2004

Ao Eduardo - Parte 2



Eduardo R. na Pedro's Hifi, em Oeiras (Shopping Palmeiras)


PARIS A ARDER


Algumas das suas tentativas fizeram história. Um dia, numa Feira de Electrónica no norte do país, abriu as goelas a umas colunas Tannoy Westminster de tal forma que, quando entraram em cena os canhões da «Abertura 1820», de Tchaikovsky, o auditório improvisado ameaçou ruir levando as pessoas a fugir em pânico. Juntos vivemos em Paris um dos momentos mais hilariantes da minha carreira audiófila. No salão de um palácio parisiense, demonstrava-se com pompa e circunstância um par de colunas de painel Magnaplanar alimentadas por amplificadores a válvulas Audio Research. Coisa fina, mes amis. Ouvia-se um daqueles CD «Concerto de Fim-de-Ano» pela Filarmónica de Viena. Numa das polkas de Strauss, a dado passo ouvem-se estalidos secos imitando rolhas de champanhe a saltar, fazendo-nos saltar a nós também na cadeira. O demonstrador francês gozando o efeito de surpresa aproveitou para chamar a atenção para a notável resposta transitória do sistema, e esclareceu: «Os sons que acabaram de ouvir foram obtidos ao vivo com o disparo de um pequeno revólver (c'est um vrai pistolet, afirmava ele). Eduardo que tinha visto o concerto em directo na televisão, corrigiu-o falando em português: «Desculpe, não é um revólver, é uma pistola de «pressão-de-ar». E sublinhou em francês, fazendo um gesto com as mãos, numa tentativa para se fazer entender: «pression d'air». O homem irritou-se e, julgando que Eduardo se estava a referir aos fracos níveis de pressão sonora do sistema, colocou em desespero de causa na gaveta do leitor-CD o famoso «Toros y Toreros», um fabuloso registo de música tauromáquica, e abriu o gás aos amplificadores. Ao primeiro «tutti» orquestral, o som estava tão alto que os Audio Research se imolaram publicamente num enorme clarão de luz azul. Eduardo e eu saímos apressadamente incapazes de conter o riso, enquanto ele olhava desolado para as válvulas fundidas e nos rogava pragas num dialecto incompreensível. Foi também em Paris que juntos descobrimos o verdadeiro significado de «baixo profundo», quando ouvimos um par de colunas Duntech Sovereign, alimentadas por amplificadores Accuphase, reproduzindo com absoluta perfeição o famoso disco «La vrai histoire de Mr. Swing», de Michel Jonasz, talvez o disco que contém registos musicais de mais baixa frequência: o som irradiava das colunas e envolvia-nos num delírio telúrico.



UMA VEZ NA AMÉRICA


Quis o destino que passados alguns anos, numa visita à fábrica da McIntosh, perto de Nova Iorque, lhe saísse, pasme-se!, num sorteio daqueles em que se tira um papelinho com o nome de dentro de um chapéu (o meu também lá estava mas não tive sorte), um amplificador a válvulas MC275, que ele hoje adora e exibe com orgulho na sua loja como um troféu. Nunca o vi tão feliz. Isto porque não estive presente quando Raymond Cooke, o fundador da KEF, lhe atribuiu, em Londres, o diploma de melhor vendedor Europeu da série Reference, e lhe concedeu a honra, que ainda hoje se mantém, de um dos primeiros exemplares de cada novo modelo topo de gama lhe ser enviado com um placa dourada com o seu nome gravado. As KEF 207 Reference com a placa estão lá na loja para o provar.



BLU-RAY


Eduardo é hoje um homem mais calmo, mas ainda não perdeu o secreto prazer de «ser o primeiro». Foi na sua loja que vi o primeiro DVD e ouvi o primeiro SACD que chegou a Portugal. E também já tem disponível o Blu-Ray! Em verdade vos digo, são virgens em vídeo todos os que ainda não viveram a experiência exaltante das imagens de alta resolução do Blu-Ray. O DVD vulgar é um borrão comparado com esta janela aberta sobre um mundo de cor e movimento tão concreto e definido como o sonho de Gedeão.



A MÚSICA EM MIM


Passados 20 anos, já ouvi e vi tudo o que de melhor se produz no mundo da electrónica. Mas aqui para nós, Eduardo, meu amigo, nunca esquecerei a primeira vez que ouvi a Thelma Houston em tua casa. Ainda hoje, cá bem dentro do peito, «I've got the music in me»...



Nota: Pedro's Hifi, Shopping Palmeiras, Oeiras, telef. 21 456 0669

Ao Eduardo. JVH recorda as suas aventuras audiófilas com Eduardo Rodrigues

Artigo publicado no DN em 30 de Julho de 2004 (versão pdf)


AbsoluteSounds950x438
Publicidade