de uns “gadgets”, do tipo “tweak”, presentes na sala: umas caixinhas negras com um led azul, que, segundo, ele, “recriavam” o palco sonoro original contido na gravação: o Harmonizer System de Stein Music. Voltaremos a este truque mágico digno de Luís de Matos.


 


   


 


Stein Music Onix DX-3002 


Mas escondido estava o “bocado”. Lá atrás, no meio da cablagem, estava o cabo activo (liga-se à corrente, já vamos ver porquê) Digital Stein Music Onix DX-3002. A diferença entre o “antes” e o “depois” era demasiado evidente para eu deixar passar isto em claro. Mas afinal o que é que o Onix faz ao sinal?


   


JVH,na EliteEXPO, Madrid 2012  


Na recente reportagem da EliteXPO, em Madrid, encontrei-me com o seu criador, uma espécie de Merlin dos tempos modernos, Hölger Stein, que me explicou tudo. Afinal não há truques, apenas matemática e física aplicada.


   


Also spracht Hölger Stein.  


A caixa preta do Onix não tem, portanto, lá dentro, pozinhos de perlimpimpim. Tem um relógio de alta precisão para fazer o “reclocking” do sinal, um buffer e um transformador de acoplamento. O resultado é a redução drástica do jitter. E isso ouve-se. 


No fundo, o que o Onix faz para qualquer leitor CD/DAC é o mesmo que Robert Watts congeminou para o DAC64, e é hoje universalmente utilizado em DACs topo de gama.                                                


Stein ficou de me mandar um “sampler” para teste, mas como parece que está demorado, fica já aqui a notícia. Se você, caro leitor, é daqueles que acham que as diferenças entre cabos digitais (coaxiais) são fruto da imaginação, olhe que esta diferença não se ouve apenas, vê-se no osciloscópio!, portanto não é ilusão acústica, muito menos óptica...