2006

Transom: Linn, Bw, Classé, Cinemateq, Dreamvision



A TRANSOM enviou-me um convite para visitar as suas excelentes instalações em Campolide e assistir à apresentação de novos produtos. Prometiam-se algumas novidades, um lanche e uma prenda. Publiquei o convite em pdf no Hificlube, tornando-o extensível a todos os leitores. O contador diz-me que o pdf foi «puxado» centenas de vezes. Afinal foram poucos os que compareceram, talvez com medo do trânsito caótico devido à tomada de posse do Presidente Cavaco, à qual afinal também só assistiram os profissionais da política.



Depois de anos de ditadura e de penúria audiófila, os Portugueses parecem já saber tudo sobre democracia e audiofilia. Olhem que não, olhem que não… Em ambos os casos, convém mantermo-nos sempre alerta, não vá aparecer por aí algum “digitalizador-mor” que decida que, a partir de agora, toda a música será comprimida (reprimida?)...



Cheguei a Lisboa às 17H30, vindo de Cascais, e estacionei sem problemas, no parque subterrâneo, que fica a dois passos da loja. A hospitalidade do Carlos é proverbial, e bem assim de toda a equipa. Não havia só música e imagem, havia “chá e bolinhos” ( e queijo da Serra, e bombons e bebidas…) e simpatia. E ganhei um SACD-sampler da Linn, que já fazia parte da minha colecção, pelo que estou a pensar oferecê-lo a um dos meus leitores.



A loja da Transom fica no centro de Lisboa e tem condições únicas de espaço de exposição e demonstração. Tem auditórios abertos e fechados, bem decorados e tratados para obter a melhor acústica possível, se considerarmos que os auditórios fechados são improvisados com portas e divisórias.



LINN

A Linn enviou uma equipa mista hispano-escocesa para apresentar alguns dos seus produtos. A vedeta do evento foi a poderosa Linn Artikulat 350 activa com amplificação Chakra e algumas engenhosas soluções técnicas. Na linha da frente o leitor-Universal Unidisk 1.1 e o prévio Kontrol.



A Artikulat foi demonstrada num auditório aberto, junto à porta de entrada, e, para o meu gosto, tinha os graves demasiado puxados (talvez para impressionar com uma exibição de força), algo que se pode facilmente afinar nos filtros. A imagem central era sólida, talvez um pouco “bigger-than-life”, bem ao estilo das históricas Isobarik, e a coluna revelou-se dinâmica e detalhada. A Artikulat é uma coluna de banda larga e elevada resolução. Se tem uma sala grande e quer ouvir música “ao vivo”…

No 1º andar, a Transom tem ainda em exposição activa dois outros sistemas Linn em auditórios abertos. O chamado sistema AV baseado no Linn Classik, cujo teste podem ler no Hificlube (ver Artigos Relacionados), e o sistema estilizado de colunas Komponent, com o curioso “sub” tipo “pão-de-ló”, apresentado na CES 2005, acolitado pelo inevitável plasma (Fujitsu). Viram-se e ouviram-se excertos do DTS-Sampler 2005.

Não menos moderno, mas com o toque clássico da presença dos gira-discos Linn Sondek LP12/Lingo e Rega P3 (para comparação?), vi (mas não ouvi) o conjunto Unidisk SC (teste em Artigos Relacionados em baixo), Power C6100 e as colunas Espek MPL.



BW


No auditório principal, a Transom demonstrou o conjunto Classé CDP300 (cujo teste me foi prometido e nunca cumprido), CA2100;CA3200 e as BW 803D. Como meros espectadores, os Halcro dm10/58, um conjunto fabuloso que parece não ter caído nas boas graças dos audiófilos portugueses, apesar das críticas ultra favoráveis, nas quais se inclui a minha (ver teste em Artigos Relacionados). Justificam uma audição atenta, quanto mais não seja para afinar os ouvidos…

A principal surpresa, contudo, foram as adoráveis CM-1, apresentadas “ao ar livre” no Audioshow, e aqui em demonstração activa, num pequeno auditório fechado e acusticamente tratado, acolitadas pelo prévio Linn Exotik, amp Chakra 4200 (4 canais em bi-amplificação) e fonte Linn CD12.

Não me posso abstrair do facto de que as CM-1 tinham na linha da frente o CD12, mas fizeram por justificar a honra. O novo mini-monitor CM1, que utiliza um filtro de passa-altas de primeira ordem, com apenas um condensador, idêntico ao das 805 Signature, portou-se a grande altura, com “baixos” de tal forma articulados que cheguei a pensar tratar-se de uma “caixa fechada”, não fora a razoável extensão do grave. Gostei sobretudo da reprodução do som de piano, um sintoma de excelente “voicing”. Ouvi apenas um disco, de um cantor desconhecido (Diego La Cigalla), pelo que aguardo outra oportunidade para me pronunciar sobre as características acústicas das CM-1. A primeira impressão, tanto visual como auditiva, é muito positiva.



CINEMATEQ

O Alberto Silva, que não me acompanhou na audição do conjunto Classé/BW 803D (mais uma deserção para o AV?), demonstrou o efeito benigno do Cinemateq no sinal vídeo com passagens do filme de animação Monstros e Companhia, num sistema de leitura/projecção composto por Rotel/DreamVision. Não, não é um sonho, o Cinemateq funciona realmente. Não, não é alta definição (como as imagens a 1080p que vi este ano em Las Vegas), mas o “up-scaling” de 560 para 720p oferece cores mais saturadas, imagem mais estável e profunda e, sobretudo, riqueza de pormenor (nos pêlos do simpático monstro, por exemplo).

À saída ainda tive oportunidade de ver imagens a 1080i num plasma da DreamVision transmitidas pelo satélite Astra-HD. O problema continua a residir no facto de nos oferecerem imagens da “vida natural”, quando o que nós queremos ver é o “mundo artificial” do futebol. Para quando o Barcelona-Benfica em alta definição?...