2003

Audioshow 2003: Avaliação Dos Leitores 3



NEM SEI O QUE DIZER


Deve ter sido a única que em que fui na sexta-feira e já não voltei.
Achei aquilo uma m*****...


A recessão parece ser muito pior que eu pensava:


Faltavam expositores habituais, como a GPAudio (o melhor som de há dois anos diga a organização as mentiras que quiser), a Digisom (que nunca tinha faltado a este acontecimento), Áudio Elite, etc. Ouvi mesmo dizer que algumas lojas vão fechar...


Quanto a som, a sexta-feira não é um bom exemplo, mas o que os meus acompanhantes diziam ser bom (Ajasom e subsidiárias, Viasónica, Chord...) esteve longe de me impressionar em relação a feiras anteriores: onde pára o progresso?

A Imacústica continua a ter o seu melhor sistema demonstrado por um sujeito extremamente arrogante e convencido, antipático até dizer chega, que deve passar o ano ao espelho à espera deste acontecimento, e continua a insistir em células miseráveis, assassinando o resto do sistema. Deve ser o único expositor que passa LPs claramente deteriorados, mas enfim...


O local nunca foi bom do ponto de vista acústico, e à sexta os sistemas ainda não estão au point, mas foi de facto decepcionante até dizer basta. Nem eu nem os meus acompanhantes tivemos vontade de lá voltar.


Jorge A.Fernandes (Clube do Audio)



QUESTÃO DE SIMPATIA


Se a Sumiko Blue Point Special é uma célula miserável , há-de me dizer que célula é que tem, ou será que as células boas são apenas as de 2500 euros para cima (ou tipo Clearaudio Insider, Koetsu, etc). Lá por a célula do Michell Orbe custar 440 euros não quer dizer que seja miserável, bem pelo contrário. A Denon DL103 é fantástica e custa 25 contos...


Não achei o senhor que estava a demonstrar o Michell/ AR/ Theta antipático! Ele tinha uma feição um pouco 'rude', mas troquei umas palavras com ele e foi cordial, desaparecendo a impressão inicial de antipatia. Agradeceu-me várias vezes o elogio.


Não achei aquele disco histórico com 'vibrafone' assim tão estragado, é uma gravação pouco vulgar, não deve haver muitas cópias 'novas'... ou então sempre se podia ouvir um disco 'novo' da Madonna.
Aquele prévio da AR, o reference Phono, Jesus!!!


Agora com o rescaldo a frio do Audio Show, além do sistema com o Orbe,gostei do conjunto Chord/ JM Lab. Ficava feliz com o DAC64, e com aquele transporte novo, o BLU, suave, musical , com 'alma', como tinha descrito. As cantoras de jazz que ouvi soaram-me 'humanas', iria conviver bem com este conjunto. Se calhar até é um sistema mais 'correcto' e mais próximo da
master tape, do que vários analógicos. O sistema DCS/nagra mostrou boa espacialidade, dando pistas do ambiente sonoro onde foi gravada a música (estavam a tocar umas chinesises...) De entre os sistemas digitais, foram estes que me ficaram mais 'gravados', apesar de não possuirem as qualidades que mais aprecio no analógico, possuem também bastantes virtudes.




Fernando Magalhães



A CRISE



Longe vai o tempo, em que visitar o audio Show, era qualquer coisa de memorável. Hoje apenas resta o sabor amargo dessas edições extraordinárias.


De Multimédia e Imagem estamos conversados, plasmas por tudo o que era sítio, Watts e pouco mais...


No Stereo então mais vale estar calado, já que recordo com gosto a experiência, da 'pele de galinha', em tantas salas decoradas com saber e sensibilidade e onde os equipamentos eram tratados com tanto carinho.


Notas positivas poucas são, mas aqui vão elas; destaco a qualidade das MARTIN LOGAN CLARITY , já que estando perfeitamente ao abandono, (pior não podia ser), são de uma claridade e pureza que só visto .
O sistema CLEARAUDIO + AYRE + AVALON, que embora numa sala pequena, considerei o melhor sistema, tendo em consideração também o valor do dinheiro, já que este não é um sistema barato.


Notas positivas para o atendimento da EDICINE, através do Sr.Luís, melhor é impossível !!! bem como aos equipamentos ARAGON, cujo som é ao mesmo tempo subtil, delicado e poderoso. Belas colunas as JM LAB NOVA UTOPIA , que por 30.000 Euros, não passam disso mesmo!


Finalmente, como nota final, onde estavam os poucos portugueses, que com saber, competência e dedicação constroem os equipamentos, que nos orgulham como país civilizado?...



Jorge Barreto



GOSTEI, NÃO GOSTEI



Gostei


1.º Lugar: AJASOM - Nagra, dCS, Áudio Physis. Grande Som, pena a sala. (Revisitada)


2.º Lugar 2.1 - IMACUSTICA - Wilson Áudio, Krell, Martin Logan (que central…); 2.2 - VIASÓNICA - Ayre, Avalon. Suberbo, pena a sala pequena dificultou local de audição (sweet spot). (Revisitada); 2.3 - IMACUSTICA - Theta, Michel, Proac. Pena o som estar tão alto (para mim).


3.º Lugar


ARTAUDIO - Classe, BW. Impressionou-me, eu que nem sou fã das BW, num espaço aberto e a tocar daquela maneira só poderiam estar no Pódium.


4.º Lugar


4.1 - DELAUDIO - Tag, Rel, não sei se foi por estar muito quente e abafado achei o som muito “encaixotado”, estava à espera de bem melhor. Adorei ver a centralina do bólide; 4.2 - ALFIDA - JM Lab, Chord. Este equipamento merecia outro tratamento da sala, não cabe na cabeça de ninguém por uma coluna num canto e a outra em espaço aberto, a posição das mesmas podia ter sido melhor estudada. Com o CD da Patrícia Barber só se ouviam as ressonâncias.



Não Gostei



JM Áudio, um dos meus favoritos no ano de 2002 mas este ano era só barulho, pelo menos quando eu os visitei.


EDECINE, as Dynaudio não tocam assim…


AUDIOECLIPSE - Fui lá duas vezes, nunca consegui ouvir as Neat. (Que pena.)
TRANSOM - Demasiada confusão de sons. Não deu para apreciar o LP12 e as colunas Linn.


SONY - Fui à demonstração do sistema SACD mas não sou capaz de gostar do som das colunas.



P. S. - Informo que estas foram as impressões de alguém que apenas gosta de música, e que não tem conhecimentos técnicos de Hardware.



Rui Eloy